Rosine Mello
Por Rosine MelloLeia em 5 min.06/02/2018 

Ética no Yoga e na vida

Entenda o significado completo de todos os niyamas e os yamas

A palavra ética vem do grego ethos e significa aquilo que pertence ao “bom costume”, “costume superior” ou “portador de caráter”. São princípios universais, ações que acreditamos e não mudam independentemente do lugar onde estamos. É o conjunto de regras e preceitos de ordem valorativa e moral de um indivíduo, de um grupo social ou de uma sociedade.

Vivemos dias difíceis de entender, para a maioria das pessoas que trabalha, estuda, educa seus filhos e luta honestamente para sobreviver nesse mundo onde trava-se uma batalha por dia para uma existência coerente, sadia e ética.

Como o Yoga pode ajudar em um mundo em que falta a ética? A resposta é seguir o caminho “ióguico”. A ética do Yoga é um caminho solitário que depende apenas do praticante. São preceitos que devem ser trabalhados internamente e externamente. Temos os niyamas, a purificação de si mesmo, e os yamas, que são o viver com ética – que é diferente de ásanas e pranayamas, mas intimamente ligados à prática física.

Os Yamas

Respeite as pessoas ao seu redor e não faça nada que lhe agrida para fazer parte do ambiente que o cerca. Seja sincero com você e com os outros e, ao se dirigir ao outro, escolha palavras que não ofendam. Em situações de estresse aguarde o momento ideal para falar o que não é do seu agrado ou lhe ofendeu, toda discussão tem um momento de abrandamento.

Não se aproveite de uma situação, cargo ou momento para obter de forma obscura o que não lhe pertence, se em um cargo de confiança ou situação em que possa tirar vantagem própria, lembre-se que você está ali para agir com honestidade. Nos seus relacionamentos procure se envolver com pessoas que sejam verdadeiras, honestas, respeitosas e que queiram como você trilhar o caminho da verdade. Aprenda a controlar impulsos sexuais, não se entregue a prazeres frugais.

Difícil? Sim, é muito difícil.

Principalmente numa sociedade em que ter e poder são mais importantes do que ser.

Os Niyamas

São íntimos e pessoais. Saímos dos relacionamentos externos e vamos lidar conosco.

Sauca é a limpeza interna e externa. A externa é simples de se definir, é manter-se asseado, tomar banho, lavar suas roupas, manter o ambiente onde mora limpo e arejado. A limpeza interna tem a ver com a sua saúde, com o funcionamento saudável dos seus órgãos e com a clareza da sua mente. É o que você faz, o que você come, o que você bebe ou o que você ingere para manter o seu corpo e a sua mente sadios.

Santosa é a modéstia e sentimento de estarmos contentes com o que temos. Em um mundo ideal, sem dúvida é tudo. Em um mundo capitalista, sejamos honestos, quase impossível. Em geral ao praticarmos qualquer ato criamos uma expectativa para os resultados e geralmente nos decepcionamos. Mas, não se desespere, aceite o resultado que vier. Definindo: aceitar o que acontece e aprender ao invés de reclamar.

Tapas refere-se à manter o corpo em forma e purificá-lo, mas também tem relação com força de vontade. Imagine a seguinte situação: a pessoa está um pouco acima do seu peso, sabe que não deve ingerir certos alimentos e praticar atividades físicas para manter-se sadio. É fácil para uma pessoa que gosta de comer e que não tem afinidade com a atividade física manter essa rotina diária? Não, é preciso muita força de vontade para não sucumbir. É preciso ter tapas no cotidiano para manter corpo e mente sadios.

Svadhyaya significa “si mesmo”, não no sentido egoísta, ou seja, eu antes de tudo. Mas no sentido de estudar-se, de observar-se, de ter contato com tudo que leve ao aprendizado, à reflexão e o ajude a aprender mais sobre si mesmo. Ao progredirmos na auto-análise encontramos um elo entre o sagrado e as palavras dos profetas.

Isvarapranidhana é depositar todas as suas ações aos pés de Deus. Geralmente ao agirmos esperamos um certo resultado, mas somos ignorantes (no sentido de não saber) e não são poucas as vezes em que tudo dá errado. A definição mais adequada seria agir e que o fruto dessa ação seja entregue a Deus, independente do seu querer.

Para concluir, devo dizer que agir dentro dos preceitos de Yamas e Niyamas é um trabalho diário, árduo e solitário, em que não se vê resultado imediato e não se têm elogio de terceiros. É um caminho, silencioso, no qual cada um faz sua parte para que o mundo se torne um lugar melhor. A recompensa está no autoconhecimento, pois este leva a evolução espiritual do praticante. Ou seja, se fosse fácil, não seria Yoga.

Rosine Mello

Rosine Mello

Formada em Educação Física, é praticante de Hatha Yoga desde 1998. Atua como professora desde 2005, certificada pelo Simplesmente Yoga.