Como fazer uma pergunta ao Tarot

Perguntas vêm contaminadas de expectativas e é aí que mora o perigo.

Como fazer uma pergunta ao Tarot

Quando fazemos uma pergunta ao Tarot, o desejo imediato é encontrar respostas para questões que nos afligem. Precisamos resolver algum conflito ou ao menos matar a curiosidade que ocupa nossos pensamentos.

É uma intuição que gostaríamos de ver confirmada ou, ao contrário, que o profissional de Tarot tire o peso de uma estranha impressão de nossos corações. Seja como for, o primeiro impulso é criado por um necessidade urgente. Estamos inquietos e queremos uma resposta, se possível, para ontem.

Nesse ponto da história, temos algumas possibilidades. Uma delas é que você, conhecendo o significado das cartas, tenha um manual e tire as cartas para si mesmo. Ou ainda, que acesse um serviço online, como o Tarot do Personare.

Também é possível que você recorra a um profissional para uma consulta presencial ou virtual. Seja qual for sua escolha, todas têm um empecilho em comum: se a consulta não for bem conduzida, suas dúvidas provavelmente cairão no vazio. E por isso mesmo saber perguntar ao Tarot é muito importante.

Como funciona o Tarot?

O Tarot é um jogo de indagação, investigação e respostas. E para alcançar a conclusão existem métodos de preparação, embaralhamento, corte, escolha e disposição das cartas. Todos os passos são importantes, essenciais.

O procedimento/ritual que antecede a leitura pode ser o mais simples possível, mas é absolutamente necessário. A preparação irá criar um estado propício para que as as cartas possam ser lidas, acalmando a urgência que nos incomoda, as ansiedades que trazemos para a consulta.

Alcançado o estado de tranquilidade, é possível elaborar a pergunta. E elaborar uma pergunta é bem mais complexo do que simplesmente aceitá-la da forma que vem. É preciso um sutil equilíbrio entre pergunta e resposta para que a consulta seja efetiva.

ponto de partida de uma consulta de Tarot é a sempre a questão. Se um foguete arria na decolagem como chegará a Marte? Pois é. E por isso mesmo é importante falar sobre o começo de toda leitura: A Arte da Pergunta.

E o que determina uma boa pergunta ao Tarot?

Primeiro, precisamos saber que toda pergunta ao Tarot é importante. Atrás de uma indagação superficial sempre existe uma questão significativa. E cabe ao tarólogo fazer com que o consulente chegue à melhor versão da sua dúvida. A boa pergunta oferecerá a resposta certa.

Perguntas sem especificidade como “Encontrarei o grande amor da minha vida?” são armadilhas.

  1. Você quer realmente obter uma resposta para a sua pergunta? Lembre-se de que pode ser negativa. Já pensou sobre isso? É preciso preparação para escutar a resposta a sua pergunta ao Tarot. Se for positiva, “sim, você encontrará uma grande amor”, tenha em conta que esse amor poderá chegar aos 70 anos.
  2. A questão pode ser reformulada. No exemplo, podemos, por exemplo, fazer da seguinte forma: “Encontrarei o grande amor da minha vida até abril do ano que vem?”
  3. Se você quiser uma previsão a sua pergunta ao Tarot que possa se estender num futuro distante, o interessante seria que o tarólogo fizesse você pensar sobre o que seria um grande amor para você.
  4. Proferir alto e em bom som desejos que nunca especificamos direito é bem vindo em uma leitura, se for confortável fazê-lo.
  5. Algumas perguntas trazem mais de um assunto e, por isso, deveriam ser duas perguntas. Exemplo: “Se eu fizer a viagem que desejo conseguirei encontrar alguém que faça sentido em minha vida?” É preciso saber, antes de tratar de histórias de amor,  se você irá viajar ou não.
  6. Perguntas que trazem embutidas o SIM e o NÃO também não servem. Sim, existem métodos de leitura que contemplam a afirmação e a negativa, mas devem ser evitadas principalmente no início de uma sessão. Ao final, para fazer confirmações, você pode fazê-las. Mas lembrem-se de que o NÃO sempre pressupõe algum tipo de SIM, e o SIM sempre traz alguma restrição.
  7. Perguntas ao Tarot que começam com negativas também devem ser evitadas (“Nunca conseguirei esse emprego?”).  Parece óbvio, mas isso é bem comum, principalmente quando estamos cansados ou desabafando.
  8. Isso não significa dizer que não se pode perguntar o Tarot sobre comportamentos negativos. Por exemplo: “Como saboto inconscientemente meus relacionamentos amorosos?”, é uma ótima pergunta.

O que você quer perguntar ao Tarot?

