Bruna Rafaele
Por Bruna RafaeleLeia em 5 min.01/10/2019 

Será que esse amor é recíproco ou estou me iludindo?

Reflita sobre o seu relacionamento e como ele está te afetando

Se você chegou a esse artigo é porque já se fez a pergunta do título: ele me ama ou estou me iludindo? Muitas vezes, estamos sendo iludidos por aqueles que nos fazem promessas de amor, mas que são falsas. Eles nos iludem dizendo que farão algo, mas acabam fazendo outra coisa. No entanto, também podemos estar nos iludindo ao acreditar mais na palavra do outro do que em seus atos. Em que situação você está agora: acha que está recebendo tanto amor quanto está transmitindo?

Muitas pessoas acreditam que se relacionar é fazer planos, mesmo que sejam apenas palavras ao vento. Quando o relacionamento é uma ilusão não existe vontade em cumprir o que está sendo prometido. As promessas que estão fazendo para você agora têm sido cumpridas? Quantas promessas foram feitas e não concretizadas?

Não é fácil jogar a nuvem do sonho fora e encarar a realidade do relacionamento que se constrói, mas é muito importante encarar a vida com maturidade e confiança na sua capacidade de ser amada/o de verdade. Que tal dialogar abertamente com o parceiro sobre o que estão vivendo, sobre as escolhas feitas, e, assim, direcionar o relacionamento? Primeiro, pergunte-se: você está encarando a realidade e vendo seu parceiro do jeito que ele realmente é? Essas respostas são importantes para você descubra se seu relacionamento é saudável e verdadeiro. Para isso, te proponho um exercício. Responda:

Quanto você investe no seu relacionamento atual?
Como você percebe o investimento do seu par neste relacionamento?
Será que cobrar demais o outro vai fazer com que esse relacionamento funcione de forma harmoniosa?

É importante também questionar seu par sobre o tipo de relacionamento que ele quer viver ao seu lado. Em muitos casos, há uma pessoa construindo um castelo de ilusão sobre o futuro da relação, enquanto o outro está apenas curtindo um tempo do lado do par. Então, sem medo de perder o parceiro, sem medo de tocar neste assunto, busque conversar e descobrir quais são as vontades do outro dentro do relacionamento e o quanto ele tem a oferecer para a relação que vocês estão construindo.

O quando estou me iludindo?

Há pessoas que entram em relacionamentos, mas preferem ficar na superficialidade e não se comprometem com o outro. Enquanto um está tentando construir um futuro a dois, o outro está sendo vago. A desilusão amorosa, em muitas situações, surge da ilusão sobre expectativas que são geradas numa escala que inclui o outro como o grande amor de sua vida e deixa de vê-lo como uma pessoa de verdade. Aqui, te pergunto:

  • Você quer que seu parceiro te complete e que faça tudo para estar ao seu lado?
  • Será mesmo que você está enxergando seu parceiro como uma pessoa que vem com seu pacote emocional, que pode conter dúvidas, inseguranças, medos, traumas e dores de outros amores?
  • Ou você está apenas querendo viver de sonho e fazendo com que o seu relacionamento seja apenas de acordo com a sua vontade, anulando a parte que vem dele?

Quando é recíproco?

A reciprocidade surge do desejo de ambas as partes em querer ficar junto um do outro, sem desculpas, sem interferências externas tão tamanhas que os impedem de até mesmo manter o contato virtual. Ser recíproco também é entender o que o outro tem a oferecer e se permitir entrar em sintonia com o que os dois querem, não é só a vontade de uma das pessoas que deve imperar, é preciso que haja interação entre os dois para descobrir se a relação está confortável para ambas as partes.

Ser recíproco também envolve saber ouvir o outro, buscar entender o outro da maneira como ele realmente é e o que ele tem a investir nesta relação. Em muitos casos, apenas um dos lados fazem algum tipo de renúncia para se encaixar no relacionamento, mas quando os dois entendem e respeitam o parceiro como uma pessoa capaz de pensar diferente assim como sentir de forma diferente, o relacionamento fica muito mais profundo e o amor flui sem barreiras.

Como encarar a resposta de que você não está recebendo tanto amor quando transmite?

Bem, a frustração de descobrir que o outro não tem tanto a dar quanto você gostaria e, principalmente, o quanto você oferece dói mesmo. Em muitos casos, isso gera conflito porque você pode querer que o outro seja do jeito que você quer, não do jeito que ele realmente é. A situação gera raiva, irritação entre os dois e aquelas discussões desnecessárias que acontecem porque uma das partes não está aceitando a outra.

Cada pessoa precisa buscar descobrir em si o que lhe causa sofrimento no relacionamento. E se for sobre reciprocidade, é preciso descobrir se o problema não é algo mais profundo, anterior ao relacionamento atual, como uma grande carência, uma necessidade muito grande que o outro te complete, te preencha e, assim, ele deixe de ter vida própria para satisfazer suas vontades.

Caso ele não tenha muito interesse em manter uma relação mais profunda, com planos para o futuro, de conhecer sua família, se pergunte se é isso mesmo que você quer. Se você acha que merece mais, esse é o momento para você viver este tipo de relacionamento com outra pessoa, então.

Somos nós que construímos as ilusões

Tenho atendido pessoas que sofrem por ficarem sempre no sonho, na fantasia e não vivem a realidade. O compromisso delas parece ser com a ilusão que construíram e não com o parceiro que está ao lado delas. A ideia de que o relacionamento ideal existe fez com que muitas dessas pessoas que me procuram pedindo ajuda criassem expectativas que se transformaram em sofrimento e conflito sobre o que o parceiro faz ou não fez. Para cada pessoa, é importante entender de onde surgem seus conflitos. Algumas vezes, os problemas relatados no relacionamento atual podem também já terem aparecido em relacionamentos anteriores.

As pessoas que se iludem sem que o parceiro tenha, de fato, criado situações ilusórias, precisam de apoio terapêutico. O mesmo vale para pessoas que não conseguem se expressar dentro de seus relacionamentos por medo ou traumas de amores passados porque pode ter havido muito mais sofrimento do que alegria nessas experiências anteriores. Você acha que pode estar vivendo uma ilusão? Que tal conversar comigo sobre o que você espera de seus relacionamentos e, assim, se abrir para viver um grande amor. Amor é recíproco quando as duas pessoas se sentem respeitadas e amadas da maneira como elas são. E você merece isso.

Bruna Rafaele

Bruna Rafaele

Pisicanalista, especialista em Saúde Mental. Faz atendimento online e presencial, no Rio de Janeiro, em português, inglês e francês.