Maria Cristina
Por Maria CristinaLeia em 3 min.28/09/2018 

Como aproveitar as lições emocionais que as crianças nos proporcionam

É possível tornar-se um adulto mais consciente a partir da observação e aceitação das crianças que convivem conosco

Uma maneira bem simples de resumir a vida poderia ser: crescer, estudar, formar em alguma faculdade, trabalhar, conhecer alguém, se unir a esta pessoa, ter filhos e começar o ciclo de novo através deles. Parece simples, mas pode causar muito sofrimento e angústia para toda uma família caso não seja executado de forma consciente, ou inclusive, questionado. A primeira coisa a fazer é desapegar. Brigas entre pais e filhos se dão em sua grande maioria pois queremos que nossos filhos sigam um roteiro, não qualquer um, mas o nosso. Aliás, como eles são “nossos” filhos isto pode parecer que temos o direito de dizer para onde devem ir e qual caminho seguir. Engessando nossa forma de lidar com as crianças acabamos perdendo uma grande chance de olhar para nossas próprias dificuldades emocionais e quem sabe até encerrar algum ciclo de repetição que vem sendo transmitido através das gerações.

Filhos, uma grande oportunidade de conhecer a si mesmo

Aquela pessoinha nasce e começa a se tornar tudo aquilo que simplesmente é e não tem nenhuma relação com aquilo que esperávamos que fosse. E aí começam os problemas. E eles ocorrem pois na maioria das vezes não sabemos ser diferentes daquilo que aprendemos, e esperamos que as crianças sigam por um caminho semelhante, cômodo e seguro.  O desafio é grande, mas pode também ser bem promissor!

Se até aquele momento não havíamos investido tanta energia para olhar para dentro e conhecer nossos aspectos mais íntimos, o contato com uma criança nos proporciona uma grande oportunidade. Aquele ser que está sob nossos cuidados nos traz a cada dia um encontro com nossa própria essência.

Cada reação emocional da criança diz respeito ao processo interno dela e do que ela capta do ambiente à sua volta. Este é um processo natural que toda a criança passa. Mas a forma como reagimos a isso diz respeito a nós!

Observar suas próprias reações é fundamental

Nos momentos mais desafiantes no relacionamento com os filhos, ou com alguma criança ao nosso redor, precisamos nos tornar conscientes e acessar de onde vem aquela emoção ou reação. Se a criança manifesta sua raiva sempre de forma explosiva e desproporcional, e isso sempre gera incômodo nos adultos mais próximos, como cada um está lidando com sua própria raiva seria uma boa pergunta a ser feita.

O que ocorre na maioria dos casos é que as pessoas estão tão distanciadas de quem são de verdade que também não são capazes de entender ou aceitar que os filhos sejam como são. Algumas vezes buscam ajuda de um profissional para a criança, mas nem cogitam em também buscarem ajuda. Quando o caminho natural seria primeiro o adulto buscar ajuda para si, para então compreender a criança em seu contexto.

Claro que a família pode estar tão imersa em padrões e conflitos familiares inconscientes que não percebe a grande oportunidade de mudança que a criança traz. Sendo, mesmo sem saber, a porta voz destes conflitos. Muitas vezes a repetição de padrões disfuncionais ocorre a várias gerações e é mesmo necessário um grande desejo de modificá-los e quebrar o processo que se perpetua.

Aceitar erros e fracassos é um grande passo

Uma boa maneira de tentar ser mais consciente é trazer a consciência para o momento presente e observar o que passa pelo pensamento e sentimentos nos momentos de conflitos. Se os “tem quês” dominam os pensamentos talvez você esteja simplesmente cumprindo roteiro enrijecidos baseados em padrões aprendidos com a família de origem. Será que é possível flexibilizar? Não podemos ressaltar mais o ser que o fazer?

Certamente é preciso conduzir as crianças mais novas a aprender como fazer boas escolhas e serem mais conscientes de si e de seus sentimentos. E não tenho dúvidas que os adultos fazem sempre o melhor que podem. Mas para realmente fazer o melhor que podemos, deveríamos ao menos saber quem somos de verdade! Isso não implica em ser perfeito e nunca errar, pelo contrário. Aceitar a imperfeição e que lidar com os erros e fracassos faz parte da vida adulta e é um dos grandes ensinamentos a serem transmitidos.

Em busca da autoconsciência

No livro “Pais e mães conscientes”, de Shefali Tsabary, encontrei algumas perguntas que provocam nossa autoconsciência. Compartilho com vocês para ajudar neste processo de autoconhecimento.

  • Qual é a missão da minha vida?
  • Sinto-me realizado internamente?
  • Como torno o meu dia a dia significativo?
  • Vejo-me em constante carência e necessidade?
  • Sinto-me como uma pessoa sem recursos ou tendo fartura?
  • Sou capaz de simplesmente me sentar com meus medos essenciais, compreendê-los, agir como amigo deles e liberá-los?
  • Examinei meu passado e vi que estou representando um roteiro de vida particular com base na minha família de origem?
  • Sou capaz de ver meus padrões recorrentes observando como meus relacionamentos com as outras pessoas se desenrolam?
  • Estou ciente de como projeto minhas emoções nos meus filhos e cônjuge?
  • Como processo minhas emoções quando sou provocado?
  • Como processo eventos negativos na minha vida?
  • Eu me permito ficar sentado com minhas emoções e observá-las, em vez de reagir a elas?
  • Sou capaz de viver num estado de consciência?
  • Sinto-me pressionado a constantemente preencher meus dias com uma atividade após a outra, ou sou capaz de ficar sentado comigo mesmo, pelo menos uma vez por dia, e entrar em contato com o meu silêncio interior?
  • Envolvo-me em atos que promovem a minha conexão comigo mesmo, ou tenho estado tão ocupado que perdi essa conexão interior?
  • Baseei inconscientemente os pilares do sucesso de meu filho na sua habilidade para “fazer”, produzir e conseguir?
  • Quanta pressão coloco sobre meu filho para que se torne a pessoa que desejo que ele seja versus quem ele é naturalmente?
  • Olho para meu filho e constantemente o vejo por tudo que ainda precisa se tornar, ou sou capaz de ficar tranquilo com ele e encantado com tudo que já é?
  • Como ensino meu filho a ter conexão interna?
  • Como vejo a vida? Ela é benevolente ou perversa? A resposta depende da circunstância em que me encontro?
Maria Cristina

Maria Cristina

É psicóloga e atende em consultório em BH e online, por Skype. Tem amor pela profissão e o desejo constante de auxiliar as pessoas a enfrentar suas crises e a buscar o autoconhecimento.