Vanessa Tuleski
Por Vanessa TuleskiLeia em 2 min.16/03/2018 Atualizado em 02/05/2018

Júpiter em Escorpião: hora de confrontar assédios

Trânsito indica que 2018 é o ano para colocar o dedo na ferida

Júpiter em Escorpião:  hora de confrontar assédios

Em novembro de 2017, começaram a pipocar as denúncias de assédio sexual em Hollywood, a princípio contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, que teria assediado dezenas de atrizes, muitas delas hoje famosas. Para a Astrologia, o episódio esteve nitidamente ligado ao ingresso de Júpiter em Escorpião, que ocorreu menos de um mês antes, em 10 de outubro. Júpiter transitará por Escorpião até o início de novembro de 2018.

ESPECIAL:

Os planetas Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e Plutão influenciam profundamente o âmbito coletivo, no pano de fundo de tendências culturais e valores.

 

A forma de Júpiter atuar é colocando uma grande lente de aumento nas questões do signo pelo qual está transitando, que ganham uma dimensão e importância maior.

 

Escorpião é o signo da sexualidade. E, mais do que isso, tem a ver com o que está oculto e que precisa ser curado, aquilo que chamamos de “lixo debaixo do tapete”. Não foi por acaso, portanto, que a prática de assédio sexual, tão antiga em Hollywood quanto sua própria existência, tivesse finalmente vindo à tona para ser discutida, em um movimento que nunca poderia se imaginar anos atrás. No Globo de Ouro 2018, atrizes se vestiram de preto (cor de Escorpião, diga-se de passagem) como forma de protesto. A partir daquele evento surgiram polêmicas no mundo inteiro quanto a linha que separaria a paquera do assédio.

Época de busca por maior moralidade

Embora Júpiter em Escorpião tenha colocado uma forte luz sobre as denúncias, um outro trânsito, que começou em dezembro de 2017 e que só vai terminar em 2020, também teve o seu papel: Saturno em Capricórnio. Saturno está em sua “casa” quando transita por Capricórnio (veja os sete conselhos para lidar com este trânsito). Um planeta em sua casa é potente, e Saturno fala de ordem, regras e leis. Entre elas, a lei do retorno.

Sendo assim, injustiças que aconteceram há muito tempo emergiram, temperadas pela coragem e intensidade de Júpiter em Escorpião. Saturno em Capricórnio também tem forte tendência a restaurar a ordem e o profissionalismo. Por isso, passou-se a se discutir, também no Brasil, as regras de conduta envolvendo sexualidade e ambiente de trabalho.

Momento certo para tratar de temas difíceis

No Brasil, a novela da TV Globo ” O Outro Lado do Paraíso” também estreou logo após o ingresso de Júpiter em Escorpião. Focou, através de seus protagonistas, na questão da violência na esfera dos relacionamentos amorosos, bem como em uma situação ainda mais delicada, o assédio a menores, como um caso de pedofilia levado a julgamento. Sendo assim, o trânsito de Júpiter em Escorpião alavanca e evidencia temáticas sociais difíceis, em um verdadeiro efeito de mostrar o que não vai bem e colocar o dedo na ferida.

Isso é positivo, pois temas como esses precisam de destaque, como os assédios denunciados em Hollywood, para que comportamentos abusivos comecem a ser barrados e punidos. É preciso, também, aproveitar Júpiter transitando por Escorpião, pois quando este planeta mudar de signo, irá deslocar o seu foco de atenção para novas questões.

Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, é importante contabilizar as conquistas. Uma mulher autossuficiente financeiramente, participante das mais variadas esferas sociais e profissionais, dona do seu corpo no que diz respeito à gravidez e à sexualidade, era algo impensável há um século atrás. Entretanto, com as fragilidades expostas por Júpiter em Escorpião, é possível concluir que ainda há muito chão pela frente para evitar e coibir indignidades e abusos, como violência física, verbal e assédio sexual.

Em 2018, vamos viver um ano para pôr o dedo na ferida. Inspire-se nesse trânsito que traz coragem e vontade coletiva para lidar com tudo isso e, mais ainda, se esta for uma causa sua ou de algo que está acontecendo próximo a você.

Vanessa Tuleski

Vanessa Tuleski

Vanessa Tuleski mora no RJ e dá consultas astrológica-terapêuticas pessoalmente ou à distância, focando no que o céu tem a dizer, mas também no que o livre arbítrio pode fazer.