Equipe Personare
Por Equipe PersonareLeia em 26 min.26/11/2013 

É obrigatório dar presentes de natal?

Descubra o significado de presentear e veja como não se endividar com compras

Descubra o significado de presentear e veja como não se endividar com compras

No fim de ano, muitas pessoas saem à procura de presentes para a família. Lojas, galerias e shoppings ficam lotados de opções de vários tipos e muita gente pode acabar extrapolando o orçamento, além de fazer escolhas que não atendem o gosto da pessoa presenteada. Sendo assim, reflita: você já se perguntou se é realmente necessário dar presentes no natal? Ao comprar os presentes, você costuma fazer escolhas com base no gosto das pessoas que serão agraciadas?

Pensando nisso, a Equipe Personare reuniu um time de especialistas para falar sobre o significado de presentear alguém, assim como dicas de planejamento financeiro para que as compras não pesem no bolso.

Dar e receber presentes simboliza celebração de uma nova fase

Quem não gosta de receber presentes? Segundo o simbologista e numerólogo Yubertson Miranda, os egípcios e gregos da antiguidade acreditavam que, ao ofertarem um presente, receberiam em troca a proteção dos deuses, reis e imperadores do passado. “A cada novo ciclo ou estação de plantio, os povos antigos – a fim de atraírem a abundância e a boa sorte – ofereciam algo aos deuses e soberanos de suas nações para terem as bênçãos atendidas”, explica Yubertson.

Hoje em dia, a prática de oferecer um presente no fim do ano (ou em qualquer outra data comemorativa) tem outro significado. Para o simbologista, o presente está ligado à exaltação de uma nova fase, para que ela seja próspera. Presentear os noivos no casamento, por exemplo, celebra a nova fase na relação amorosa que está começando. Quando um bebê nasce, a nova vida também é celebrada por meio do recebimento de presentes.

Trocar presentes é como dar um abraço

Seja na festa de fim de ano com a família ou no amigo oculto do trabalho, o ato de presentear vai além do presente em si. Na opinião da psicoterapeuta Celia Lima, quem compra um presente oferece não apenas o objeto, mas também seu tempo, dedicação, atenção e amor. Quando não se trata de uma obrigação, só existe o prazer: o prazer de dizer, com esse gesto, o quanto aquela pessoa é importante para você. Trata-se de uma demonstração de amizade e afeto.

No entanto, é comum que ao serem presenteadas, algumas pessoas fiquem desconcertadas e acabem dizendo que não era necessário receber determinado presente. Para a psicoterapeuta, essa atitude deve ser evitada, já que pode provocar um grande desconforto em quem ofertou o objeto, fazendo parecer que o outro não reconheceu o empenho na escolha do que foi dado.

“Eu sugiro que ao receber um presente a pessoa o faça com alegria, agradeça e retribua com um abraço, sem se sentir, inclusive, na obrigação de comprar algo também. O que não vale na hora de ir à caça dos presentes é comprar qualquer coisa, seja por falta de paciência ou de tempo. Isso pode obrigar o outro a agradecer sem que, na verdade, ele esteja realmente sendo grato”, aconselha Celia.

Dê amor no lugar dos presentes

A tradição de trocar presentes costuma ganhar força no natal, podendo parecer até mesmo uma obrigação para alguns. Segundo Celia, quem opta por ir na contramão dessa tendência e não comprar presentes no natal, costuma fazê-lo por não querer se render aos apelos e imposições da mídia. Outro motivo pode ser a preferência de presentear apenas quando há vontade. Para quem é adepto deste pensamento, a psicoterapeuta afirma que não é preciso abrir mão de sua autenticidade. “Demonstrações de carinho através de palavras doces e declarações de sentimentos estão liberadas no lugar dos presentes, como um longo abraço de felicitações ou um olhar que traduz seu amor. Então, se a vontade de presentear não surgiu, não se assuste. Use outras formas para mostrar às pessoas amadas que elas são queridas”, sugere Celia.

