Escola Brasileira de Ciências Holísticas
Margareth Souza
Por Margareth SouzaLeia em 2 min.04/10/2018 

Em busca da felicidade: conhecimentos ancestrais simplificam o caminho

Conceitos do Xamanismo para aplicar no dia a dia e alcançar realizações

Temos a crença de que, para ser feliz, precisamos seguir um caminho pré-determinado: nascer, crescer, estudar, se apaixonar, casar, ter filhos, ser bem-sucedido profissionalmente, ter bens materiais e se aposentar, para aí sim poder morrer feliz. Quando esse plano pré-estabelecido não dá certo, a felicidade se torna intangível. O autoconhecimento, entretanto, nos ajuda a entender o real sentido na vida. Nessa busca, podemos encontrar apoio nos ensinamentos de nossos antepassados.

Assim como a grande maioria das pessoas, eu tinha a crença que, para ser feliz, eu precisaria trilhar um caminho pré-determinado: nascer, crescer, estudar, se apaixonar, casar, ter filhos, ser bem-sucedida profissionalmente, ter bens materiais e me aposentar, para aí sim poder morrer feliz. que a vida me desafiou enormemente desde cedo e eu não entendia por que eu estava sendo “castigada”. O plano, como tinham me falado que tinha que ser,  não estava dando certo, e a felicidade era algo inatingível para mim.

Comecei cedo a minha busca espiritual, o autoconhecimento e entender o real sentido da vida.  Aos 22 anos, conheci o Xamanismo e, naquela roda com pessoas com os mesmos anseios e dúvidas, ao som de tambores e cantos que disparavam meu coração, percebi que o que o instrutor nos passava era algo que realmente eu poderia trazer para o meu dia a dia. Nessa vivência xamânica, eu comecei a aprender o sentido do círculo e como tudo na nossa vida é cíclico. Comecei a entender também que o conceito de uma vida linear com começo, meio e fim não servia para mim. Essa foi minha primeira grande libertação! Eu não precisava esperar chegar ao final da vida para me sentir realizada, eu poderia e posso ser feliz, aqui e agora.

Somos partes do todo

Esses ensinamentos falam da simplicidade de se conectar aos ciclos naturais e como você pode perceber isso em seu corpo, eu seu ritmo diário.

É perceber que as estações do ano acontecem também dentro de você e entender, por exemplo, que nosso humor também muda com a lua, que somos parte da Terra e ela é parte de nós.

Comecei a mudar o meu olhar para os relacionamentos a partir da auto-observação dessa conexão com a natureza e do entendimento de que tudo está conectado ao mesmo tempo que é interdependente. Percebi como, de alguma forma, ficava esperando que minhas expectativas fossem atendidas conforme o “plano original”, o que fatalmente me causava profundas frustrações.

Ensinamentos ancestrais para aplicar no dia a dia

Assim como as 4 direções sagradas, aprendi 4 ensinamentos indispensáveis desse caminho:

  1. Você terá momentos bons e ruins: mesmo que você tente evitar decepções e frustrações, numa tentativa de autodefesa, é preciso entender que elas são necessárias para que possamos amadurecer nosso entendimento emocional da dinâmica da vida. Começamos a compreender que não existe bom ou ruim, existem somente aprendizados para nos tornarmos melhores.
  2. Todo conhecimento é válido: o conhecimento adquirido nunca é demais, porém, devemos sempre colocá-lo em prática. Existe uma incrível força de satisfação quando ensinamos ao outro aquilo que sabemos, girando, assim, a roda da vida.
  3. Cuide de seu templo, ele é único: cuide de seu corpo de manifestação, o corpo físico. Entenda seus sinais e o que ele te pede. Ele é único com ritmos muito peculiares e individuais. Respeitar seu corpo físico é adquirir hábitos que te façam sentir bem, com energia, realizando aquilo que faz vibrar seu coração, independente de dogmas e crenças limitantes
  4. Mantenha acesa a chama do seu fogo sagrado: crie um ritmo de conexão com sua espiritualidade, tenha práticas diárias que renovem sua energia e mantenha sua vitalidade em um nível saudável. Quando mantemos essa chama acessa, conseguimos ter maior clareza em nossas escolhas de vida.
Margareth Souza

Margareth Souza

Terapeuta holística. Atua com Reiki, Astrologia cármica, Cosmologia sagrada dos maias e Xamanismo, prática espiritual que traz a experiência dos ancestrais, Com tudo o que aprendeu, tem ajudado muitas pessoas a enxergarem além das sombras da alma. 
Escola Brasileira de Ciências Holísticas

Escola Brasileira de Ciências Holísticas

Trabalha o desenvolvimento humano através do autoconhecimento pela integração e reconexão do ser com sua essência em plenitude, por meio de projetos e programas sociais. Anualmente, promove o Congresso Internacional de Felicidade.