Luisa Restelli
  • Por Luisa Restelli
  • Leia em 3 min.
  • 14/04/2020
  • Atualizado em 16/06/2020 às 21:35

Como trabalhar as cincos sementes do amor para chegar à abundância do ser

Visitei o Templo do Ser e conversei com a idealizadora Cecília sobre o trabalho desenvolvido no local

Como trabalhar as cincos sementes do amor para chegar à abundância do ser

Em outubro de 2019, estive no Templo do Ser, em Ilhabela, um espaço de cuidado sobre o qual já escrevi anteriormente. Neste período, tive a alegria de conversar com Cecília, a idealizadora do Templo e a base construtora de tudo o que acontece ali – incluindo o trabalho de ativação quântica.

Falamos muito sobre a sua história de vida e como tudo chegou ao que é hoje. De um papo super interessante e cheio de sabedoria, falamos sobre o seu trabalho e os valores com os quais o Templo está alinhado. 

Ao longo de sua história de vida, Cecília foi experimentando a ativação quântica que, inicialmente, era conduzida com a mão e cristais. Segundo ela, foi uma técnica construída de forma intuitiva e, com o feedback de quem recebia, foi percebendo seus efeitos e potencialidades

O que é ativação quântica

Ao ser perguntada sobre o que é ativação quântica, Cecília me disse: 

É uma experiência que você vai sentir. Nunca consegui explicar em palavras o que é quantum. A ativação acontece na presença aqui comigo, assim como no Templo do Ser. O Templo já é um espaço de ativação quântica”. 

Posso dizer que, de fato, estar em sua presença foi mesmo especial e me abriu a mente em diversos sentidos, trazendo clareza para questões que, antes, estavam bem nebulosas. Saí desse encontro tocada e sentindo uma grande paz e centramento. 

A ativação é levar a mente para uma dimensão onde não existe tempo e espaço. Existe a expansão.

O encontro com Cecília e tudo o que foi dito também é, para mim, difícil de explicar em palavras. A experiência e a presença dizem muito mais do que eu poderia passar através deste texto. 

Nossa conversa caminhou por muitas vivências pessoais que a levaram à compreensão de alguns movimentos da mente individual e coletiva. 

Segundo ela, estamos todos interligados em uma mente coletiva, onde cada um, em seu tempo e meios, passa pelo despertar do mesmo processo

Isso me remeteu a Carl Jung, psiquiatra e psicoterapeuta que desenvolveu a teoria sobre o inconsciente coletivo no qual todos estamos conectados. 

Essa rede interconectada, que a teoria sistêmica também explica, gera movimentos coletivos em todos nós, influenciando o todo e a cada um individualmente.

Os movimentos da mente

Durante a entrevista, Cecília falou sobre dois movimentos principais da mente: a imaginação útil e a imaginação inútil. A dualidade. 

Segundo ela, a imaginação útil é o amor e tudo o que deriva dele. O que gera clareza e consciência. Ela vem da presença no aqui e agora, conectada com o seu eu mais real e essencial. 

A inútil é todo o oposto, vagando no passado e futuro. 

Conforme me explicou, primeiro vem a imaginação útil ou inútil e, depois, criamos a realidade. Assim, criamos a realidade útil ou inútil. 

Quando criamos inutilidade, é preciso percebê-la conscientemente para que se possa transformá-la com qualidade e gentileza, gerando utilidade. 

Assim, ela percebeu a mente se movimentando da seguinte maneira:

  1. Primeiro vem a sabedoria: a comunicação entre a mente e a sua sabedoria interna, que Cecília chamou de “eu superior”; 
  2. Então, vem o racional: como a mente interpreta a informação do eu superior; 
  3. Em seguida, a qualidade de memória: qual a qualidade dessa informação recebida; 
  4. Então, vem a ponderação da imaginação útil e inútil: em cada um desses movimentos vem a imaginação inútil sendo ponderada para que, então, venha a imaginação útil; 
  5. A organização da imaginação útil: como a mente está organizando isso.

As cinco sementes do ser

Cecília explicou que o seu foco é trabalhar as cincos sementes do ser, com as quais chegamos à abundância: respeito + responsabilidade + qualidade + confiança + coragem. Sobre isso, ela definiu: 

Respeito a você mesmo. Responsabilidade ao respeitar e ao se respeitar. A qualidade da responsabilidade pelo respeito. Ao ter esses três, você passa a ter confiança no processo. Então, quando você passa a ter confiança no processo, você materializa a coragem de ser.

Segundo Cecília, estar atento a esses movimentos internamente e como está cada um deles em sua vida te traz clareza e consciência sobre o que precisa trabalhar em si mesmo, assim como em que ponto você está gerando determinada questão em sua vida.

Ao final, falamos também sobre a importância da psicologia no caminho desta consciência sobre as questões psicoemocionais e os pontos originais que geram determinados padrões e comportamentos. 

Ao trazer consciência para os conteúdos emocionais guardados e mal elaborados internamente, possibilitamos a ressignificação e transformação destes conteúdos para uma saúde integral. 

Olá, essa matéria foi útil para você?
Luisa Restelli

Luisa Restelli

Psicóloga, Psicoterapeuta Corporal e Consteladora Familiar Sistêmica. Realiza atendimentos individuais e de casal no RJ e ministra grupos terapêuticos, workshops e palestras pelo Brasil. Saiba mais