Equipe Personare

O que é I Ching?

Antigo conhecimento chinês foi adaptado e transformado em oráculo para o dia a dia | Glossário Personare

O que é I Ching?

O I Ching, também conhecido como Livro das Mutações, é um dos maiores legados do povo chinês. Amplamente utilizado como oráculo, funciona como uma espécie de livro da sabedoria. É um conhecimento muito antigo acerca de como os chineses compreendiam e eram capazes de explicar os acontecimentos do dia a dia.

Essa prática consiste em um compilado de textos que foram escritos ao longo da História por sábios e mestres, que tinham como objetivo esclarecer para as pessoas alguns princípios de suas próprias condutas. O I Ching é rico em filosofias como o Taoísmo, o Te Ching, o Confucionismo e o princípio das dualidades, Ying e Yang.

O I Ching assume que tudo na natureza está em constante mudança. Daí a origem da palavra, em que “I” é um ideograma cujo significado é associado a “mutação”, “movimento”, e “Ching” refere-se a “livro clássico”. I Ching quer dizer, então, “livro das mutações”.

Origem

O Livro das Mutações é um conhecimento milenar que surgiu em um período anterior à dinastia Chou, datando de 1150-249 a.C. Inicialmente o I Ching era formado pelos “Kua”, signos linguísticos que continham as respostas buscadas pelas pessoas naquela época. No entanto, para estabelecer melhorias no oráculo e compreendê-lo melhor, foram acrescentados outros elementos para ampliar o significado dos Kua: as Linhas, os Julgamentos e as Asas.

As Linhas são figuras compostas por fileiras inteiras e quebradas, agrupadas em um conjunto de três e seis linhas, representadas pelos trigramas e hexagramas, respectivamente. Já os Julgamentos correspondem à redação dos textos que passaram a acompanhar os Kua. O conceito de Asas foi atribuído a Confúcio, que tinha grande interesse pelo I Ching e escreveu suas reflexões acerca de vários temas.

Embora seja questionado que ele seja o autor das Asas, nota-se uma forte influência do confucionismo em grande parte delas.

Todos esses elementos constituem, pois, uma forma de escrita, e ao se agruparem, formam arquétipos, que contêm os signos com os principais ensinamentos chineses sobre a lei natural e o curso da vida.

Como funciona?

A pessoa formula uma pergunta precisa, sobre algum esclarecimento do qual tem curiosidade em saber. Depois disso, são lançadas moedas para a obtenção da resposta. Estes instrumentos são agrupados seis vezes, formando linhas, também chamadas de hexagramas – que podem ser firmes ou maleáveis/mutáveis. Linhas firmes ocorrem quando as moedas caem em lados diferentes. Quando caem todas do mesmo lado, dá-se a linha mutável – a ocorrência de uma linha como essa, ou mais, cria um novo hexagrama, representando o que acontecerá no futuro em relação à pergunta feita pelo consulente.

Cada uma dessas linhas sorteadas contém um significado específico baseado no princípio da dualidade Ying e Yang, através do qual compreendemos que não existe bom ou mau, positivo ou negativo, mas uma complementaridade entre opostos. A ideia é equilibrar tudo que existe ao nosso redor.

Aplicações

A obtenção da resposta do I Ching geralmente depende da retidão da pergunta. Quanto mais precisa esta for, maior a possibilidade de acerto. Quando uma pessoa necessita fazer mais de uma pergunta, o ideal é subdividi-la em duas partes e indagar uma única coisa por vez. A filosofia oriental acredita que o oráculo nunca falha. Quem está suscetível ao erro é o consulente, quando não tem clareza do que deseja saber. Acredita-se que só quem sabe o que procura pode encontrar as respostas.

Acredita-se que só quem sabe o que procura pode encontrar as respostas.

Desse modo, o I Ching tem sido utilizado ao longo de milhares de anos por se mostrar eficaz no sentido de buscar o real além do aparente. O objetivo é expor o significado daquilo que é perguntado, ao invés de gerar respostas de acordo com a vontade do consulente. Portanto, para fazer perguntas a esse oráculo, uma pessoa deve antes despir-se de preconceitos e abrir a consciência para absorver os mais ricos conhecimentos da filosofia chinesa e as respostas do nosso inconsciente que o I Ching pode acessar. Vale lembrar que o oráculo é considerado como “a sabedoria que leva à sabedoria”.

Nossos especialistas

Alexey Dodsworth é membro da MENSA, consultor da UNESCO no Brasil, mestre em Filosofia e Ética pela USP e estudioso e conhecedor de oráculos, como I Ching é ideal para questionamentos rápidos do cotidiano e decisões que devem ser tomadas de modo recorrente.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Equipe Personare

Equipe Personare

Nós, da equipe Personare, também estamos em um processo constante de conhecimento sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre as relações humanas. Saiba mais