Roberta Struzani
Por Roberta StruzaniLeia em 5 min.18/03/2016 

Quebrando os tabus da masturbação feminina

Conhecer o próprio corpo ajuda a ter prazer e fortalece autoestima

Durante a relação sexual, algumas mulheres possuem dificuldades de chegar ao orgasmo, e quase sempre isso é fruto de uma falta de autoconfiança, que funciona como uma espécie de trava automática no sexo. Uma ótima maneira de “desbloquear” essa situação é por meio da masturbação feminina. Mas para isso é preciso quebrar alguns tabus em torno do assunto, encarando a prática com naturalidade e entendendo que o ato de se tocar para buscar prazer pode funcionar como um coadjuvante no tratamento da autoestima.

Quando uma mulher não sabe se tocar ou do que gosta, pode acabar levando alguns reflexos disso para a relação sexual e até para o relacionamento como um todo. Nesse caso, ela “obriga” a pessoa parceira a descobrir o que lhe dá prazer, o que é uma responsabilidade muito grande para o outro. É a mulher que deve exercer esse papel na cama, orientando o parceiro sobre o caminho que ele deve percorrer no seu corpo. Afinal, cada pessoa possui sensibilidades diferentes.

Não é vergonhoso se tocar e depois instruir o outro a tocar você da maneira certa. Isso é natural e fundamental na sexualidade humana.

Uma mulher que consegue alcançar o orgasmo é mais feliz, bem resolvida consigo mesma e com uma melhor autoestima. Afinal, sentir prazer tendo um orgasmo é sinônimo de saúde. E se isso não acontece com você, existe algo de errado, algum bloqueio, que pode ser descoberto por um especialista e depois devidamente tratado.

Mas é justamente essa questão cultural que faz com que seja possível observar uma forte diferença entre homens e mulheres no quesito masturbação. Basta uma conversa com as amigas para perceber a quantidade absurda de mulheres que têm dificuldade de alcançar o orgasmo, ou nunca o tiveram, assim como as que não têm o hábito de se masturbar, comparado aos homens que é quase zero.

Grande parte do bloqueio que impede as mulheres de se masturbarem com naturalidade e alcançarem o orgasmo está no padrão cultural da sociedade, que encara e trata a mulher como uma figura frágil. Ela, então, é vista como um símbolo intocável, inclusive por si mesma. Outra parte desse bloqueio está na falta de consciência corporal física e de conhecimento sobre o corpo.

12 dicas para conhecer melhor seu corpo

É muito comum as mulheres não sentirem prazer com a masturbação, ou não colocarem esse hábito em prática. E o mesmo se aplica ao sexo. Mas a grande causa disso ainda é a falta de conhecimento do próprio corpo. Então que tal começar a se conhecer melhor? Veja abaixo algumas dicas:

Local

Procure um local calmo e crie um ambiente sensual, com recursos que estimulem todos os seus sentidos. Pode ser no banho, no quarto ou em algum qualquer lugar em que você ficar o mais relaxada possível. Fantasie assim um lugar gostoso, que lhe pareça perfeito para esse momento.

Posição

Inicie com uma posição simples, geralmente com as pernas ligeiramente afastadas e os pés apoiados na cama, na banheira ou no chão. Caso suas fantasias lhe estimulem em alguma outra posição, então fique assim. É interessante neste momento aproveitar para utilizar um espelho posicionado entre suas pernas, para ver sua vagina e perder o “medo” dela, aproveitando para se admirar e derrubar todos os tabus de que seu órgão sexual é uma coisa errada e feia. Ele é, na realidade, um símbolo de sua feminilidade e beleza.

Lubrificação

Lubrifique as duas mãos ou o objeto que for usar para a masturbação. Assim, quando você estimular o clitóris em movimentos repetitivos, não irá gerar atrito, fazendo o estímulo ficar na intensidade e força que lhe darão mais prazer. Se optar por se masturbar com as duas mãos, utilize-as alternadamente, pois assim seu corpo irá experimentar estímulos ligeiramente diferentes, mas que podem fazer diferença para chegar ao orgasmo.

Zonas Erógenas

Toque levemente as partes erógenas de seu corpo, sinta um toque leve percorrer as regiões que mais lhe excitam. Experimente as texturas diferentes de seu corpo em suas mãos, como a pele do rosto, lábios, pernas ou língua, por exemplo. Procure ter o mínimo de pudor possível neste momento para poder descobrir o que cada parte de seu corpo lhe faz sentir. Esses estímulos poderão ser feitos várias vezes durante a masturbação, aumentando o prazer e facilitando o orgasmo.

Inicie o toque leve de suas mãos nos lugares mais próximos de sua vagina, mas ainda sem tocá-la. Repita esse toque algumas vezes, alisando com a ponta dos dedos o redor da vagina e se aproximando cada vez mais dela. Quando estiver pronta, sinta com a ponta do dedo indicador a textura e as sensações de cada parte de sua vagina. Algumas mulheres gostam de dar nome para sua vagina, como uma forma de criar intimidade com ela. Se você se sentir à vontade para fazer isso, experimente.

Toque

  • Com as mãos ligeiramente lubrificadas, sinta com a ponta dos dedos o clitóris, descubra se ele é muito sensível e o quanto você deve evitar ou se aproximar dele. Faça movimentos circulares ao redor dele, primeiro com uma mão e depois com a outra. Experimente passar a mão direita no lado esquerdo do clitóris, e a mão esquerda no lado direito dele. Isso tende a gerar uma sensação mais prazerosa. Procure perceber como o seu corpo sente este toque, descubra assim como é a sua sensibilidade e tente estimulando o redor do clitóris com o toque. Com o aumentar da excitação a sensibilidade diminui, e você poderá sentir vontade de aumentar a pressão ou tocar o clitóris diretamente.
  • Com uma das mãos, utilize o dedos médio e o indicador para afastar os lábios vaginais e revelar o clitóris. Vá alisando delicadamente ao redor dele, perceba neste momento qual pressão lhe dá mais prazer e que tipo de movimento – se circular, vertical ou horizontal – mais lhe agrada. Repita esse movimento da forma que mais lhe dá prazer, buscando conhecer a velocidade e o ritmo da masturbação que mais lhe agrada. Perceba também a sensação que seu corpo tem quando você para um pouco o movimento.

Vibradores

  • Experimente instrumentos como vibradores. A vibração desse objeto estimula muito toda a região da vulva e do clitóris, e faz com que a mulher atinja o orgasmo com mais facilidade. Comece usando o vibrador apenas por fora da vagina, fazendo os mesmos movimentos que realizou com suas mãos. Passe também o objeto pelas partes de seu corpo que causam excitação. Depois disso, coloque o vibrador em cima do clitóris e faça movimentos rítmicos, variando a pressão do objeto.
  • Se você nunca teve uma relação sexual, não introduza o aparelho em sua vagina para não romper o hímen ou causar nenhum tipo de desconforto. Caso contrário, é muito indicado que procure introduzir o vibrador na vagina, buscando encontrar dentro dela as ramificações internas do clitóris, que quando estimuladas também geram muito prazer, incluindo o seu ponto G – que nada mais é que uma junção das terminações nervosas do clitóris na parte interior da vagina. Mas evite penetrar o instrumento muito profundamente, pois existem regiões mais sensíveis que podem causar um leve desconforto e atrapalhar o orgasmo. É importante experimentar a sensação que o objeto causa em toda a região interna da vagina.

Alterne os estímulos

Alterne todos esses estímulos. Afinal, depois de um tempo repetindo o mesmo movimento, a região pode perder um pouquinho da sensibilidade, dificultando o orgasmo. Por isso é importante mudar o estímulo, trocando a mão que estiver tocando seu órgão sexual, mudando o ritmo ou a pressão, estimulando regiões diferentes do seu corpo e de forma sempre alternada, até sentir que a excitação está muito grande. Nessa hora, procure estimular apenas a região do clitóris, que lhe proporcionará a maior excitação.

Orgasmo

Quando perceber que está quase no momento do orgasmo, evite mudar o tipo de movimento que está fazendo, mas tente estimular o máximo possível lugares em seu corpo que percebeu que geram prazer. Por exemplo: enquanto esfrega a ponta dos dedos em seu clitóris, vá com a outra mão diretamente em seu ponto G, que já foi encontrado anteriormente enquanto sentia as partes do seu corpo. Isso aumenta ainda mais a excitação, impedindo que no momento final aconteça alguma interrupção do prazer e comprometa a masturbação. Faça isso até chegar ao orgasmo, e se permita sentir esse prazer até o seu final.

Conhecer seu corpo

É muito importante para as mulheres que querem levar este “treino” ao ato sexual, que utilizem tanto os instrumentos quanto as próprias mãos na masturbação. Pois apesar dos instrumentos facilitarem muito para se chegar ao orgasmo, é com as suas mãos que você terá a percepção mais exata de cada parte de seu corpo. Isso ajudará a pessoa parceira a saber como lhe dar prazer, já que agora você se conhecerá melhor. Mostre a quem se relaciona todos os segredos que descobriu sobre seu corpo durante a masturbação e faça do ato sexual um momento de muito prazer para ambos.

Roberta Struzani

Roberta Struzani

Terapeuta especializada em sexualidade e saúde ginecológica. Realiza atendimentos presenciais e online focados no autoconhecimento, na elevação da autoestima e na saúde do aparelho reprodutor feminino. Sua principal ferramenta de trabalho é o Pompoarismo.