Pesquisar
Loading...

Como fazer um bom jogo de Tarot?

Respostas objetivas exigem concentração no sorteio das cartas

Como fazer um bom jogo de Tarot?

Como fazer um bom jogo de Tarot? O Oráculo exige uma atenção genuína de quem o procura. Quando você se predispõe a fazer uma análise de Tarot, o momento de sortear as cartas acaba sendo imprescindível para assegurar que sua pergunta seja respondida com os arcanos adequados, de modo claro e objetivo.

Por isso, a primeira dica é concentre-se. Sem concentração não pode haver uma interpretação significativa do Tarot. É por isso que tranquilizar a mente, respirar fundo e tentar deixar os problemas de lado durante um consulta é de extrema importância. Quando se realiza uma consulta de Tarot presencial, nada e ninguém além do tarólogo e do consulente tem importância.

Desligue seu celular. Feche a porta, se possível. Pause a música. Minimize ou feche as demais janelas do seu navegador quando for fazer uma consulta. Site, blogs e redes sociais fazem com que você desvie a atenção que o Tarot requer.

A partir disso, faça aqui um jogo do Tarot Mensal, que traz interpretações para quem deseja aproveitar os potenciais positivos do mês e se preparar para possíveis desafios.

Depois, veja as dicas a seguir mais dicas sobre como fazer um bom jogo de Tarot e tirar o melhor proveito do Oráculo.

Leia e releia a análise sempre que puder

Para que seu jogo de Tarot seja pontual, ler e reler a análise é fundamental. Assim como mudamos constantemente as perguntas ao longo da vida, o mesmo ocorre com as respostas que o oráculo nos traz. Elas mudam de acordo com a nossa vivência.

A releitura do que o Tarot lhe respondeu torna possível uma experiência aprofundada, assim como uma mudança positiva em seu jeito de transformar o que está ao seu alcance e de encarar situações que independem da sua vontade.

Fazendo perguntas ao Tarot

Quando houver uma questão a ser feita, como no Tarot Direto (jogue aqui!), faça-a mentalmente ou em voz alta diante do aviso de concentração. Evite perguntas ambíguas, imprecisas ou subjetivas. Exemplos de perguntas que NÃO devem ser feitas:

  • Devo fechar tal negócio ou deixar como está?
  • Eu continuo nesta empresa ou vão me demitir?
  • A pessoa que amo vai se casar comigo ou vai querer me abandonar?

Mantenha a objetividade na hora de formulas suas questões, por maior que seja sua expectativa por uma resposta coerente. Por falar em coerência, procure agir com tranquilidade e respeito pelo Tarot. Exemplos de perguntas adequadas:

  • Devo fechar tal negócio?
  • Continuo nesta empresa?
  • O que tal pessoa sente por mim?

Acho que não me concentrei. Posso/devo jogar novamente?

Não. É frequente pular a parte em que a concentração se faz necessária para chegar às vias de fato: a resposta do oráculo. O Tarot analisa a sua vida real, não a que você deseja. Concentrar-se por muito tempo não é necessário. Ter uma ideia clara do que deseja saber já é suficiente.

É importante notar que mesmo surgindo arcanos com mensagens difíceis para o seu momento, eles deve ser considerados. Reflita sobre a natureza da mensagem, relendo-a diversas vezes ao longo do tempo. Mesmo não havendo a devida concentração, você obteve uma resposta.

Outro ponto importante a ser elucidado é que não existe Tarot “fechado” para quem joga, isto é, cartas que se recusam a lhe responder. A interpretação poderá ser inadequada se não houver o mínimo de concentração naquilo que deseja saber.

Sendo assim, concentre-se quando for preciso embaralhar suas próprias cartas. Experimente aqui a versão gratuita do Tarot Semestral. Depois, leia mais de uma vez as respostas que elas trazem.

O oráculo exige atenção à sua própria postura diante do que é necessário ou mesmo urgente saber. É a partir desta receptividade que você pode mudar suas atitudes. E a partir delas, fazer com que sua vida seja ainda mais significativa.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Leo Chioda

Leo Chioda

Leo Chioda é escritor e um dos principais tarólogos em atividade no Brasil. Graduado em Letras pela UNESP, atualmente desenvolve uma tese sobre poesia e alquimia na USP. Assina o blog e as redes sociais do Café Tarot desde 2006, onde publica associações entre os arcanos e a cultura popular, a literatura, a música e o cinema. Saiba mais