Logo Personare vertical
Pesquisar
Loading...

O que você entende por “cura”?

A sua cura está em você e na forma com que você lida com a sua própria saúde.

O que você entende por “cura”?

Por que algumas pessoas têm respostas tão rápidas aos tratamentos e outras não? O que faz uma pessoa conseguir diminuir a taxa de glicose, que sempre se mantinha em um nível de 280, para 90 ou 110?  Uma pessoa que teve derrame e estava com 20% de funcionamento do Rim e atualmente está com a capacidade renal em quase seus 100% ? E porque uma pessoa que não tem nenhum problema físico, não consegue se resolver emocionalmente?

O sentimento de “cura” é um compromisso que cada pessoa faz com si mesma, um compromisso pela vida. É isso que estas pessoas do início deste texto tiveram.

Mas muitas não conseguem os resultados “esperados” com as chamadas Terapias Holísticas. Por quê?

Nestes 17 anos de trabalho com as mais diversas pessoas que me procuraram para sessões da Técnica de BodyTalk, pude observar que algumas pessoas querem resultados imediatos (pra ontem). Não entendem que se ela está suportando ou carregando uma doença física ou emocional há 10, 20 anos, não será com um sessão, de qualquer tipo de terapia, que conseguirá obter alívio ou cura. Pode até acontecer, mas geralmente não é como funciona.

As doenças, dores e questões emocionais têm um ensinamento implícito nos seus sintomas e sensações, que é a forma de o corpo nos mostrar o que está errado.

O CORPO É A ÚNICA PARTE INCORRUPTÍVEL DO SER, assim como A Mente é a modeladora do que acontece conosco internamente. Refiro-me a mente do saber e não o raciocínio.

Problemas não se resolvem em uma sessão

O que vejo em algumas pessoas é pressa, loucura no seu modo de vida. Ao ponto destas pessoas não se permitirem nem cuidarem de si mesmas. Encontram tempo para tudo, mas não para cuidarem de si seja com uma massagem, acupuntura, BodyTalk ou o que for.

Se soubessem a quantidade de energia que é mobilizada para aquele dia da sua sessão, não haveriam desmarques em cima da hora ou o não comparecimento no dia sem dar nenhuma satisfação para o terapeuta. Geralmente, a pessoa que age assim, dificilmente voltará para aquela sessão. Eu particularmente, com todos os clientes que confirmam a Sessão , já entro em sintonia com o campo de energia daquela pessoa, no dia da sua Sessão. Me doou e fico no aguardo da pessoa, quando ela chega e começamos a conversar, meu campo já está conectado com o da pessoa. Se a pessoa desmarca, é um desperdício da minha energia, que poderia ser direcionado para outro cliente.

Observando todas as pessoas que já passaram pelo meu consultório, aqui no Rio de Janeiro, e agora, pelo contexto da Pandemia, de forma online, notei que:

  • Algumas vêem a doença como uma maneira de receber atenção de outras pessoas. É um sentimento inconsciente que leva-as a continuarem na situação da doença.
  • Outras pessoas quando percebem que estão melhorando simplesmente somem, se auto sabotam e não aparecem mais para a terapia,  porque não conseguem sequer se imaginar sem problemas.
  • Algumas pessoas não suportam se perceber, sem as identidades criadas para sobreviver neste mundo completamente estressado e corrido e entra em um processo de fuga. Exemplo; uma dor que traz atenção e cuidado do outro, ou uma pessoa que nunca consegue deslanchar na vida, como se a vida estivesse amarrada, esta condição traz um olhar do outro de piedade e atenção.
  • Outras pessoas querem colocar nas mãos do terapeuta a responsabilidade pela sua vida. É muito cômodo pensar “Você resolve a minha vida e eu não preciso me esforçar. Me entrega minha vida novinha”. Mas não funciona assim.

Como planejar a sua cura

Resolvi escrever este texto para mostrar que é possível obter resultados positivos para problemas e doenças físicas e emocionais. Mas é preciso ter paciência e compromisso com a sua saúde. Algumas vezes, as mudanças geram estresse no corpo, ele quer ficar no lugar comum, no que lhe é conhecido e “seguro”.

Essa segurança, claro, é do ponto de vista doente do corpo. Se você tiver força de vontade e confiança no terapeuta com quem está tratando, poderá manter firme a condição de sair do lugar comum.

Mas o fato que me levou a escrever este texto é que percebi uma necessidade do ser humano em resolver logo os diversos tipos de problemas. O planeta está acelerado, todos sabem disso. Hoje o nosso dia não tem mais 24 horas e sim 18 ou 16 horas. Isto é colocado por um estudo chamado Ressonância de Schumann, que mostra que a terra está muito mais acelerada, daí termos a sensação do tempo passando mais rápido.

Mas não precisamos viver acelerados. Não somos fantoches. Somos seres conscientes e temos o poder de optar por não estar neste estresse do dia a dia. Ainda mais nestes tempos de pandemia, em que nos vemos, retidos e limitados. Limitados de afetos, de saúde física, mental e emocional.

Se for fazer qualquer tipo de tratamento holístico, conheça seu terapeuta, veja se há empatia com ele, acredite na técnica (se você chegou nele é porque acredita) e se não acredita, dê um crédito de confiança. Certamente, mesmo você não sentindo nada em um primeiro momento, você estará diferente de algum modo.

Você pode fazer acupuntura, Reiki, Cura Prânica, Barra de Access, Constelação Familiar ou BodyTalk (que é a técnica que eu trabalho).
Pare para respirar, caminhe em um parque, se conecte com a natureza, vá a uma praia, ande na areia. Escolha todos os dias você como sua prioridade nesta existência.

Se permita melhorar, crescer, se curar e evoluir !

Olá, essa matéria foi útil para você?
Luciano Flehr

Luciano Flehr

Massoterapeuta com formação em Medicina Chinesa, Reiki, Auriculoterapia e Reset. Terapeuta Certificado de BodyTalk System pela International BodyTalk Association – IBA Saiba mais