Eliana de Almeida

Reaprendendo o que é Feminino

Especialista no tema convida à reflexão sobre o valor das mulheres

Especialista no tema convida à reflexão sobre o valor das mulheres

Reaprendendo o que é Feminino

“Para toda mulher, há sempre três mulheres: ela menina, sua mãe e mãe da mãe” – D.W. Winnicott

Amo os homens, mas aprendi a ser mulher com as mulheres: sendo filha da minha mãe, sendo amiga, sendo mãe das minhas filhas, e sendo mulher do meu companheiro e não sua filha ou mãe.

Precisamos reaprender o que é o Feminino. Minha mensagem urgente para as mulheres é: precisamos voltar a sentir com o nosso útero.

Afinal, se não há espaço para a fisiologia feminina, como as meninas vão aceitar seu corpo como ele é?

Quantas mulheres atualmente deixaram de observar os ciclos do próprio corpo, deixando de lado a riqueza desse período de introspecção, recolhimento e contemplação de si mesmas?

Precisamos cuidar de nossos filhos e não simplesmente delegar essa importante tarefa a outras pessoas.

Não estou criticando as mães que precisam trabalhar e sustentar sua família, mas temos que parar e refletir um pouco sobre a função da maternidade na evolução da mulher e quais são as nossas prioridades femininas.

Precisamos conviver com nossas crianças, escutá-las e amá-las.

O que são dois anos de dedicação de uma mãe, diante de toda uma vida de identidade fortalecida de seu filho que teve seu apoio e presença? Que ouviu sua voz e sentiu seu cheiro e calor?

Pois sabemos que uma mãe nunca tem paz se seu filho não é capaz de viver sua própria vida.

E o que vemos hoje são muitos jovens perdidos, em todos os níveis: emocional, físico, mental, intelectual e espiritual.

Precisamos lutar por leis mais flexíveis e justas para as mulheres. Na Suécia a licença maternidade chega a 480 dias.

Na União Européia, o pai tem duas semanas de férias remuneradas como forma de receber plenamente a criança em seu nascimento, criando a chamada “paridade parental”.

O que é feminino: Carreira e sexualidade

Por outro lado, a identidade feminina não vem só da maternidade. Vem do estudo e de ganhar nosso próprio dinheiro. E de voltar a ter orgasmos, sermos donas da nossa sexualidade.

Enfim, precisamos nos reunir para resgatar a nossa identidade de mulher, que não precisa se sentir impotente, insegura, hesitante, bloqueada, incapaz de realizações, entregando a própria criatividade para os outros.

Muitas escolhem parceiros, empregos ou amizades que lhe esgotam a energia, sofrendo por viver em desacordo com os próprios ciclos.

Não precisamos ser superprotetoras de nós mesmas, inertes, inconstantes e vacilantes, incapazes de regular nossa própria marcha ou de fixar limites. Esses foram os padrões que recebemos do mundo patriarcal; já é hora de dar o “Basta!”.

Para vermos isso acontecer, vamos criar pequenos rituais que nos possibilitem o reaprendizado do feminino.

Visitar nossas mães, tias, avós e mulheres que nos passem amorosamente sua experiência de vida feminina.

Podemos instituir no mês o “Dia da Amiga”, para estarmos em um ambiente acolhedor, reunidas com nossas amigas queridas, falando do que nos dá prazer.

Somos mulheres e queremos viver e amar como mulheres.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Eliana de Almeida

Eliana de Almeida

Pedagoga, facilitadora didata de Biodanza formada pela Internacional Biocentric Foundation. Trabalha com grupos regulares há mais de 12 anos de Biodanza e também com grupos de mulheres para o desenvolvimento do self feminino - www.biodanzario.com.br Saiba mais