Alexey Dodsworth
Por Alexey DodsworthLeia em 3 min.05/10/2017 Atualizado em 24/06/2018
Seu signo é, na verdade, todo seu Mapa Astral

Seu signo é, na verdade, todo seu Mapa Astral

Não faz sentido resumir a personalidade de alguém pelo signo solar

Dizer-se ariano, libriano ou de qualquer outro signo é o mesmo que falar “eu tenho cabelos pretos”. Ou seja, não significa muita coisa. Talvez você nem imagine, mas seu signo é, na verdade, todo o seu Mapa Astral.

Quando alguém pergunta “qual é o seu signo?” – questão comum em nossa cultura – está em verdade levantando um ponto que só se tornou significativo a partir do início do século XX, por conta dos movimentos de popularização da Astrologia, em grande parte realizados pelo astrólogo inglês Alan Leo.

Apesar de a Astrologia ser um conhecimento com mais de cinco mil anos de história, a questão dos signos solares e a utilização dos mesmos como uma identidade é relativamente recente. Dizer algo do tipo “eu sou de Áries“, “meu namorado é taurino” ou qualquer coisa que o valha, se fosse dito para um ser humano de antes do início do século XX, soaria como um código alienígena. A pessoa simplesmente não entenderia sobre o que se está falando. Mesmo hoje em dia, para qualquer astrólogo, este tipo de descrição identitária não significa muita coisa, não tem grande importância dentro do contexto de um estudo astrológico individualizado, feito a partir do estudo do Mapa Astral.

Quando Alan Leo popularizou o conhecimento astrológico a partir dos signos solares, o fez por um motivo muito simples: para saber qual o signo solar de uma pessoa, basta saber o dia e o mês em que ela nasceu. Todas as pessoas nascidas em 15 de setembro, por exemplo, serão virginianas. O signo ascendente exige um cálculo mais complexo, e o signo lunar então nem se fala… Mas o fato de o signo solar ser mais conhecido do que o signo lunar ou do que o ascendente, por exemplo, não tem nada a ver com uma suposta “maior importância” do signo solar, e sim com uma maior facilidade da informação. Como seu objetivo era popularizar a Astrologia, Alan Leo procurou divulgar o ponto astrológico que seria mais fácil para que qualquer um conhecesse, sem precisar realizar nenhum cálculo matemático complicado demais.

Não faz sentido reduzir alguém ao seu signo

O que acontece é que pelo fato de algumas das constelações celestes levarem o mesmo nome dos signos da Astrologia, muita gente se engana achando que signos são constelações.

Muita gente se engana achando que signos são constelações.

Por isso, mesmo que tal informação quebre o romantismo de uma noite estrelada, é preciso que você saiba que uma coisa é a constelação de Touro, e outra totalmente diferente é o signo astrológico de Touro. Dizer que alguém é de Touro, por exemplo, não tem nada a ver com o suposto fato de, no momento do nascimento desta pessoa, o Sol estar passando pela constelação de Touro, porque não estava. O que acontece é que, neste nascimento, o Sol passava pela zona geométrica que, para a Astrologia, corresponde ao signo de Touro.

Deste modo, você já sabe a resposta quando ler por aí que o seu signo mudou, ou quando se deparar com um cético que acusa a Astrologia de usar os signos errados. Esta informação não procede. Seu signo não mudou, justamente porque nunca foi uma constelação. Críticas à Astrologia sempre existirão, mas as piores são aquelas feitas sem conhecimento de causa. Nós, que apreciamos o tema, precisamos estar devidamente informados para não nos deixarmos levar por informações incorretas.

Alexey Dodsworth

Alexey Dodsworth

Astrólogo há 30 anos, é escritor, membro da MENSA e atualmente cursa doutorado em Filosofia e Ética em Veneza. Tem ampla experiência em ensino de Filosofia, já tendo sido consultor da UNESCO e assessor especial no Ministério da Educação.