Logo Personare vertical
Pesquisar
Loading...
Como meditar: dicas para evitar desconforto e esvaziar a mente

Como meditar: dicas para evitar desconforto e esvaziar a mente

Sensações como dormência na perna, mente dispersa, dúvidas e cobranças são comuns e podemo ser superadas

Se você começou a meditar, já deve ter deparado com algum desconforto no corpo. Às vezes as costas começam a doer e as pernas ficam dormentes. Quando o corpo está confortável, parece que o incômodo passa a ser mental, a mente divaga e você se pega pensando em coisas que não queria. Mas, afinal, como meditar?

“Na meditação, eu deveria estar calmo e focado no momento no presente”, você pensa. Mas o que experimenta é bem diferente. Um turbilhão de pensamentos que você não quer, várias histórias do passado e preocupações ou fantasias sobre o futuro vem à mente.

Além disso, você se dá conta que os pensamentos te sequestram, te levam longe do aqui e agora e automaticamente você começa a lutar contra isso, mas o resultado é cansativo.

Então, como começar a meditar? Como fazer meditação? Como meditar sozinho? Como meditar corretamente? Um monte de dúvidas e cobranças aparecem mesmo para os mais comprometidos. Neste artigo, tentaremos desmitificar algumas questões e sugerir dicas de como meditar.

Como fazer meditação?

Nos meus primeiros anos de prática, fiz essa pergunta para minha acharya (professora), uma monja de Ananda Marga (organização internacional espiritual de Yoga e Serviço Social), que me acompanha desde meu início na meditação.

Lembro sempre da sua resposta: medita que tudo acontece. E foi isso que fiz, simplesmente meditei, mesmo passando por essas dificuldades.

Meditei sem lutar, sem esperar nada, sem querer nada. Passaram muitos anos e muitas experiências que me deram os frutos mais valiosos que já plantei. E aqui divido com vocês.

Como meditar: dicas para superar os desconfortos

Pernas dormentes

  • Muitos meditadores passam por isso, mesmo os mais experientes. Minha dica? Vai se acostumando com essa sensação e perdendo o medo.
  • Mesmo que você não sinta mais as pernas, elas sempre voltam ao normal, sem nenhum dano.
  • O ideal seria permitir a dormência e ver se ela passa naturalmente.
  • Caso fique muito desconfortável, troque a postura ou pare de meditar.
  • Acho importante você não criar um conceito negativo sobre meditar, por isso aconselho a pausa nesse caso.
  • Meditar não é difícil. Pelo contrário, esse momento é para aceitar qualquer experiência.

Mente dispersa

  • Essa é uma das características da mente, que naturalmente sai em várias direções.
  • Os yoguis antigamente descreviam a mente como um macaco bêbado, picado por 8 escorpiões, pulando de galho em galho.
  • Então, quando observar isto, relaxe e traga ela para o presente.
  • Lembre-se: somente estamos conscientes quando observamos no momento presente.

Apagão

  • É mais comum do que você imagina. A mente simplesmente apaga e você não se lembra de nada.
  • É bem parecido com o sono, mas você está sentado meditando.
  • Nestes casos, ajuda muito enraizar antes de começar e utilizar um sankalpa (determinação) no início da meditação.
  • Para enraizar, visualize-se como uma árvore grande e antiga, em que suas pernas são raízes profundas que sentem a terra e te deixam muito estável no chão.
  • Quando estiver bem consciente do corpo, faça seu sankalpa e repita mentalmente três vezes: “eu fico atento e consciente durante toda a meditação”.

Expectativas

  • Fique consciente caso você tenha alguma expectativa ao sentar para meditar.
  • Rotule cada uma delas, para que fiquem bem evidentes.
  • Por exemplo: “eu espero ficar calmo na meditação”, “eu espero parar de pensar”, “eu espero que esta meditação me traga uma experiência incrível”.
  • Depois de listá-las, lembre-se: expectativas são ilusões, não realidade.
  • Fique presente e enraizado e você irá tomando a rédeas da sua vida. A vida acontece aqui e agora.

Dúvidas e cobranças ao meditar

Quem está iniciando na meditação, costuma seguir meditação guiada, mas, ainda assim, surgem diversas dúvidas.

Essas dúvidas provavelmente surgirão durante a meditação e podem atrapalhar o seu processo e desestimular.

A seguir, veja algumas das respostas, para se manter tranquilo e seguir praticando.

Estou meditando?

  • Sim, você está. Mesmo distraído, incomodado ou com qualquer sentimento, sempre que você voltar a ficar consciente no presente por pequenos momentos, você está meditando.
  • Apenas sente, observe e relaxe na experiência.

