Carregando pagina

Família > Relações Familiares

Um blog de pai para filho

Blogueiro dá dicas para quem quer registrar o dia-a-dia dos pequenos

Por: Gustavo Guimarães

 
Gustavo e Matheus

Escrever um blog sobre a minha vida com o meu filho foi uma das decisões mais acertadas que já tive. Nestes quase 9 anos de existência, fizemos um registro valiosíssimo da nossa vida, onde é possível hoje reviver tanto momentos marcantes, como a separação dos pais, quanto banais, como tantos outros que eu inevitavelmente já teria me esquecido. E que adoro reler de tempos em tempos.

Fazer um blog é fácil, é possível definir e customizar um em 20 minutos. Definir a linha editorial é o passo seguinte, mas que também não é dificil, uma vez que todos já temos a abordagem em mente antes mesmo de começar. Então nesse ponto você já sabe o que escrever e já tem onde escrever. O problema é que falar sobre uma criança significa se ater a um tema mutável. E o blog precisa mudar a abordagem junto pra poder acompanhar.

Explicando melhor: comecei a escrever sobre o meu filho quando ele mal conseguia falar. Aos poucos os posts foram revelando mudanças não só físicas, como comportamentais. Perderam o jeitão "fotos fofinhas" para uma coisa mais de atitude, de compreensão, de crescimento. Aparece a vergonha, e agora ele já não quer mais sair em fotos (ok, dessa fase eu escapei, o meu ADORA fotos, felizmente), o que faz com que os posts fiquem mais textuais. E finalmente chega a época onde ele já está grandinho o suficiente para mexer no computador, e isso significa que os amiguinhos dele também o fazem. Ou seja, você não pode mais falar dos comentários sobre a bela amiguinha da escola, por exemplo, porque isso pode colocá-lo em uma situação constrangedora caso seus colegas de classe acessem o blog.

Atenção ao que escreve

E mais, ele continua crescendo, e agora quer participar da pauta também. Uma vez apresentei a ele a trilogia "De Volta Para o Futuro", e ele gostou tanto que quis gravar um vídeo contando para todos sobre esse "desconhecido" filme. Acabou ficando um video mais longo, em um post com um ritmo um pouco mais diferente do resto do conteúdo. Mas não dá pra negar, tem que colocar, é ele querendo participar mais ativamente do projeto, o que é muito bom que aconteça.

Hoje ele já está tão grande, que boa parte do material em potencial é imediatamente censurado por ele. Por exemplo, quando ele faz um raciocínio inesperado, e causa risadas com isso, na hora me diz: "pai, não pode colocar isso no blog". E atenção, não pode mesmo, ainda que você julgue que não tem problema colocar. Lembre-se que você está falando da vida dele, e ele tem direito de selecionar o que será exposto ou não.

Ou seja, falar sobre seu filho exige um nível de responsabilidade semelhante ao de criá-lo. Você tem que estar muito atento ao que escreve, e lembrar que aquilo ficará lá para sempre. Jamais critique a mãe dele, mesmo que vocês sejam um casal separado. Pelo contrário, cite a mãe sempre que for possível. A mãe do meu Matheus eventualmente me liga pra me contar alguma coisa legal que ela viveu com ele, e que quase sempre acabam virando posts. Ele, quando for mais velho, vai ler tudo aquilo com orgulho, e lembrar com saudade desses momentos felizes.

De olho na segurança

Outra dica, essa mais óbvia, é em relação à segurança. Todos sabem que nunca se deve dar endereço ou telefone, mas na verdade há muito mais o que se atentar do que isso. Nunca diga onde vocês estarão, e sim onde vocês estiveram. Nunca fotografe o seu filho com o uniforme da escola, a menos que você saiba usar o photoshop e apagar o nome do colegio na roupa. Não tire fotos dele na janela da sua casa, porque a fachada do predio da frente podem localizar vocês geograficamente. Os leitores do nosso blog sabem que moramos no Rio de Janeiro, e os mais atentos, que é na zona sul. E só.

De resto, mãos à obra. Se você ainda não teve o seu filho, pode falar sobre os planos para quando eles vierem. Se está grávida, conte como está sendo as mudanças no corpo. Coloque fotos do crescimento da barriga em um mesmo lugar. E na hora que ele nascer, registre de tempos em tempos o crescimento dele, mais ou menos assim: http://www.gustavoguimaraes.com.br/crescendo

Você vai se agradecer por isso, no futuro. ;)

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR
Gustavo Guimarães

Gustavo Guimarães

Pai de Matheus, compartilha em seu blog (http://www.gustavoguimaraes.com.br) a alegria diária que envolve a experiência da paternidade.

  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS