Logo Personare vertical
Pesquisar
Loading...

Medicina Chinesa e as estações do ano

Entenda como as emoções estão associadas às mudanças de estação e saiba como equilibrar o corpo energeticamente com as dicas da Medicina Chinesa

Medicina Chinesa e as estações do ano

Estamos realmente no verão? E se eu falar que algumas pessoas entraram no inverno, você acreditaria? Pois bem, energeticamente algumas pessoas estão começando a “invernar” agora. Entenda como isso funciona a partir do olhar da Medicina Chinesa.

Sabemos que as mudanças climáticas marcadas pela primavera, verão, outono e inverno – cientificamente reconhecidas pela incidência dos raios solares em maior ou menor  grau  – influenciam nosso hábitos diários.

Algumas pessoas percebem as estações do ano mais especificamente, seja pela alteração de temperatura (afinal, somos reflexos da natureza) ou pela disposição (mais ativas ou preguiçosas). Há ainda quem sinta mudança nos hábitos alimentares, sentindo mais ou menos fome.

Estamos sempre interagindo de alguma forma com as mudanças climáticas, sejam elas por refração, equilíbrio ou contra fluxo.

Para Medicina Chinesa, temos cinco estações do ano

Além das quatro estações que já conhecemos, a Medicina Chinesa  destaca uma quinta, a canícula, que é o período que antecede o verão e o inverno, ou seja, uma meia estação que acontece alguns dias antes.

Essas estações são baseadas na teoria dos cinco elementos (Terra, Fogo, Água, Metal e Madeira). Logo cada estação está relacionada a um elemento básico, e por sua vez, com algum grupo de órgãos e vísceras (baço – estomago, coração-intestino delgado, rim-bexiga, pulmão-intestino grosso).

A cada estação ficamos mais suscetíveis aos seus excessos e suas deficiências. Ouvimos falar, por exemplo, que devemos comer alimentos leves e frescos no verão e mais quentes no inverno.

Como equilibrar as emoções no olhar da Medicina Chinesa

A Medicina Chinesa tem como visão básica os equilíbrios, inclusive das emoções que também são ativadas ou inibidas nas mudanças de estação (um bom exemplo é o hibernar e a melancolia do inverno, e a euforia e alegria do verão).

Para entender melhor o fluxo das emoções e estações, vamos observar o que aconteceu no início da pandemia. De repente fomos obrigados a adiantar a hibernação, típica do inverno, para o mês de março, ou seja, em pleno outono.

Os dias foram passando e o inverno chegou com um novo olhar. Já estávamos em casa, restritos, ou seja, a fase de hibernar já havia passado. Estávamos mais ativos, com infindáveis aquisições de rotinas de trabalho entrelaçadas com a rotina do lar e pessoal. Pronto! Um caos energético começava a se instalar.

Conheço algumas pessoas que cortaram e pintaram o próprio cabelo, aprenderam coisas novas, fizeram cursos online e foram gastando energia acumulada. Mas será que essa energia estava mesmo acumulada? Se estávamos no inverno, fazer a reserva era função da estação, e não o contrário.

Devíamos estar mais introspectivos, melancólicos, trabalhando apegos e desapegos. Se você conseguiu isso, parabéns! Você invernou! Caso contrário, bem-vindo ao colapso energético.

O isolamento social nos afastou da rotina e criou uma nova realidade. Em muitas casas, as demandas aumentaram. Ou seja, gastamos infinitamente mais energia num momento em que devíamos fazer uma reserva.

Em seguida, a primavera! A maioria de nós chegou à estação das flores envolvida em falsas verdades de energia para transpor frustações, raivas, insatisfações em meio a tantas mortes por causa de um vírus.

Como florescer em meio ao caos e ainda enclausurados? Algumas pessoas nem perceberam a presença da primavera. Alguns foram reativos à flexibilização, outros mergulharam no afrouxamento da reclusão. Além de mais agitadas, as pessoas estavam incoerentes e desconexas. Pois bem, a segunda fase do colapso energético! Como florescer sem reserva?

Você se preparou para o verão?

Em meio a tantas inadequações, com que energia enfrentaremos a estação mais quente do ano?

Em vivente canícula, quem já percebeu que estamos mais cansados nos nossos afazeres? Alguns com menos paciência, com mais sensação de calor, com mais reatividade, mais inconsequentes… num borbulhar de alegria vulcânica.

A realidade é que estamos nos preparando para os colapsos encalorados. Para alguns, o verão está sendo mais desafiador do que nunca, sem reserva e com muita energia de florescer.

Conecte-se com dicas da Medicina Chinesa

A Medicina Chinesa olha cada indivíduo buscando o equilíbrio, seja no olhar do yin e yang, seja no olhar dos cinco elementos. Quando percebemos que haverá muitas deficiências de energia básica e, justamente por isso, mais excessos, temos mais consciência do caos.

Para vivenciar o verão com mais facilidade, buscando equilíbrio emocional e energético, siga as orientações:

  • Faça alguma prática de equilíbrio energético como Acupuntura, Qi Gong, Fitoterapia entre outros;
  • Faça reserva de yin no rim comendo sementes como gergelim preto, caroço de abóbora entre outros;
  • Pratique exercícios físicos sem muita intensidade;
  • Evite exageros na atividade sexual;
  • Refresque seu corpo com sucos como abacaxi com hortelã e melancia com gengibre;
  • Beba chás como hortelã, gengibre, goji berry e gergelim preto. Consuma morno, mesmo no calor, pois ajuda no equilíbrio energético;
  • Reduza o consumo de água gelada (se puder evitar, melhor ainda), pois causa efeito refrescante na hora, mas aumento efeito de calor por rebote. Dê preferência à água fresca.

Toda abordagem terapêutica é mais eficaz com avaliação individual de um profissional especializado. Portanto, invista em seu equilíbrio buscando técnicas ou instrumento terapêutico.

Estamos no auge do verão! Conecte-se com essas dicas e prepare-se para a próxima estação.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Eric Flor

Eric Flor

Eric Flor Francisco é terapeuta integrativo do RJ formado em fisioterapia, acupunturista e mestre em Reiki. Atendendo em seu espaço na Tijuca com Auriculoterapia, Ventosaterapia, Moxaterapia, Orgoniteterapia, Cristalterapia e PranicHealing para promoção de equilíbrio, vida saudável e bem-estar. Saiba mais