Fernando Belatto
  • Por Fernando Belatto
  • Leia em 17 min.
  • 29/08/2014
  • Atualizado em 07/05/2018 às 13:11

Artes marciais estimulam concentração no trabalho

Passo a passo de exercício de auto-observação ensina a ter foco

Passo a passo de exercício de auto-observação ensina a ter foco

Artes marciais estimulam concentração no trabalho

Eis que começa mais um dia para o trabalhador. Dentro de sua empresa ele sabe quais desafios virão pela frente nas horas seguintes. Foco, concentração, disciplina, entre outras virtudes serão de extrema importância para que seus objetivos diários possam ser concretizados com louvor e de forma harmoniosa.

Os desafios aparecem, mas como podemos manter atenção e presença plena para não perdermos o foco e colocar tudo por água abaixo? Como podemos manter o equilíbrio para não entrarmos no furacão da mente e agirmos de forma impulsiva no caminhar rumo aos nossos objetivos? Estas são perguntas constantes no mundo corporativo e acredito que as chaves milenares das artes marciais podem oferecer uma resposta.

A arte marcial, um caminho de autoconhecimento por essência, era utilizada por monges como uma via para se conhecer melhor, que ia além do aspecto físico. A atenção dada à Meditação, auto-observação e comportamentos também fazem parte da cultura guerreira e é muito apreciada por verdadeiros artistas marciais. Sendo assim, as virtudes exigidas dentro de um ambiente de treino (Dojo) podem e devem ser utilizadas em sua vida social, prática e profissional. O nosso Guerreiro Interno começa a ser de fato treinado.

Desperte seu guerreiro interno e atinja o que deseja

Acredito que dentro ou fora de uma empresa, o objetivo ou a meta não existe. Na verdade, isto funciona somente como uma seta. Afinal, as metas estão sempre relacionadas ao futuro, ao tempo psicológico. Quando pensamos: “ah, o meu objetivo é tal coisa”, precisamos tomar cuidado para não passarmos a viver no futuro psicológico, deixando, assim, a vida e a experiência presente em segundo plano.

Claro que é importante traçar objetivos, uma vez que eles determinam o nosso norte e sugerem como devemos nos comportar para concretizá-los. Mas o que vai, pouco a pouco, tornando o objetivo real e concreto são as nossas ações conscientes em prol disto. Existe um provérbio tibetano que diz: “podemos escolher o que semear, mas somos obrigados a colher aquilo que plantamos”. Isto me lembra também uma máxima de Dalai Lama: “confie em Deus, mas tranque a porta do carro”. Em ambos os casos, o tema é o mesmo: autorresponsabilidade pelos seus atos. E isso é de extrema importância no mundo empresarial. Acredito que só desta forma poderemos atingir objetivos de forma mais madura e verdadeiramente próspera.

Ensinamentos das artes marciais podem ser aplicados no trabalho

Ultimamente tenho trabalhado com algumas empresas e, por meio das artes marciais, conseguimos despertar esse espírito virtuoso e guerreiro que temos e que muitas vezes fica esquecido.

É ainda muito comum nas corporações encontrar equipes brigadas e com muitos desentendimentos entre os funcionários, o que dificulta a união e o progresso da empresa como um todo. Nesses casos, sempre sugiro que a pessoa reflita sobre sua autorresponsabilidade na situação e procure compreender por qual motivo ela está perdendo seu equilíbrio. Afinal, é justamente quando perdemos nosso equilíbrio que entramos em guerra interna.

Auto-observação aliada a movimentos para transformar comportamentos negativos

A prática do silêncio interno e a auto-observação são chaves que acabaram sendo esquecidas, soterradas por baixo de um monte de sensações e necessidades de autoprovação. Estas chaves milenares são farois que iluminam nosso mundo interno, nos mostrando muitas vezes os nossos padrões viciados de comportamento.

Uma alternativa é praticar a Meditação Ativa, que é feita aliando movimentos corporais das artes marciais com a auto-observação. Neste tipo de prática, um soco, por exemplo, não é simplesmente um ataque, mas representa o nosso movimento de ação no mundo. Então, quando fazemos este movimento com a intenção de fortalecer a determinação, conseguimos dar grandes passos para vencer a preguiça, que muitas vezes toma conta e não permite que a gente concretize nossas metas. Vale lembrar que a Meditação Ativa pode ser pode ser feita com muitos movimentos de ataque, defesa, equilíbrio, foco, etc. Todos eles oferecem importantes qualidades para nós.

Passo a passo de Meditação Ativa no trabalho

  1. Encontre um ambiente silencioso onde você possa concentrar-se sem ser incomodado(a)
  2. Mantenha seus pés paralelos na largura de seus ombros
  3. Mantenha seus punhos cerrados na altura do quadril (como na postura de base do Karatê)
  4. Concentre-se em um ponto na sua frente e não desvie o seu olhar
  5. Este ponto passa a ser o seu objetivo interno (reflita: o que está precisando ancorar em sua vida?)
  6. Golpeie o ar com a mão direita, expirando, e mantenha sua intenção mental enquanto realiza o movimento
  7. Retorne a mão direita ao mesmo tempo que golpeia com a esquerda
  8. Faça os movimentos com presença e calma
  9. Volte para a sua mesa e perceba como se sente

Repita três séries, com 10 socos cada uma.

Sugiro sempre que você utilize essas ferramentas e amplie a qualidade do silêncio e da auto-observação em sua vida. Acredito que desta forma você contribuirá para ampliar sua consciência, tornando-se uma pessoa mais íntegra. Outra dica é a de aproveitarmos esses momentos de guerras diárias (quando estamos fora do equilíbrio) e aprendermos com ela. O caminho do guerreiro oferece a coragem necessária para encarar esses monstros internos e, através da compreensão, caminhar para a eterna paz, união e prosperidade. Que possamos sustentar a nossa presença!

Olá, essa matéria foi útil para você?
Fernando Belatto

Fernando Belatto

Criador do caminho do O-DGI, unindo os princípios da arte marcial com o autoconhecimento, para ajudar pessoas e empresas a conquistarem o seu melhor potencial. Saiba mais