Depoimento: venci a depressão com Ayurveda e perdi 32kg

Sistema natural de cura ensina melhores hábitos e alimentos para cada um

Depoimento: venci a depressão com Ayurveda e perdi 32kg

Aos 15 anos, eu já possuía metas de vida muito bem estabelecidas, em uma espécie de “piloto automático”. Sabia que aos 23 gostaria de me formar na instituição e carreira certas, aos 25 me casaria com aquela pessoa que a sociedade garante que é mais interessante para minha personalidade, aos 27 teria o número correto de filhos de acordo com minha conta bancária e aos 30 já poderia estar estabelecida na minha profissão.

O que eu não esperava dentre todos esses planos era que, aos 15 anos, após uma depressão profunda e o aparecimento de uma doença genética, teria que tomar a maior decisão da minha vida: desligar o piloto automático.

O que eu não esperava dentre todos esses planos era que, aos 15 anos, após uma depressão profunda e o aparecimento de uma doença genética, teria que tomar a maior decisão da minha vida: desligar o piloto automático.

Naquele momento, meu médico foi muito enfático ao me dar a notícia de que eu passaria as próximas décadas da minha existência dependente de terapia e remédios fortíssimos, que jamais alcançaria a maioria dos planos que tinha feito dentro dos meus prazos e que deveria me contentar com aquele diagnóstico.

O “piloto automático” me dizia: “tudo bem, todo mundo tem depressão neste século”, mas havia um sentimento profundo dentro de mim que gritava que algo estava errado. Por que deveria me contentar em ser apenas mais uma paciente psiquiátrica? Ou depender de medicamentos que traziam uma série de efeitos colaterais pelo restante da vida?

Dentre todos esses questionamentos, outros começaram a surgir e logo eu não questionava apenas a medicina vigente, mas os hábitos, os relacionamentos interpessoais e a rotina humana.

Ayurveda muda hábitos e pode transformar vidas

Nesta grande busca, me percebi cada vez mais voltada às práticas de Meditação e Yoga e fiquei cada vez mais consciente do impacto de tudo que me cercava, como ambientes, pessoas e hábitos, dentre eles o primordial do ser humano: a alimentação.

Dificilmente no dia a dia encaramos a alimentação como uma ferramenta ou percebemos o efeito e o poder dela sobre nossa digestão e escolhas. Normalmente a entendemos como uma necessidade básica que precisa ser satisfeita o quanto antes. Você sente fome e então toma uma atitude prática de comer o que estiver disponível para continuar seus afazeres; você faz as compras mensais onde é mais conveniente, seja pelo preço ou localização; você procura alimentos que satisfaçam sua mente, como açúcar e chocolate, e não aquilo que é realmente nutritivo para seu corpo.

O que não percebemos é que cada alimento que colocamos no nosso delicado sistema é digerido de forma diferente e isso afeta nossas emoções e pensamentos. Enquanto existem pessoas que sentem fome e ficam irritadas, há aquelas que podem passar o dia inteiro sem comer e algumas outras que passam a maior parte do tempo apenas “beliscando” a comida. Esses hábitos, por exemplo, ditam as características de cada ser humano e, ao alterá-los, podemos nos conectar com as qualidades mais puras e agradáveis que possuímos em nós mesmos.

A ciência por trás desse conhecimento, original da Índia, é chamada de Ayurveda. Este sistema natural de saúde traduz em hábitos e escolhas alimentares o entendimento de que cada ser humano é único. Através da utilização de ervas e temperos e da escolha dos alimentos certos, nos horários mais apropriados para cada um, somos capazes de alterar o funcionamento da nossa mente, corpo, ego, intelecto e memória, possuindo mais empatia, felicidade e amor.

Foi pelos conhecimentos da Ayurveda que fui capaz de perceber que até mesmo a depressão poderia ser driblada com simples remédios caseiros, como massagens e condimentos preparados de uma forma única, de acordo com o funcionamento de meu corpo funciona.

Por exemplo: ao perceber que o excesso de calor me tornava mais agressiva e agravava um quadro de crise psiquiátrica, comecei a utilizar o coentro, a menta e o óleo de coco, e diminuir a ingestão de pimentas e azeite, a fim de não possuir mais episódios de explosão emocional e estresse.

Após dois anos de tratamento ayurvédico, com poucos conhecimentos aliados à Meditação e Yoga, eu já não possuía mais nenhum traço dos antigos problemas psiquiátricos e nem precisava mais de terapia ou médicos.

Após dois anos de tratamento ayurvédico, com poucos conhecimentos aliados à Meditação e Yoga, eu já não possuía mais nenhum traço dos antigos problemas psiquiátricos e nem precisava mais de terapia ou médicos.

Era mais feliz e saudável do que qualquer pessoa que já tinha conhecido. Anos depois, morei na Índia por alguns meses e me aprofundei nas terapias, perdendo 32kg.

Durante esse período fui auxiliada por médicos ayurvédicos a manter uma rotina regular de massagens com óleos propícios ao meu dosha ou perfil biológico, que faziam com que a gordura dos alimentos não se mantivesse no meu corpo. Ainda alternava caminhadas na natureza com séries de Yoga divertidas e eficazes, e praticava Meditação em jejum, a fim de diminuir minha fome e me manter emocionalmente equilibrada sem picos de ansiedade.

O descontentamento com os padrões da sociedade me fez enxergar uma vida mais calma. Assim, entendi melhor minhas emoções e pensamentos, aprendi a melhorar minhas relações interpessoais, a ter um corpo mais forte, um sorriso menos frágil e uma felicidade inata, que passou a me acompanhar em todas as áreas da minha vida.

Hoje me pergunto onde estaria se tivesse aceitado passivamente a doença que me acometeu anos atrás, se seria mais uma pessoa em uma vida agitada e estressada, me contentando em pegar atalhos automáticos.

A direção manual, em contrapartida ao piloto automático, pode ser mais difícil e complexa de ser manuseada. Algumas vezes dirigir pode ser cansativo, demandar manutenções periódicas e um cuidado maior com o seu veículo em tempo e dinheiro. No entanto, por experiência própria, nada compensa chegar ao destino final e de fato ser capaz de aproveitar a paisagem.

Ayurveda: dicas para doshas

No vídeo a seguir, a Dra. Nisha Manikantan, da Arte de Viver, dá dicas da Ayurveda para ter mais saúde e bem estar na sua rotina, independente do seu tipo de dosha.

Dicas para todos os doshas, com Dra. Nisha Manikantan
Anna Carolina Magalhães

Anna Carolina Magalhães

Voluntária há 4 anos na Organização Internacional Arte de Viver, já realizou trabalhos no Brasil, Europa e Índia, em programas educacionais e socioambientais em áreas rurais e comunidades carentes. Tel.: (21) 97992-3588