Marcelo Anselmo
Por Marcelo AnselmoLeia em 2 min.15/10/2018 

Mindful Eating reduz chances de desenvolver compulsão alimentar

Ativar os sentidos na hora da alimentação aumenta sensação de saciedade

Comer de forma tão rápida – como estamos acostumados a fazer – é um processo oposto à proposta do Mindful Eating (Comer Consciente). Dar mais atenção ao alimento antes da ingestão eleva os sabores da alimentação, promovendo mais saciedade. Mudando a postura em relação ao alimento, as chances de desenvolver compulsão alimentar diminuem, já que o cérebro passa a responder com a liberação de hormônios de prazer.

Mindful eating na prática

De que forma fazemos essa mudança? Mais do que olhar o alimento, podemos observá-lo, perceber suas cores, formas e texturas. Podemos trazer o quitute próximo das nossas narinas, fechar os olhos e absorver o aroma que ele propaga. Se o alimento for palpável, que tal explorar o tato e detectar sua maciez ou aspereza? Talvez até escutar os ruídos que este processo é capaz de gerar.

Como tratar a compulsão alimentar com a ativação sensorial

Nas minhas experiências clínicas com pacientes, ressalto para eles a relevância da ativação sensorial. É o momento em que devemos começar a nos relacionar com o alimento que está a nossa frente, independentemente do que seja (um lanche, refeição, bebida). Durante a ativação – momento antes de ingerir o alimento – nossos sentidos se tornam mais conscientes, proporcionando uma alimentação mais prazerosa e de mais saciedade.

A ativação sensorial consiste em despertar o espectro sensorial para aguçar o paladar e gerar mais saciedade. Se você conectar de forma mais profunda a visão, o olfato, a audição e o tato, eles, somados, proporcionam uma refeição mais saborosa. Quando evidenciamos os sentidos, enviamos informações ao cérebro, que libera mediadores químicos de hedonismo (felicidade) e prazer no corpo. Juntos, esses processos minimizam possíveis episódios de transtornos compulsivos alimentares e de fome psicológica (comer sem necessidade fisiológica).

Confira no vídeo a seguir como trazer seus sentidos para o momento da refeição. Acompanhe o passo a passo da ativação sensorial:

Por que comemos rápido demais?

Ao tentar responder a pergunta acima, nos deparamos com uma questão histórica de sobrevivência. Na Antiguidade, o homem comia o alimento de forma veloz, pois possuía receio de que outros povoados pudessem roubar sua comida!

Analisando o contexto histórico até os dias atuais, entretanto, podemos concluir que o perigo de roubar a comida é praticamente inexistente na atualidade. Hoje, são outros os fatores que geram essa pressa para comer, inerente à espécie humana, como por exemplo: o estresse, a fome em si e a nossa própria programação mental, que passa a informação de que devemos comer rápido para sobrar mais tempo para a atividade seguinte.

Assim, ao tentar “puxar o freio” para termos uma refeição mais plena e prazerosa, temos os princípios do Mindful Eating (Comer Consciente), também conhecido como a Atenção Plena na Alimentação. A técnica se embasa a partir dos preceitos do Mindfulness, direcionando-os especificamente para a alimentação.

 

Marcelo Anselmo

Marcelo Anselmo

Fisioterapeuta e Professor de Educação Física; Mestre em Educação; MBA em Marketing; Especialista em Gerontologia; Certificado em Gerenciamento de Estresse; Especialista em Mindfulness e Mindful Eating. Contato: marcelo@plenitudebemestar.com.br