Equipe Personare
  • Por Equipe Personare
  • Leia em 5 min.
  • 18/09/2017
  • Atualizado em 04/05/2018 às 21:49

Artes Marciais ajudam a vencer maior guerra de todas: a interior

Prática traz mais consciência, vitalidade e amorosidade para lidar com conflitos

Artes Marciais ajudam a vencer maior guerra de todas: a interior

As Artes Marciais se tornaram um caminho para os que desejam adquirir algumas virtudes dos samurais, como equilíbrio e disciplina, no seu dia a dia. Submetidos quase que diariamente a grandes desafios, como a morte, aqueles guerreiros tiveram que desenvolver algumas habilidades para conseguir vencer seus medos, traumas e manter uma mente saudável e serena.

Passada a era desses soldados, os maiores legados deixados foram os ensinamentos e as técnicas que os fizeram desenvolver essa capacidade de lidar com um tipo de batalha que, ainda hoje, a maioria das pessoas é obrigada a enfrentar: a interna.

Dessa forma, mais do que um treinamento militar ou de autodefesa, a filosofia de vida dos samurais é o que de mais precioso as Artes Marciais vêm oferendo à sociedade.

O corpo como primeira ferramenta

O corpo físico é uma expressão do que acontece no ser humano em nível emocional. Por meio de um olhar atento, por exemplo, é possível perceber uma mudança na aparência de um indivíduo quando ele fica triste. Seu corpo fica mais recolhido e desaminado. De acordo com o sensei (instrutor de arte marcial) Fernando Belatto, isso acontece porque boa parte do nosso corpo é formada por moléculas de água, elemento condutor de energia. Logo, considerando que mágoas, traumas, medos e conflitos internos são um tipo de energia, nosso corpo acaba sendo um reflexo das impressões enviadas pelo nosso subconsciente.

Em um nível mental, o ser humano é capaz de deixar essas energias em segundo plano, mas dificilmente consegue eliminá-las por meio dos pensamentos. Dessa forma, Fernando acredita que, a partir de um treinamento corporal adequado, é possível acessar emoções e sentimentos (como raiva, medo, ansiedade), purificar-se, acalmar a mente e chegar ao objetivo principal: conectar-se com o coração.

Ao contrário de alguns esportes e práticas que levam o corpo ao seu esgotamento, como o próprio futebol e o fisiculturismo, Belatto ressalta que a parte física das Artes Marciais é desenvolvida para elevar a energia vital, proteger o corpo, cuidar da saúde e fazer o participante alcançar o seu maior potencial, sem ultrapassar seus limites.

“O desenvolvimento saudável do nosso corpo faz com que seja possível ultrapassar a barreira da mente e ouvir o nosso coração, acessando uma linguagem muito desenvolvida pelos guerreiros, mas há muito esquecida: a intuição. Assim, conseguimos caminhar no mundo conectados com o que há de verdadeiro em nós e não com a nossa mente condicionada ao passado, que é a responsável por continuarmos repetindo as mesmas guerras internas que não aguentamos mais. Para que algo diferente aconteça, é preciso estar no “aqui e agora”, conectados com o coração, e é isso que a prática corporal das Artes Marciais nos ajuda a alcançar”, revela o sensei.

A filosofia das Artes Marciais como um caminho

Não é difícil, no entanto, que essa qualidade amorosa das Artes Marciais se perca, se o foco for apenas o corpo. As habilidades psicológicas dos guerreiros, como a capacidade de manter a mente equânime perante qualquer tipo de situação, são essenciais para quem almeja ser capaz de lidar com os seus conflitos internos. O próprio sensei Fernando Belatto é exemplo disso. Depois de 10 anos competindo no Jiu-jitsu, as medalhas deixaram de preenchê-lo. Apesar da presença da Arte Marcial na sua vida desde a infância, em algum momento, a essência se perdeu. Como consequência, ele chegou a largar tudo e a ser diagnosticado com síndrome do pânico.

Nesse momento, começou a ouvir o chamado do autoconhecimento e conheceu o mestre espiritual Sri Prem Baba (na foto ao lado, Fernado Belatto com Sri Prem Baba). Na vivência próxima a ele, Belatto entendeu que deveria realizar um trabalho árduo de resgate das virtudes e dos princípios dos guerreiros, o qual, na verdade, já vem sendo feito pelos difusores das Artes Marciais, desde a queda da era dos samurais. No caso de Belatto, esse mergulho na filosofia das Artes Marciais o fez recuperar seu propósito de vida. “É isso que o fonema ‘do’, que vem ao final de Karatê-Do, Judo e Aikido, significa: caminho”, explica.

Depois do seu próprio resgate interno, Fernando Belatto desenvolveu o O-DGI (O Despertar do Guerreiro Interno), uma arte marcial que auxilia no resgate da autoconfiança e mostra como enfrentar os desafios do cotidiano com mais presença. A metodologia aplicada tem como base estudos da arte da guerra e os seis valores do projeto Awaken Love, desenvolvido por Prem Baba: Honestidade, Autorresponsabilidade, Gentileza, Dedicação, Serviço e Beleza.

As 6 qualidades de um verdadeiro guerreiro

De forma geral, Fernando Belatto sugere que para enfrentar a guerra interna e se movimentar em direção ao amor é preciso começar pelo princípio da Honestidade. “Como transformar ou eliminar algo que não é honestamente assumido? A pessoa não vai conseguir vencer a guerra interna, se ela não for honesta consigo. ‘É, realmente eu tenho uma guerra dentro de mim: tenho raiva, falta de integridade, ansiedade…’. Ela precisa aceitar e ser honesta. Isso é o que vai possibilitar à pessoa fazer algo a respeito para poder se transformar”.

Segundo Fernando, logo depois vem a Autorresponsabilidade, o fim da guerra com o outro. Por mais difícil que seja, de acordo Belatto, é preciso parar de culpar as pessoas pelos próprios problemas, entrar em contato com o seu “eu” e começar a fazer algo a respeito. Pode ser uma terapia, Yoga, mudança na alimentação ou qualquer outra coisa que torne a pessoa capaz de transformar aquilo que, para ela, é um incômodo. “Eu estou onde eu me coloco”, ele resume.

Além disso, agir como um guerreiro, segundo os princípios das Artes Marciais, significa, acima de tudo, ser amoroso e gentil, afirma Belatto. De acordo com o sensei, a exemplo do que acontece nas escolas de Artes Marciais – nas quais os alunos mais antigos devem ficar atentos para receber os mais novos da melhor maneira possível, acolhendo-os – todas as pessoas que convivem com alguém que cultiva a essência dos samurais deve se sentir respeitada.

Contudo, Fernando admite que essa não é uma tarefa fácil e revela que para os querem realmente seguir nesse caminho, a Dedicação deve ser outra qualidade a ser cultivada. “A todo momento somos testados e, para manter uma linguagem de amor e espalhá-la, é preciso dedicação. Para ser um exemplo do que você quer que aconteça no mundo é preciso treino”, filosofa o sensei.

Por fim, chega-se ao princípio do Serviço. De acordo com Belatto, esta é uma das virtudes mais elevadas de um guerreiro. Inclusive, em japonês, o termo “samurai” significa “aquele que serve”. “A palavra “serviço” é muito mal compreendida, como se a pessoa que serve fosse menor. No entanto, é uma atitude muito elevada. Você serve por amor. E quando você serve por amor, ele lhe preenche mais ainda. E a consequência disso é a virtude da Beleza. Tudo o que você faz se torna belo porque você está conectado com o seu coração, mesmo que seja algo muito simples”, explica.

3 dicas para iniciar o caminho do guerreiro, por Fernando Belatto

Um minuto de silêncio por dia

Muitas pessoas chamam isso de Meditação. Sente-se confortavelmente, com a coluna alinhada e os ombros relaxados. Feche os olhos e foque na sua respiração. Se um pensamento surgir e levar você embora, é só voltar a focar na respiração. Um único minuto por dia dessa prática já ajuda e pode transformar a vida de uma pessoa.

No momento em que você se dedica a simplesmente estar ali, sem se preocupar com qualquer outra coisa, isso faz com que lembre de si mesmo. Existe um movimento de sair da mente e começar a conexão com o coração. É simples e transformador. Mas, de tão simples, algumas pessoas desmerecem o exercício.

Quanto mais frequente esse exercício se tornar na rotina de uma pessoa, mais rapidamente esse estado de centramento vai se tornar um hábito para a sua mente, e ela vai se acostumar a voltar para ele quando necessário. Não por acaso, o mestre espiritual Sri Prem Baba sugere que essa prática seja realizada cinco vezes por dia.

Honrar cada desafio

Quando se trata da arte de lidar com a guerra interna, uma das estratégias mais inteligentes é começar a enxergar todo e qualquer desafio como um professor e não como um inimigo. A mente humana tem uma tendência a reclamar do desafio, no entanto, não é atitude de um guerreiro reclamar. Quem reclama é a vítima.

Então, para começar a agir como guerreiros, o primeiro passo é olhar para o desafio e honrá-lo. Seja qual for a situação que lhe tira do centro, lhe deixa ansioso, irritado ou decepcionado, você vai falar: “eu preciso honrar e aprender algo com isso. Esse desafio é o meu mestre e está me ensinando alguma coisa. O que eu preciso aprender com essa dificuldade?”. Essa atitude traz autorresponsabilidade para a situação. A pessoa para de apontar a arma para o outro, querendo culpá-lo, e consegue perceber o que realmente a tira do centro e em que momento e sob quais circunstâncias ela permite isso.

Desapegue do resultado

Tanto a vitória quanto a derrota deveriam ser consideradas apenas como consequências. O mais importante é o caminho. É o quanto você se dedica e o que você aprende a cada instante, antes de chegar ao resultado final. Às vezes, você deu o melhor de si, aprendeu muita coisa, mas não conquistou o que almejava. Será que isso já não é uma vitória? E quem falou que, ao “ter perdido”, você perdeu mesmo? E quem disse que quem ganhou, ganhou mesmo?

Por exemplo: o vencedor de uma competição ganha uma medalha, mas deixa o seu ego tomar conta, achando que é melhor do que o outro, criando uma separação. Nisso, ele está perdendo algo mais profundo. Às vezes, a amizade e o respeito pelo outro. Ele pode até ter ganho a medalha, mas perdeu muito também. Perdeu a possibilidade de se sentir amando, amado e de sentir o amor.

Mais importante do que o resultado é o caminhar, o que você leva da experiência. Os dois lados estão lhe ensinando, isso é o que vale. Você se manter o mesmo independe de vitória ou derrota, é um grande treinamento e de onde vem muita sabedoria.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Equipe Personare

Equipe Personare

Nós, da equipe Personare, também estamos em um processo constante de conhecimento sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre as relações humanas. Saiba mais