É necessária meditação diária?

  • O ideal é fazer meditação diária.
  • Mas atente-se que as cobranças são padrões de pensamentos que acompanham o ser humano na busca da perfeição. Se elas aparecem na meditação, elas estão presentes no seu cotidiano também.
  • Observe-se e questione se as cobranças servem para crescer e melhorar ou se elas lhe deixam frustrado e desapontado. Normalmente, elas atrapalham o caminho ao invés de motivar sua expansão.
  • Cultive a aceitação e veja como esta atitude faz você relaxar e ter clareza do que você realmente quer e de como agir.

Meditação matinal é melhor?

  • Meditação matinal é ótima para as pessoas que acordam pela manhã, depois de um sono reparador, com a mente limpa e clara. Elas não sofrem de altos níveis de ansiedade, e conseguem meditar antes de iniciar as tarefas do dia. Não precisam de muito esforço para levantar cedo e fazer sua rotina sem pressa.
  • Para esse tipo de pessoa, a meditação matinal é ideal.
  • Já para outras, acontece o contrário. Elas só conseguem relaxar a noite, após terminar os deveres cotidianos. Então, chegar em casa, tomar um banho e fazer uma meditação noturna é bem mais indicado.
  • Desde a antiguidade, os sábios e mestres de meditação ensinam que existem dois momentos ideais no dia para meditar. O primeiro é durante o nascer do sol e o segundo, durante o pôr do sol, ajudando a dormir melhor. Nesses horários, a energia do ambiente torna-se muito calma e silenciosa, o que facilita na hora de entrar no estado meditativo.
  • Você não necessariamente deve meditar nesses dois horários, mas sim tomar em conta sua rotina, seu tipo de mente e seu nível de energia para encontrar o melhor momento para meditar.

Como fazer a Meditação Ho’oponopono?

  • A Meditação Ho’oponopono, seja por meio da Oração Ho’oponopono (clique aqui para ver), ou simplesmente a repetição das quatro frases do mantra Ho’oponopono devem ser feitas a todo tempo, pois estamos sempre significando as coisas com nossas memórias e como já vimos, isso nos limita a situações repetitivas e nunca ao novo.
  • Repita as frases abaixo até o problema se resolver em seus sentimentos e situações.
  • Fale “Eu te amo” para declarar amor incondicional ao reconhecimento do Ser de Luz que mora em cada um de nós.
  • Use o “Sinto muito, me perdoe”, quando se desculpar por ter colocado o outro nesta situação, que é de sua total responsabilidade. Até porque é você que esta vendo desta forma.
  • Diga “Obrigado(a) ou sou grato(a)” pela oportunidade de ter se conhecido melhor e por esta razão ter a possibilidade de purificar suas programações inconscientes.

Como meditar sozinho?

  • Sente numa postura confortável, pode ser na cadeira ou no chão, relaxe as mãos perto dos joelhos com as palmas para baixo, deixe a coluna reta e feche os olhos.
  • Recolha toda sua atenção na respiração natural e observe o movimento delicado que acontece nos pulmões e na área do abdômen por alguns minutos.
  • Faça 7 respirações profundas e longas.
  • Fique uns minutos observando os pensamentos passarem. Não tente controlar nem interagir com os pensamentos, simplesmente observe sem julgamento e deixe que eles passem.
  • Para finalizar, faça uma respiração profunda e repita mentalmente: “Estou em paz aqui e agora”.

Como meditar corretamente: 3 dicas infalíveis

Para finalizar, falaremos sobre como meditar corretamente. Vou te dar três comandos importantíssimos. Quanto mais você praticar eles, sua meditação vai ficar mais fácil.

  1. Mantenha sempre uma distância entre você e aquilo que você está observando. Seja pensamento, emoção, som externo ou qualquer diálogo interno, não se identifique.
  2. Aprenda a não julgar aquilo que você observa. Tem uma máxima que você pode praticar: “Tudo é como é” as coisas e as pessoas são como são. Elas não precisam se ajustar a como cada um de nós acha que deveriam ser.
  3. Aceite a tua experiência interna durante a meditação. Seja agradável ou não, ela mostra algo importante sobre você. Escute com compaixão seu íntimo.

Foque nessas três dicas finais e tente. Experimente. Faça meditação por 5 minutos, tente depois uma meditação guiada de 10 minutos e assim siga. Com o tempo, não restarão mais dúvidas e você não conseguirá viver sem a meditação.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Gunatiita

Gunatiita

Fundadora da escola UNA MEDITAÇÃO, professora de Yoga do Museu do Amanhã do RJ, idealizadora do maior evento de meditação o Rio Desperta. Saiba mais