Zoe de Camaris
Por Zoe de CamarisLeia em 3 min.07/05/2019 

Tarot Direto: no que preciso focar para resolver este problema?

Entenda como a pergunta do novo produto do Personare pode te ajudar a encontrar outras perspectivas de um problema que esteja vivenciando

Quando fui chamada para o Tarot Direto, novo produto do Personare, pensei: “Quais são as dúvidas mais comuns, aquelas trazidas com maior frequência para o consultório?”. Os temas campeões de audiência são o amor e a vida profissional.

Mas essa conclusão, óbvia para quem trabalha com práticas oraculares, não ajuda muito. Há um universo de questões sobre relacionamentos afetivos e galáxias de pormenores quando as paixões influenciam outros assuntos: filhos, trabalho, rotinas, estudos, carreira…

Imediatamente me vi flutuando no espaço sideral, tentando apanhar uma boa pergunta entre nebulosas interrogações. Repassei em segundos faces felizes, faces tristes, esperançosas e angustiadas.

Anos e anos de leitura do Tarot, amigas para quem coloquei cartas em troca de uma moeda, a feira onde perguntas jorravam antes mesmo que eu pudesse responder as primeiras, meu visual contrastante com o estilo cigano-esotérico quebrando expectativas, a moça de dezoito anos que me procurou querendo saber quando ia morrer, o tempo em que eu só lia as cartas ao ar livre, os erros, os acertos… Eu teria ficado nessa máquina do tempo durante horas, até que me dei uma ordem: – Foco, Zoe! Afinal, no que preciso focar para achar a melhor pergunta? E quando dei por mim, tinha acabado de encontrar uma delas.

No que preciso focar para resolver este problema? é uma das perguntas do novo serviço de Tarot do Personare, o Tarot Direto, que oferece ainda perguntas sobre relacionamento e carreira. Conheça aqui.

Como manter o foco

A técnica que funciona comigo para dar partida em processos resolutivos importantes é acionar a criatividade. Primeiro, passeio pelo passado, deixando-me distrair, alagando possibilidades. Procuro nas experiências marcantes registros afetivos, já que a memória sempre seleciona aquilo que mais nos interessa, o que é mais significativo.

Deixo que o fluxo do pensamento tome seu próprio rumo, brinque com sensações e sentimentos e, lentamente, como se pegasse o pensamento pela mão, o conduzo ao presente e observo a ação até que, quando menos espero, um flash espoca e seleciona o que realmente importa, marcando com um “x” a opção certa. 

Sim, meu percurso é difícil porque é muito fácil se perder. E, por isso mesmo, desde menina fui obrigada a aprender como tomar posse dos meus pensamentos. Sabe aquela aluna que fica olhando pela janela meio perdida, no mundo da lua? Descobri que se tivesse uma caneta nas mãos enquanto a professora explicava e tomasse as anotações, registraria na memória toda a matéria.

Quando a professora continuava falando, mas eu não considerava o assunto pontual para a anotação, deixava que a caneta se soltasse no papel e desenhava. Continuava parecendo distraída, mas estava mergulhada no assunto. Muitas vezes precisei explicar meu método para os professores, já que eles preferem olhos nos olhos.

Cada pessoa tem ou deveria ter uma técnica para manter o foco. E se não tem, é preciso descobrir qual é o gatilho exato para despertar a atenção, lembrando que, muitas vezes, determinadas situações pedem métodos diferentes daqueles a que estamos acostumados.

Foi assim que cheguei a essa pergunta e as suas 78 respostas, propiciando um pequeno feixe de luz, um esclarecimento súbito, algo que ilumine a consciência e abra novas perspectivas de entendimento de um problema. O mais interessante com relação a essa pergunta é que pode nos auxiliar em todas as áreas de nossas vidas: amor, trabalho, carreira, etc, desde que você se concentre adequadamente no momento de retirar a carta.

Boa sorte!

Zoe de Camaris

Zoe de Camaris

Taróloga. Pós-graduada em Linguística. Incluiu o Tarot nos seus estudos de especialização no intuito de revalidá-lo como um sistema de linguagem visual interdisciplinar. Autora do Tarot Direto Personare.