Não acumule dívidas

Seja comprando o presente na loja ou fazendo o seu em casa, o fim do ano é uma época em que as pessoas geralmente se permitem gastar mais do que o normal. Para não acumular dívidas em 2014, veja abaixo algumas dicas da coach e instrutora de treinamento Carla Panisset e presenteie as pessoas amadas sem comprometer a conta bancária:

  1. Faça uma lista das pessoas que deseja presentear.
  2. Estipule um valor médio por presente (avaliando separadamente as pessoas com quem gostaria de gastar um pouco mais) e some o total.
  3. Divida o valor total em três parcelas iguais pelos próximos três meses. Veja se elas cabem em seu orçamento mensal sem gerar dívidas e, caso seja mais do que o saudável, pense em alternativas criativas ou repense o valor por pessoa.
  4. Escolha uma loja que goste e em que possa comprar boa parte dos presentes de uma única vez. Assim você pode tentar um desconto à vista ou parcelar a compra no cartão.
  5. Quanto menos parcelas você tiver do ano anterior, melhor começará seu novo ano. Dessa forma você não comprometerá o orçamento de 2014, arcando com muitas parcelas dos presentes do ano passado.

Dicas de lugares para procurar presentes

Carla Panisset também aconselha que, na hora de procurar pelos presentes, a pessoa visite lojas conceituais, feiras de rua ou culturais, museus, lojas de utilidade para a casa e de presentes em geral. Outra dica é olhar as lojas de grife, já que a maioria tem opções de bijuterias, lingerie, agendas e cadernos “escondidos” no balcão, e com preços melhores. E lembre-se que lojas de brinquedos infantis vendem jogos que podem agradar tanto os pequenos quanto adultos e famílias também.

Confeccionar presentes é gesto extra de carinho

Mesmo que as opções nas lojas sejam muitas, algumas pessoas preferem fazer seus próprios presentes. Além de serem personalizados, também demonstram a vontade de quem está presenteando de agradar o outro, já que aquele objeto foi pensado exclusivamente para ele.

Para a professora de artesanato Joana Garcia, o presente feito à mão traz consigo toda a carga de carinho e tempo que a pessoa disponibilizou para fazê-lo. Se o objeto utilizou material reciclado ou reaproveitado em sua confecção, melhor ainda. “Os presentes reciclados são particularmente especiais, pois ajudam na preservação do meio ambiente, têm procedência segura e são ecologicamente corretos”, explica Joana.

Na opinião de Celia, quem recebe um presente desta natureza tende a compreender com mais facilidade o quanto ela é marcante na vida de quem a brindou com tanto carinho. E não é preciso muito para agradar. “Às vezes, uma embalagem criativa e personalizada, confeccionada com materiais diferentes e originais, já é o suficiente para dar o recado”, aconselha a psicoterapeuta.

Se você ficou com vontade de fazer o presente para as pessoas queridas, confira abaixo algumas sugestões da professora de artesanato Joana Garcia.

Pulseira feita de caixa de leite

  1. 1° Passo: lave e seque uma caixinha de leite. Depois, corte-a em tiras na grossura que desejar.
  2. 2° Passo: faça a medição do tamanho da pulseira. Você pode fazer isso sozinho, medindo em seu próprio pulso. Lembre-se de deixar o comprimento um pouco maior do que o tamanho real do seu pulso.
  3. 3° Passo: enrole-as com duas camadas de fita adesiva, para deixar as tiras mais resistentes. Use as pontas da fita adesiva para unir os dois lados da tira.
  4. 4° Passo: corte feltro branco e o tecido que desejar em tiras. Pegue a base das tiras da pulseira já enrolada com a fita adesiva e enrole com o feltro branco.
  5. 5° Passo: Após enrolá-la por completo com o feltro, passe cola branca na última ponta e, em seguida, enrole o tecido escolhido da mesma forma.

Boliche feito com garrafas pet

  1. 1° Passo: pegue 10 garrafas e pinte-as com tinta acrílica colorida.
  2. 2° Passo: encha-as com areia, para que fiquem mais pesadas.
  3. 3° Passo: para fazer a bola do boliche, enrole um pedaço de pano ou tecido até que ele fique consistente e cubra-o com fita adesiva, para que fique mais resistente.
Equipe Personare

Equipe Personare

Nós, da equipe Personare, também estamos em um processo constante de conhecimento sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre as relações humanas.