Karina Miotto
Por Karina MiottoLeia em 3 min.22/08/2018 

A reconexão com a natureza cura a alma

Quando despertarmos para a união do ser humano com todas as outras espécies, nos tornamos mais felizes

Desde as revoluções científica e industrial, temos acreditado na mentira de que nós, humanos, somos seres separados das outras formas de vida, a que chamamos de “natureza”. Graças às ondas inimagináveis de energia que temos recebido em nosso planeta, aos poucos temos sido capazes de lembrar, por meio de mergulhos em autoconhecimento e inúmeras sincronicidades que, na verdade, a “natureza” não está “lá” e nós, humanos, “aqui”. Temos nos lembrado que somos natureza.

Se por um lado o progresso da ciência e da indústria simbolizaram um avanço para a humanidade, por outros retardou nossa evolução espiritual e conexão com a natureza. Isaac Newton, Galileu Galilei, René Descartes, entre outros, afirmaram que o universo se entende pela matemática, e o que não pode ser medido, tocado, quantificado e visto na natureza não existe. Esqueceram-se de valorizar a intuição e o sentimento, em sua busca por conhecimento mental. Francis Bacon foi ainda mais longe e afirmou que a natureza deveria ser “dominada pela força do homem”. Empresas, indústrias, religiões, sistemas educacionais e o capitalismo não apenas acreditaram nesses absurdos como começaram a nos “ensinar” que a natureza não passa de um monte de “recursos naturais” para proveito humano, como se todos os seres vivos do planeta existissem para prestar “serviços ambientais” ao regozijo da humanidade. Grande erro.

Se por um lado o progresso da ciência e da indústria simbolizaram um avanço para a humanidade, por outros retardou nossa evolução espiritual e conexão com a natureza.

O resultado disso está nas pesquisas de saúde mental, física e emocional. Em todo o mundo, a depressão aumentou 18% entre 2005 e 2015 – são 322 milhões de pessoas. No Brasil, a doença chega a 11,5 milhões, conforme dados de 2017 da Organização Mundial da Saúde. Ao lado da depressão, segue a ansiedade: a mesma organização divulgou que mais de 18,6 milhões de brasileiros sofrem com ela.

Karina na natureza (Foto: Yulli Nakamura)

O contato com a natureza pode pôr um fim a muitos dos males emocionais e físicos que enfrentamos hoje. No livro “A Última Criança na Natureza”, do jornalista Richard Louv, editado no Brasil pelo Instituto Alana, fica absolutamente clara a relação entre essas doenças e a falta de natureza. O especialista diz que estudos científicos revelam que a exposição direta à natureza é essencial para a saúde física e emocional. É capaz de melhorar a capacidade cognitiva, a resiliência, o estresse, a depressão e até de reduzir o que se chama de hiperatividade. Chegou a hora de curarmos, como explica Louv, nossa Síndrome de Déficit de Natureza. Embora seu livro seja focado em crianças, essas premissas também servem aos adultos.

A Terra criou o papagaio, árvore, nuvens, gotas de chuva, rios e mares, girafas e borboletas. Criou você. Por isso, sabiamente, indígenas nativos americanos utilizam constantemente uma frase. Eles dizem: “Mitakuye Oasin” que, em português, significa “a todos os meus parentes”, sendo “parentes” também a ave, a caverna, a formiga. Ou seja, eles lembram e sacralizam todas as formas de vida existentes no planeta, incluindo a espécie humana – não foram pegos pelas mentiras dessas duas revoluções históricas.

Imagine, aí mesmo onde você está, que na verdade você é irmã, ou irmão…

  • Da andorinha
  • Do bem-te-vi
  • Da sua cachoeira favorita
  • De sua árvore favorita
  • De seu animal selvagem favorito
  • De sua erva medicinal favorita

Como se sente? Muda alguma coisa em seu interior? O quê?

Tenho outro convite para você

Lembre-se do seu lugar favorito na natureza quando você era uma criancinha. Como era, ou é, esse lugar? Como você se sentia nele? Como era estar ali?

Agora traga à sua consciência que você e esse lugar são irmãos. São unidos para sempre pela força geradora de uma mesma mãe, a Terra. Imagine que, da mesma forma que você amava esse lugar, esse lugar também te amava. Alguma emoção vem à tona quando você traz esta verdade à sua consciência?

Peço que foque em seu coração, nesse momento. Que você se permita sentir essa verdade e despertar do sono profundo da separação. A vida, com “todos os nossos parentes”, fica bem mais colorida assim – porque, quando você vibra na união com todos os seres, você vibra na verdade, não mais na mentira que nos fizeram acreditar. A separação é uma ilusão. A crença da superioridade humana sobre as outras espécies é uma ilusão.

Aproveite que este texto chegou até você e dê uma voltinha na natureza com a intenção de trazer essa lembrança da conexão com todos os seres ao seu coração.

Se puder, durante a Virada Sustentável apareça na vivência “Autoconhecimento através da conexão com a natureza”, na Tenda Sensorial, Parque Ibirapuera, sábado, 25, às 18h. Será uma bela oportunidade de conectar-se.

Ao se abrir para a comunhão com a existência, a solidão não baterá à sua porta. Nunca mais.

Karina Miotto

Karina Miotto

Karina Miotto é mestre em Ciência Holística, facilitadora de vivências em ecologia profunda, sustentabilidade e reconexão. Realiza processos vivenciais com a missão de reconectar as pessoas ao seu poder pessoal através do contato com a natureza. É fundadora do movimento Reconexão Amazônia e ativista pela floresta com atuação em grandes ONGs nacionais e internacionais.