Andrea Alves
  • Por Andrea Alves
  • Leia em 3 min.
  • 01/10/2014
  • Atualizado em 25/06/2018 às 20:06

Conheça a Standup Paddleboard Yoga

Prática feita em cima de prancha é uma lição de desapego

Conheça a Standup Paddleboard Yoga

Praticar Yoga é sempre bom. Mas se for em contato com a natureza e ainda sobre as águas é melhor ainda. O Standup Paddleboard Yoga (SUP), estilo de Yoga praticado sobre uma grande prancha na água, virou sucesso nos Estados Unidos e obviamente vem conquistando nossos corações tropicais.

As pranchas usadas no Standup têm por volta de três metros de comprimento e eram navegadas pelos surfistas no Havaí desde a década de 40, quando a prática nasceu como esporte. Usando remos, eles deslizavam por águas planas e pelas ondas. A prática de Yoga foi então adaptada a esta modalidade de prancha e praticada sobre as águas mais calmas. As posturas são as mesmas usadas no tapete e alguns praticantes mais avançados conseguem até mesmo fazer as invertidas, nas quais as pernas ficam para cima. De qualquer forma, manter o equilíbrio nas posturas já requer um grande esforço físico.

Além do equilíbrio intenso, os praticantes trabalham a concentração e a tonificação muscular. Tudo isso com uma sensação de relaxamento e uma experiência meditativa que nascem deste contato profundo com a natureza.

A musculatura do corpo é ativada mais intensamente devido à superfície irregular que é oferecida durante todo o tempo de prática. Nesse caso, o centro de força (core) e o abdome agradecem. Por esse motivo, a Standup Yoga requer uma qualidade diferente de concentração – não somente na execução das posturas, mas como na transição entre elas.

Além do mar, o Standup Yoga pode ser praticado em um lago ou rio de movimento lento. Por isso, você não tem mais desculpa se morar longe da costa. Se você já é praticante, pode tentar as posturas tranquilamente sobre a prancha e provavelmente terá até mais facilidade de equilíbrio que os iniciantes.

O mergulho no desapego

Sobre a água, praticamos especialmente o desapego, tão sugerido pela filosofia yogi. De nada adianta querer controlar ou fazer tudo perfeitamente, pois estamos suscetíveis às correntes e cair faz parte deste processo.

Jessica Taylor, uma professora de Vinyasa que começou a praticar Standup Yoga em Savanna, nos Estados Unidos, diz que em muitas manhãs ela teve que lidar com os “humores” das correntes do córrego Richardson, que fica perto de sua casa. Morando atualmente na Flórida, ela pratica agora na praia Neptune, na cidade de Jacksonville. “No estúdio eu me pego tentando fazer tudo tão perfeito que me esqueço o quão divertido o yoga é. O SUP me faz lembrar que nada é tão sério”, comentou.

Antes de entrar na água, já se conecte com ela e assuma que a possibilidade de cair pode ser divertida. O espírito é justamente não ser sério. Vale também aproveitar o tempo sobre o pranchão para dar umas boas remadas e sentir o som das águas e a brisa trazendo muita inspiração e bem-estar.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Andrea Alves

Andrea Alves

Andrea Alves é terapeuta Ayurveda, professora de Yoga e Yogaterapeuta. Coordena o blog andreaalves.blog.br, especializado em bem-estar através de Yoga e Ayurveda. Saiba mais