A importância do pai na nossa história

Como entender a importância do pai a partir da Constelação Familiar

A importância do pai na nossa história

Nutrir ressentimentos pelos pais podem causar problemas em nossa vida pessoal e profissional. Neste artigo, você poderá entender a importância do pai e da mãe e lidar com os nossos sentimentos para que possamos fazer escolhas mais livres.

Muitas vezes a infância e/ou a adolescência não foi como nós idealizamos. Seja por ausência de amor, afeto, cuidado ou a presença de desafios maiores, como traumas ou violência.

É verdade que às vezes o pai e a mãe (ou apenas um deles) têm responsabilidade sobre todas essas questões que vivenciamos no passado. Mas quando você carrega todos esses ressentimentos, feridas, e mágoas para a vida adulta, quem paga o preço é você.

Para a visão sistêmica da Constelação Familiar, a relação com o pai tem grande importância na nossa vida, seja pessoal ou profissional.

Bert Hellinger, terapeuta alemão, percebeu que haviam três leis que atuam sobre os relacionamentos familiares: a do pertencimento, a da ordem e a do equilíbrio.

Elas atuam para interferir em todas as áreas de nossas vidas mesmo que não tenhamos conhecimento das mesmas. Assim, se estamos em dissonância com alguma lei, certamente enfrentaremos algum problema mais desafiante  no nosso caminho.

Por que a importância do pai é marcante?

Na visão sistêmica parte-se do pressuposto de que a vida vêm através dos pais e, por esse motivo, eles merecem um lugar de respeito nas nossas vidas.

O que ocorre depois disso, ou seja, ao longo da infância e adolescência, não retira o lugar deles nem a grandeza da vida que foi dada. Da mesma forma, pela lei da ordem, os pais chegam antes ao sistema familiar e, por isso, diante deles somos pequenos.

Isso quer dizer que devemos honrá-los deste lugar que ocupamos independentemente do que eles falam, fazem ou demonstram.

Por isso, se você mantém qualquer julgamento ou crítica a respeito de seu pai, alguma consequência isso trará para sua vida.

O pai pode ter sido alcoolista, ter tido algum fracasso muito grande na vida, ter perdido todo o dinheiro, ter sido muito rígido e autoritário, ou simplesmente não esteve presente no crescimento dos filhos.

Tudo isso pode gerar marcas na criança ou adolescente que certamente leva essas dores para a vida adulta.

Contudo, é preciso lembrar que o pai é um homem que já existia antes que você viesse ao mundo, e com isso ele tem toda uma história também em sua família de origem. Daí a importância do pai na nossa vida.

Quando somos crianças ou adolescentes não temos a força necessária para seguir o nosso próprio caminho.

Mas ao entrarmos na vida adulta precisamos seguir em frente reconhecendo que o pai deu tudo o que ele podia mesmo que não fosse aquilo que você gostaria. É simplesmente lembrar que se você está vivo é graças a ele.

A questão é que ficar remoendo aquilo que aconteceu no passado apenas nos aprisiona a ele e nos impede de realmente entrar na vida adulta.

Se você julga seu pai por qualquer motivo é grande a chance de você se punir, autossabotar ou fracassar em alguma área de sua vida, seja no trabalho ou nos relacionamentos.

O que fazer com o que sentimos sobre nosso pai?

É muito comum os fracassos sucessivos quando há grande crítica em relação ao pai. Muitos homens não conseguem se afirmar profissionalmente, pois estão aprisionados em alguma questão do passado relacionada à seu pai ou à família paterna.

Da mesma maneira, para as mulheres, além de afetar profissionalmente, também pode criar distância do masculino caso ela tenha alguma crítica ou exigência em relação ao masculino da sua família.

Para viver a vida com leveza de forma que tudo flua na nossa vida é necessário uma postura diante do nosso sistema familiar principalmente em relação ao pai e a mãe. Assim, o custo pela mágoa do passado é muito alto.

Muitas vezes num processo inconsciente a pessoa continua levando uma vida difícil e problemática como uma forma de Vingança apenas para não concordar com a lei da Ordem e não se reconhecer pequeno diante do pai.

O que foi feito no passado não será apagado, é real. Mas a forma como você lida com ele é que conduz sua vida no agora e para o futuro.

Será que vale mesmo a pena carregar todos esses ressentimentos? Basta que você se reconheça como parte de um sistema familiar onde várias pessoas vieram antes de você e a vida que você carrega passou através de todas elas até chegar aonde você está.

Quando você experimentar este lugar, o seu lugar certo no seu sistema familiar, certamente sua vida fluirá. Os problemas e os desafios podem continuar, afinal você está vivo, mas a forma como você lidará com eles será bem mais fluida e consciente.

E não se preocupe caso você não tenha tido a oportunidade de conviver com o seu pai ou se ele foi um pai ausente. Para a visão sistêmica a convivência pouco importa.

O mais importante é você reconhecer dentro do seu coração, na sua alma, que ele faz parte de quem você é, e portanto, está em você, mesmo que você não queira.

Experimente esta postura sistêmica e veja a sua vida fluir melhor em todas as áreas da sua vida.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Maria Cristina

Maria Cristina

É psicóloga e atende em consultório em BH e online, por Skype. Tem amor pela profissão e o desejo constante de auxiliar as pessoas a enfrentar suas crises e a buscar o autoconhecimento. Saiba mais