Tenha em mente o que realmente deseja saber. Lembre-se que a você está pagando por uma consulta e que a melhor pergunta não é aquela que o tarólogo acha mais importante. É preciso chegar a um consenso entre o seu desejo e a elaboração de uma questão.

Tenha um especial cuidado com especialistas que fazem análise moral e julgamentos. Na hora da consulta, não interessa o que a pessoa do tarólogo “acha”.

Onde fica a opinião do profissional de Tarot?

Se a especialista externa uma opinião sem você ter solicitado especificamente, antes ou depois de ter visto suas cartas, troque de profissional. Você caiu na mão de alguém que não separa a opinião pessoal do trabalho de oraculista.

Lembre-se: o consulente paga pela resposta do Tarot e o tarólogo é aquele que traduz a resposta do oráculo. O tarólogo pode questioná-lo para que você entenda melhor seus pensamentos, mas parou por aí. Não pode e não deve fazer com que você se sinta constrangido por algum comportamento.

Por exemplo, se você pergunta: “Devo procurar pela pessoa que tanto amo e que me traiu”? A resposta será aquela que o Tarot indicar. Não interessa o que tarólogo “acha” sobre isso, compreende?

Se o profissional de Tarot disser: “Você acredita mesmo que vale a pena ir atrás de alguém que não te merece e ainda por cima te traiu?”, peça o dinheiro da consulta de volta. Isso é análise moral.

Você pode ser uma pessoa super tradicionalista, mas pode ser uma pessoa adepta de relações triangulares ou do poliamor. A palavra “traição” não significa a mesma coisa para todo mundo.

Resposta é diferente de opinião. Em uma sessão de Tarot e o que o consulente deseja é o oráculo. Cabe ao oráculo ACEITAR ou não a sua pergunta. E cabe ao tarólogo, que representa o oráculo nesse momento,  encontrar a melhor forma da pergunta, sem adulterar o conteúdo. É possível investigar, aprofundar, mas nunca distorcer a questão trazida.

Tarot online funciona?

A pergunta sobre a funcionalidade do jogo online é constante. Funciona jogar Tarot online? Funciona. Se você souber perguntar e respeitar o processo que leva até a solução, a resposta será adequada. Mas a resposta só irá lhe satisfazer se você prestar atenção no que foi respondido.

Aproveite que o texto está disponível e leia mais de uma vez.  A ansiedade acaba com qualquer oráculo.

Na minha prática como oraculista já lidei com consulentes que não querem escutar as respostas, só desejam desabafar e perguntar de formas diferentes sempre a mesma coisa que já foi respondida. Nesse caso, é preciso interromper  e reconduzir a sessão de leitura.

A sessão de Tarot pode exercer um efeito terapêutico no consulente, mas não é uma sessão de Psicoterapia. Então, é importante que você comunique ao tarólogo apenas o que achar essencial na condução da leitura.

Contar toda sua história de vida vai “comer” o tempo da sua consulta. Responda as perguntas que o oraculista por ventura lhe faça com sinceridade, mas da forma mais sucinta possível.

Quando o consulente está angustiado demais e percebo que os processos de acomodamento não estão funcionando, levanto a possibilidade de remarcar a consulta para em uma data em que seja possível um atendimento mais objetivo.

Uma coisa é acolher a pessoa que chega procurando um esclarecimento por intermédio das cartas, outra é deixar que ela ocupe o tempo pelo qual pagou chorando pitangas sem que o oraculista possa fazer algo que seja realmente efetivo.

O Tarot trabalha com sutilezas, percepções finas. Sua linguagem é metafórica e pode chegar a ser realmente poética.

Certos temas e situações são comunicadas de maneira muito especial e é preciso que o consulente esteja antenado para poder colher as respostas.

Um bom profissional não deixará o tempo completamente aberto para desabafos e opiniões, mesmo que eventualmente essas situações possam ocorrer por parte do consulente depois do fechamento de uma leitura.

Na Grécia Antiga, aqueles que almejavam uma resposta importante caminhavam por dias até o Oráculo de Delfos.

A primeira pitonisa do templo, Femonoe, filha do deus Apolo, escreveu a frase que mais tarde foi imortalizada por Sócrates e que lia-se no pórtico do mais prestigiado oráculo de todos os tempos: “Conhece-te a ti mesmo”.

E entender-se a si mesmo é inteirar-se de suas mais íntimas e legítimas questões, as mais exatas e sinceras indagações.

Conhecer-se a si mesmo é conhecer as nossas verdadeiras perguntas.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Zoe de Camaris

Zoe de Camaris

Taróloga. Pós-graduada em Linguística. Incluiu o Tarot nos seus estudos de especialização no intuito de revalidá-lo como um sistema de linguagem visual interdisciplinar. Autora do Tarot Direto Personare. Saiba mais