Gabriela Casabona
  • Por Gabriela Casabona
  • Leia em 12 min.
  • 13/04/2012
  • Atualizado em 13/04/2012 às 11:34

Quatro formas de detectar o câncer de pele

Método simples de observação identifica sinais precoces da doença

Método simples de observação identifica sinais precoces da doença

Quatro formas de detectar o câncer de pele

O câncer de pele é aquele que surge de mansinho, chega de forma que você não percebe de imediato. Geralmente começa com uma pequena mancha, e vai se desenvolvendo aos poucos. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), estima-se que o Brasil terá, no ano de 2012, 62.680 casos novos de câncer da pele não-melanoma entre homens e 71.490 em mulheres. Esses valores correspondem a um risco estimado de 65 casos novos a cada 100 mil homens e 71 para cada 100 mil mulheres.

Pouca gente sabe, mas o câncer de pele normalmente aparece depois de alguns anos. Ou seja, a pele deve ser alvo de cuidado constante, desde a nossa infância. A exposição ao sol é o grande vilão dessa história. Lembra quando era criança e seus pais insistiam em lambuzar você de protetor solar, principalmente se brincava na água? E eles estavam certíssimos! O protetor atua em nossa pele como uma espécie de escudo, impedindo que o mal maior aconteça. Infelizmente, a exposição prolongada ao sol ou em horários inapropriados, das 10h às 16h, nos leva a ter problemas sérios na fase adulta.

Outro fator que também não podemos esquecer é o de ordem genética, e que precisa ser observado. Pessoas que possuem casos de câncer da pele na família devem ficar atentas e tomar mais cuidado ao se expor ao sol.

Prevenir ainda é o melhor remédio

Para evitar males como o câncer, sugiro filtro solar com proteção 15 ou mais, chapéu e óculos escuros. Aliar a prática de esportes à uma dieta saudável, rica em verduras, cereais integrais, frutas e nozes ajuda igualmente a prevenir diversas formas de câncer. Também é importante fazer um “check up” pelo menos uma vez ao ano para avaliar determinadas pintas ou sinais que surgem na pele.

O cuidado com o sol é essencial. Os raios ultravioletas estão em toda parte. Mesmo em locais fechados, mas iluminados com lâmpadas fluorescentes, há irradiação UV. Portanto, deve-se usar protetor solar diariamente. O abuso crônico da exposição à radiação solar traz danos à imunidade da pele, induzindo os carcinomas (câncer) e provocando o envelhecimento da pele (manchas, vasos, flacidez).

Diagnóstico e tratamento

Os melanomas são lesões que normalmente se originam de pintas já existentes, e que frequentemente se transformam com rapidez. Os sinais mais precoces podem ser detectados através de uma regra conhecida como ABCD:

  1. Assimetria: uma metade da pinta é diferente da outra.
  2. Borda irregular: contornos mal definidos.
  3. Cor variável: muitas tonalidades numa mesma lesão (preta, castanha, branca, vermelha, azulada).
  4. Diâmetro: maior que 6,0 mm (diâmetro de um lápis).

O autoexame constante da pele já é um bom início para evitar ou tratar a doença precocemente. Ao aparecer qualquer mancha, pinta nova na pele ou uma espécie de ferida, anote a data em que ela apareceu. Manchas pruriginosas (que coçam), descamativas ou que sangram são sinais que indicam que algo não está bem. Em frente ao espelho e com a ajuda de um espelho nas mãos, faça o autoexame. Caso encontre qualquer diferença ou alteração, procure orientação médica.

Se identificou alguma alteração na sua pele, é preciso consultar um especialista para que ele solicite ao paciente uma biópsia. Com o resultado em mãos, cabe ao profissional decidir a melhor conduta para cada caso: cirurgia convencional, quimioterapia, radioterapia ou cirurgia micrografia. O câncer de pele tem grande poder de metastatização, ou seja, pode se espalhar com facilidade para outros órgãos do corpo. Por esse motivo, deve ser diagnosticado e tratado no início.

Quando detectado precocemente, o câncer de pele apresenta altos percentuais de cura. Infelizmente, o número de pessoas que podem chegar a ser acometida com esta doença ainda é relativamente grande. Vale lembrar que pessoas de pele clara têm maior incidência de ter a doença, assim como aquelas que se expõem demasiadamente ao sol, são fumantes ou se submetem com frequência a câmeras de bronzeamento artificial.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Gabriela Casabona

Gabriela Casabona

Médica dermatologista, participou da equipe da primeira temporada do programa "10 Anos Mais Jovem", do SBT. Co-autora do livro Cosmiatria em Dermatologia, mantém consultório em São Paulo e colabora no Ambulatório de Laser da Faculdade de Medicina do ABC, Saiba mais