Sentimentos negativos: como acolher a inveja, a raiva e nossas sombras

Nossos monstros internos tem potencial para sabotar sonhos e relacionamentos

Quem nunca acordou desejando ter o corpo e a beleza de uma amiga que admira? Ou então, se pegou pensando que a vida poderia ser mais fácil se tivesse essa ou aquela qualidade ou atributo? Todos estamos suscetíveis a desenvolver inveja, raiva e a crença de que a vida do outro é sempre mais interessante. A comparação faz parte da existência humana

Geralmente, quando isso ocorre, o sentimento de inveja vem junto com a culpa. Afinal, trata-se de uma pessoa que você gosta e que sempre esteve com você nos momentos em que precisou dela. Esses sentimentos são a essência dos aspectos sombrios que, todos nós, carregamos. Essa essência se manifesta através da inveja, raiva, preconceito, arrogância e do ciúmes. O psicanalista Carl G. Jung, chamou de “sombra” todas essas emoções que temos vergonha de sentir e, mais ainda, de manifestar.

sombras são todas essas emoções que temos vergonha de sentir e, mais ainda, de manifestar.

Mas quem já não teve vontade de “matar” alguém quando estava com raiva e, nem por isso, se tornou um assassino? Minimizar ou esconder de nós mesmos o “Hulk” que habita dentro de nós quando somos tomados por esses sentimentos não resolve a questão.

Esses monstros internos que carregamos podem não ser verdes como Hulk, mas têm potencial para sabotar sonhos, relacionamentos e nos colocar em situações de disputa de poder. Tudo isso pode nos deixar confusos e isolados. Todo ser humano carrega um lado luminoso e outro sombrio. Essa nuvem negra que tememos é construída ao longo da primeira infância. Afinal, é nesse período que aprendemos aquilo que é certo e aquilo que é errado. Todos esses conceitos são absorvidos através dos padrões familiares, sociais e religiosos.

Assim, construímos uma gaveta lá no fundo do nosso inconsciente e vamos “tacando” tudo lá dentro. Empurrando cada vez mais fundo aquilo que nos faz sentir recriminados, julgados ou diminuídos. O problema é que esses conteúdos não estão mortos e ficam se revirando lá dentro da gaveta, tentando sair a todo custo, mesmo que você coloque um cadeado com senha.

Como as sombras inconscientes se manifestam?

Eles colocam você em situações embaraçosas, como em uma relacionamento abusivo, por exemplo. Dessa forma, encontram uma maneira para que você precise buscar certas forças que estão escondidas dentro da gaveta do inconsciente. Por outro lado, não guardamos somente aspectos ruins ou vergonhosos. Essa gaveta também contém talentos, habilidades artísticas, alegrias, leveza e autoconfiança.
Quando uma criança reprime o sentimento, ela não sabe se aquilo poderia ser um potencial, só entende que aquilo não traz a sensação de ser amado e admirado. E, por conta disso, simplesmente guarda longe da consciência.

A importância de acolher os sentimentos ruins

Mas, o que devemos fazer com todos esses sentimentos ruins? O primeiro passo é olhar para eles com mais amorosidade e coragem. Aliás, a coragem é um dos maiores sentimentos que está escondido na sombra de quase todos nós. Não se trata de uma coragem suicida, que tenta vencer o medo a qualquer custo. Mas, sim, uma coragem sábia, que respeita os próprios limites internos e defende seus muros de contenção de respeito e dignidade.

É fácil? Não é! Até porque não estamos acostumados a remexer nas gavetas lacradas, então elas estão sujas e empoeiradas. Mas, negar nossos sentimentos não vai fazer com que eles desapareçam. O fato de não ir ao médico não faz a doença desaparecer, não é?

Um bom exercício é passar, a observar os comentários que as pessoas fazem de você. Se muita gente já falou do seu mau humor ou arrogância, talvez haja um pouquinho de verdade nesses comentários. A irritação pode ser outra forma de prestar atenção naquilo que te incomoda no outro. Muitas vezes, temos dificuldades em olhar para seus próprios defeitos e tendemos a vê-los nas pessoas que convivemos. É o que chamamos de “projeção”, como num espelho, vejo refletido no outro aquilo que rejeito em mim.

Se algumas coisas o tiram do sério, provavelmente esse sentimento está lá na sua gaveta lacrada. Se o que mais te irrita é o “sabe tudo” – aquela pessoa que tem respostas para e conhece sobre todos os assuntos -, talvez sua arrogância se manifesta dessa mesma forma. O mais importante é lembrar que nenhum sentimento, emoção ou impulso que possamos sentir é errado. Tudo faz parte da totalidade e daquilo que somos. É a singularidade de cada um que faz a beleza das relações.

Nosso grande desafio em busca da totalidade é encarar tudo que carregamos e entender que não existe inteireza se estivermos aprisionados somente em um lado da moeda. Remexer na sua gaveta lacrada é o primeiro passo para perceber, assumir e encontrar beleza em cada aspecto escondido de você mesmo.

Claudia Quadros

Claudia Quadros

Psicóloga, mestra em educação e xamã matricial. Ministra workshops, palestras e vivências de auto desenvolvimento da consciência. Conduz grupos em experiências iniciáticas em retiros e viagens para locais sagrados pelo mundo.