Carregando pagina

Amor > Ciúmes e Traição

O passado sabota sua vida a dois?

Não deixe que fatos antigos influenciem seu relacionamento atual

 

Uma jovem estava em um momento romântico com seu novo namorado, quando o celular dele toca. Ele atende, diz que a ligação está ruim e sai do quarto, como que procurando um lugar para ouvir melhor. Volta uns 10 minutos depois. Ela não consegue nem olhar nos olhos dele. Sente-se profundamente desrespeitada, com muita raiva e uma sensação de traição. Tenta disfarçar, inventa uma desculpa e vai embora, sentindo enjôo e mal-estar. Ela queria gritar, xingar, acusar. Mas sabia que havia algo errado. Houve uma falta de consideração do namorado em retirar-se do quarto para falar no celular. Mas não o suficiente para causar tamanho mal-estar e raiva. Ela nem ao menos tinha certeza se realmente ele havia se afastado para que ela não escutasse a conversa. Na mesma hora em que começou a sentir o mal-estar, ela percebeu que todo aquele cenário do quarto, o celular tocando, e o namorado se afastando para falar em outro local, a levava para os sentimentos relativos às muito dolorosas traições de um antigo namorado. Aquela raiva e dor não eram relativas àquela situação específica, e sim à outra do passado.

Ela agradeceu a si mesma por não ter tido uma reação explosiva, e ter tido tempo para analisar e pensar melhor sobre a situação. Depois, mais calma, conversou com o namorado explicando-lhe tudo que tinha acontecido, prometendo-lhe que iria trabalhar para limpar esses registros e sentimentos do relacionamento antigo, e pedindo, por favor, que ele também tivesse mais sensibilidade ao atender o celular.

Quantas vezes você não reagiu a uma situação sem se dar conta que, na realidade, o que sentiu era relativo a uma situação do passado? Você costuma agir ou reagir diante dos acontecimentos de sua vida? "Você costuma agir ou reagir diante dos acontecimentos de sua vida? "

Em relacionamentos nos quais existe uma rotina e a maior repetição de certas situações, estamos mais sujeitos a criar reações automáticas, condicionadas a certos sentimentos. E mesmo quando a situação não é a mesma, nossas reações são. Reagimos como robôs programados pelos eventos passados. O sentimento fica tão arraigado que é difícil enxergar a realidade, pois ela é percebida com o sentimento passado registrado dentro de você, que funciona como uma lente que distorce uma cena.

Como fugir das reações automáticas?

A jovem desse caso conseguiu, no momento em que sentiu o mal-estar, perceber que havia algo errado com os sentimentos dela e não reagiu a situação. Esperou e preferiu ter lucidez para então agir. Com o exercício desta auto-observação e consciência, logo esse processo passa a ser mais rápido. E mantendo esta atitude você substitui aquela programação automática do passado por outra mais consciente.

Técnicas terapêuticas para conscientização e limpeza destes sentimentos e registros podem facilitar o processo, tornando-o mais rápido e menos doloroso. Mas o simples exercício de estar atento aos sentimentos e não se deixar levar por eles já proporciona uma grande oportunidade para sair da programação automática inconsciente.

Ao deixar a situação de vítima para agir como agentes de nossos sentimentos, sentimos liberdade e leveza. Lidar com aquilo que é real, libertando-se do peso do passado, nos possibilita novos patamares de atitudes e relacionamentos.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Ceci Akamatsu

Terapeuta acquântica, faz atendimentos presenciais no Rio de Janeiro, em São Paulo e à distância. É a autora do livro Para que o Amor Aconteça, da Coleção Personare.  Saiba mais »

contato: ceciakamatsu@gmail.com
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS