Juliana Garcia
  • Por Juliana Garcia
  • Leia em 11 min.
  • 05/03/2010
  • Atualizado em 07/05/2018 às 13:39

A riqueza de ser como se é

Respeite seus anseios e sentimentos e recupere sua autoestima

Respeite seus anseios e sentimentos e recupere sua autoestima

A riqueza de ser como se é

Muito se diz que a mulher é um ser misterioso. Quantos não gostariam de entender o que as mulheres querem e desvendar os sentimentos femininos? Talvez essa tarefa tivesse de partir, primeiramente, das próprias mulheres: conhecer os seus sentimentos, ir fundo na compreensão de seus mistérios, reconhecer a sua multiplicidade.

Carregamos no corpo o mistério do ciclo vida-morte-vida. Todo ser vivo também carrega essa experiência, mas o corpo feminino traz essa vivência à luz, torna explícito. Quer um exemplo? Vivemos tal realidade a cada ciclo menstrual. Primeiro vem a possibilidade de vida, a semente que é lançada. Se não é fecundado, o óvulo e todo o aparato de preparo do organismo são descartados, mostrando que não houve o nascimento de uma vida. Depois nosso útero se prepara para novos ciclos. Com tal movimento variamos também em nossa experiência íntima, com períodos de abertura e fechamento. Se compreendêssemos melhor esse ritmo em nosso corpo, talvez tivéssemos menos sintomas de tensões como a maioria das mulheres experimenta na atualidade. Aproveitando os momentos de fechamento para refletir, recarregar energias, planejar, se sintonizar. Aproveitando os momentos de abertura para agir, se expor, apresentar-se, ir à luta.

Energia contida

Compreender os ritmos internos e respeitá-los é um baita desafio para nós mulheres. Tão acostumadas fomos a calar nossos sentimentos e a seguir o ritmo do outro, que agora fica de fato difícil dedicar um tempo para ouvir a nós mesmas. Tanto tempo de silêncio imposto, que muitas vezes nossa alma só consegue nos mostrar como estamos nos trazendo sintomas. E mesmo assim, o que aprendemos? Uma mulher é incansável! Quantas de nós aturam dores crônicas protelando para amanhã o autocuidado?

De um ser pleno de riquezas, mistérios e belezas, quiseram moldar e construir um outro, mais domesticado, formatado, domado. A cultura patriarcal fez de tudo para conter a energia que assustava, para domar aquilo “que não tem medida, nem nunca terá” (tomando emprestadas as palavras de Chico Buarque). A energia feminina ia contra a ordem que se queria instituir: o controle, a luta por poder, o individualismo. Tentaram dobrar, amassar, rasgar a alma feminina, para fazê-la caber no baú de uma cultura inconsciente, para tornar o Feminino se não aceitável ao menos tolerável. Isso fez com que muitas e muitas mulheres brilhantes fossem tachadas como erros, aberrações e fossem punidas por simplesmente serem.

Multiplicidade e riqueza

O Feminino não se encaixa em padrões. Cada mulher é múltipla em suas faces e suas possibilidades. Temos luz e sombra, asas e raízes, sins e nãos, interno e externo, renovação constante, ondulações. E nossa riqueza está em sermos como somos.

Cada mulher é múltipla em suas faces e suas possibilidades. Temos luz e sombra, asas e raízes, sins e nãos, interno e externo, renovação constante, ondulações. E nossa riqueza está em sermos como somos.

Precisamos recuperar a autoestima, a alegria de sermos depositárias de tantas características naturais cheias de beleza. É urgente retomar o contato com nossos anseios e sentimentos, com nossa garra e nossa sensibilidade, com nossa intuição e nossa criatividade. Pense em maneiras de iniciar uma relação mais prazerosa com você mesma, mulher! Reconheça em si a união dos aspectos femininos e masculinos e potencialize o que lhe faz bem. Tome partido de suas múltiplas faces a seu favor! Não acredite em que lhe diga que você é o sexo frágil (nem se ouvir isso de você mesma!), retome a força interna que fez com que você chegasse até aqui! E dia da mulher não tem uma só data. Todo dia é seu dia, todo dia é especial, pois é o agora que se converte em possibilidades. Permita-se!

Indicação de livros que podem lhe ajudar nessa jornada:

Mulheres que correm com os lobos: mitos e arquétipos da mulher selvagem. De Clarissa Pinkola Estés. Editora Rocco.

A procura do Feminino. De Marisa Sanabria. Editora Ideias e Letras.

A mulher heróica: relatos clássicos de mulheres que ousaram desafiar seus papeis. De Alan B. Chinen. Editora Summus.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Juliana Garcia

Juliana Garcia

Escritora, criadora, consultora, psicóloga, psicodramatista. Seu trabalho gira em torno da Autenticidade e da Criatividade. Psicóloga graduada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), pós-graduada em Psicodrama pelo Instituto Mineiro de Psicodrama Jacob Levy Moreno. Cursou formações em Coaching pela Abracoaching e Condor Blanco Internacional. Foi professora do curso de pós-graduação em Psicodrama pelo Instituto Mineiro de Psicodrama Jacob Levy Moreno. Criadora de diversos cursos livres e conteúdos mais livres ainda. Contato: contato@julianaggarcia.com.br Saiba mais