Vanessa Tuleski
Por Vanessa TuleskiLeia em 3 min.10/01/2018 

Eclipse lunar e solar: entenda as diferenças

Para Astrologia, eclipses têm impactos sobre passado e futuro

No dia 16 de julho, ocorre o segundo eclipse lunar de 2019 – o primeiro foi em janeiro. Nessa data, a lua será parcialmente “escondida” pelo sol e ocorrerá no signo de Capricórnio. No início de julho, um eclipse solar no signo de Câncer chamou a atenção.

Entenda as diferenças astrológicas entre o eclipse lunar e o eclipse solar

No eclipse lunar, a Lua é eclipsada (ou seja, escondida). A Lua para a Astrologia tem a ver com o passado e com o sentido de segurança, e é isso que fica mais precário nesta fase. As pessoas ficam com mais medo e mais reativas. Saber dessa insegurança pode ser um importante diferencial para lidar com pessoas e situações.

O eclipse lunar também pode fazer as pessoas saírem da sua zona de segurança (Lua). Algo em que se apoiavam ou com o que contavam pode ser temporária ou definitivamente alterado. Um empregado da casa, por exemplo, comunica que vai precisar pedir demissão porque quer morar com a filha em outro estado. Independente de como estava a relação — boa ou ruim –, o sentido do habitual (Lua) é que está sendo mexido.

No eclipse solar, o Sol é que fica obscurecido. O Sol, na Astrologia, rege o futuro e o poder de escolha. A Lua se sobrepõe ao Sol, por isso um eclipse solar pode trazer um retorno do passado. É possível que seja a volta de um antigo amor ou o retorno de algum hábito de outra época (positivo, como caminhar ou correr, ou negativo, como fumar). O ex-patrão pode fazer uma proposta de retorno. A pessoa pode resolver sair do aluguel e voltar a morar com os pais. Ou até eventos como possibilidade de retomar um contato com um velho amigo que aparece para visitar.

Apesar de o eclipse ter atuação particularmente forte nas imediações da data em que ocorre, em Astrologia se diz que o fenômeno ainda tem cerca de seis meses para se manifestar em pequenos ou grandes eventos, até que venha outro de mesma natureza (Solar ou Lunar), ocorrendo em novo grau, acionando a mesma casa ou não.

Alguns astrólogos também acreditam que é preciso vir um eclipse de natureza idêntica ao anterior, o que pode aumentar o tempo de seis meses para até dois anos em alguns casos. Se ocorreu um eclipse solar total, por exemplo, seria preciso esperar por outro eclipse solar total.

Como se preparar para um eclipse

Como o eclipse é detonador de situações de crise, pode ser potencialmente complicado para circunstâncias precárias e que envolvam algum tipo de dependência. Por isso, pede-se mais cuidado e que se evitem comportamentos imprudentes, a menos que você tenha aquilo que se chama de plano de contingência para lidar com imprevistos.

Se você está alugando um quarto e a relação com o proprietário não estiver muito boa, pode ser que, de uma hora para outra, se agrave devido a algum acontecimento que vai gerar divergência. Poderá ter que procurar um novo lugar de repente.

Se estiver no limite das finanças, essa situação ficará ainda mais complicada se não puder fazer a mudança de pronto ou não tiver se programado para onde ir.

Devido ao aumento da tensão emocional, pode ser uma boa época para procurar por terapia e aconselhamento. No entanto, tudo é mais delicado, também. É como se o inconsciente estivesse em ebulição e as coisas não ficassem totalmente claras.

Eclipse pode gerar incertezas

O eclipse mexe com a ordem natural das coisas. Quando a Lua era totalmente ocultada, provocava nos povos antigos um misto de angústia e curiosidade. O próprio ato de ocultar está ligado a um mistério. Assim, o significado primordial do eclipse é a incerteza. Tudo parece ficar incerto, em suspense, cerca de três semanas antes e depois do eclipse.

O eclipse também gera tensão inconsciente, até por juntar Sol e Lua, dois elementos essenciais na Astrologia. Em razão dessa tensão, situações críticas têm mais chance de transbordar. Em um relacionamento já com problemas, por exemplo, na época do eclipse pode ocorrer uma crise mais séria. É mais difícil manter a racionalidade (Sol) e o balanço emocional (Lua) nesse período, que requer esforço muito maior para se obter equilíbrio e raciocinar. Há uma forte tendência à precipitação, que pode gerar acontecimentos.

Período de seis meses após após eclipse está sujeito a reviravoltas e descobertas

Como o próprio fenômeno simboliza algo incomum, o período do eclipse também tende a sinalizar acontecimentos inesperados e reviravoltas. As pessoas podem mudar de comportamento, situações podem se inverter, bem como pode haver descobertas. Especialmente se houver algum ponto ou planeta do Mapa Astral envolvido.

Por isto, tende a ser uma fase de mexidas. E elas tendem a acontecer nos assuntos regidos pelos signos envolvidos com o eclipse e, no Mapa Astral da pessoa, pelas casas onde eles acontecem.

Vanessa Tuleski

Vanessa Tuleski

Vanessa Tuleski mora no RJ e dá consultas astrológica-terapêuticas pessoalmente ou à distância, focando no que o céu tem a dizer, mas também no que o livre arbítrio pode fazer.