Paula Mendes

Secreções do corpo humano são usadas para tratar doenças

Conheça a Isopatia, técnica que aumenta abrangência do tratamento homeopático

Secreções do corpo humano são usadas para tratar doenças

A medicina ocidental é baseada nos ensinos de Hipócrates, médico que viveu na Grécia há 400 anos a.C. Foi ele quem definiu dois métodos distintos para o tratamento de doenças: pelos contrários (alopatia) e pelos semelhantes (homeopatia). A alopatia consiste no emprego de substâncias com efeito contrário ao dos sintomas. Por exemplo: antitérmico para tratar a febre; antibiótico para combater a infecção; anti-hipertensivo para a pressão alta. É o tipo de tratamento mais utilizado em nosso meio.

A homeopatia foi criada em 1796 pelo médico alemão Samuel Hahnemann, que utilizou substâncias de origem vegetal, mineral e animal, submetendo-as ao processo de diluição e dinamização. Ele experimentava estas substâncias em pessoas sadias e anotava os sintomas apresentados. Desta forma, criou os medicamentos homeopáticos, baseando-se na lei da semelhança:

o que um medicamento provoca em um indivíduo sadio é o que ele é capaz de curar na pessoa doente.

“O que dá febre em um ser humano são, cura um ser humano que tem febre”, dizia Hahnemann. São exemplos de medicamentos homeopáticos: Chamomilla, feita a partir da planta inteira; Mercurius solubilis, feito do elemento mineral Mercurio; Crotalus horridus, feito do veneno da cobra cascavel.

Isopatia usa secreções e tecidos humanos para tratar doenças

Já a isopatia foi criada a partir de experiências feitas por dois homeopatas – C. Hering e W. Lux, por volta de 1830. Eles utilizaram substratos biológicos como base para os remédios homeopáticos. Secreções humanas, alérgenos, microorganismos e tecidos do corpo são submetidos ao método homeopático de diluição e dinamização. Desta maneira, os efeitos tóxicos das substâncias são anulados e o medicamento obtido, chamado bioterápico, pode ser empregado de forma segura. Esses diferem dos remédios de Hahnemann por não terem experimentação no indivíduo sadio. São indicados baseando-se na fisiopatologia das doenças.

Os medicamentos isopáticos assemelham-se às vacinas, pois utilizam o próprio agente causador da doença para promover a cura.

Porém, a diferença é que nas vacinas são empregados microorganismos vivos ou mortos, que ao serem aplicados no indivíduo sadio, induzem o sistema imunológico a produzir anticorpos específicos.

Já na isopatia, os agentes biológicos são diluídos e dinamizados, o que os torna isentos de efeitos tóxicos. São prescritos pelo médico homeopata, em gotas, tabletes ou glóbulos, e administrados aos pacientes de forma isolada ou em associação a outros medicamentos homeopáticos. Seu princípio é o mesmo da homeopatia clássica, ou seja, estimular o organismo com doses ultra diluídas de medicamentos escolhidos por semelhança, com o fim de promover o processo de cura. Só que nos isopáticos, o próprio agente causador é usado para a cura, sendo portanto idêntico, e não semelhante à doença.

No Brasil, o médico petropolitano Roberto Costa deu grande contribuição à isopatia, desenvolvendo pesquisas nas décadas de 70 a 90, empregando de forma pioneira bioterápicos como Toxoplasma, Tripanossoma cruzi, Leishmania e vários outros patógenos.

A partir desse princípio, podem ser tratadas várias doenças. Vejamos alguns exemplos:

Escherichia coli

É a bactéria causadora de infecção urinária. Como medicamento isopático, é utilizada para tratar infecções urinárias de repetição.

Candida albicans

É o fungo causador de candidíase. Utilizado para combater candidíase vaginal e oral (sapinho).

Mucosa intestinal

É indicada no tratamento de Síndrome do intestino irritável, Doença de Crohn, Retocolite ulcerativa e outras doenças em que haja lesão da mucosa intestinal.

Neurônio motor; Córtex cerebral; Cerebelo; Lobo frontal; Lobo occipital; Lobo parietal; Quiasma óptico; Hipotálamo

Usados em medicamentos que atuam na recuperação de sequelas de lesões cerebrais, como AVC, paralisia cerebral, e em outras doenças que cursam com comprometimento das funções neurológicas.

Nervo trigêmeo

Usado para tratar nevralgia do trigêmeo e cefaleias.

Corante amarelo; Corante vermelho; Gema de ovo; Poeira e germes; Ácaros; Leite de vaca; Camarão

Usados para tratar alergias a estes compostos.

Tendão; Músculo

Usados para tratar tendinites, bursites, torcicolos e lesões musculares.

Osteoartrite

Usada para tratar artrites e artroses.

Tireoide

É uma glândula do corpo. Utilizada para equilibrar as funções da glândula, em doenças como hipotiroidismo e hipertiroidismo.

Esta técnica tem sido empregada por médicos homeopatas há muitos anos, com excelentes resultados. Sua utilização permite ampliar as possibilidades de tratamento, podendo ser prescrito de forma isolada ou em associação a outros medicamentos homeopáticos.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Paula Mendes

Paula Mendes

Médica homeopata e clínica geral, com formação em acupuntura auricular com cristais radiônicos. Atua há 20 anos, agregando as técnicas terapêuticas para promover a saúde integral. Saiba mais