Carregando pagina

Família > Gravidez

Nós testamos: Acupuntura para o aleitamento

Terapia pode beneficiar mulheres com dificuldade em amamentar

 

Meu segundo bebê, Martim, nasceu em agosto, quase um mês antes da data prevista. Apesar de ter dado à luz de uma forma natural e rápida, posso dizer que também sofri bastante no parto, devido a uma infecção urinária que me causou muita dor durante as contrações. Mas o pequeno nasceu bem, mamou logo após sua chegada e, mesmo sendo muito magrinho, não precisou ficar na incubadora. Tivemos alta logo depois, e enquanto eu me recuperava do parto ele mamava bem e gradualmente ganhava peso. Eu nunca tive muito leite, hoje eu sei disso, e percebo retroativamente que meu primeiro filho deve ter passado fome, pois ele chorava muito, até que aos quatro meses meu leite secou completamente.

Aos 25 dias, o Martim apresentou um desconforto intenso quando ficava deitado e logo depois começou a vomitar tudo o que mamava. O pediatra tomou medidas de tratamento antirrefluxo, sem nenhum efeito. O quadro foi piorando a cada dia, ele vomitava muito, até que suas fraldas começaram a ficar secas, sem coco e quase nada de xixi. Ele começava a apresentar sinais de desidratação.

O diagnóstico

Desesperados, eu e meu marido corremos ao pronto socorro infantil, onde decidiram interná-lo para descobrir o que ele tinha. Ficou na unidade semi-intensiva por uma semana, tomando soro, mas ainda mamando no peito. Como eu não podia dormir lá, todos os dias eu ordenhava meu leite na bomba. Tudo era muito estranho para mim, sem contar o medo, o desespero e o cansaço extremo. Naqueles dias eu tinha a sensação que ia enlouquecer, estava completamente fora de mim. Não conseguia desligar, dormir ou pensar em qualquer outra coisa.

Os dias passavam e não descobriam nada, o diagnóstico demorou a aparecer pelo fato do bebê ser prematuro. No último dia que tirei meu leite, saiu apenas 25 ml. Quase nada, fiquei ainda mais nervosa, pois achei que meu leite iria secar logo. E todos os médicos pediam que eu descansasse e me alimentasse bem para que isso não acontecesse, mas era impossível para mim. Após uma semana resolveram operá-lo, e só então descobriram que ele nasceu com uma doença congênita chamada "estenose hipertrofia do piloro". Um espessamento da musculatura da passagem do estômago para o intestino. Ou seja, os alimentos chegavam ao estômago e voltavam. A cirurgia foi bem rápida e ele se recuperou muito bem. Após dois dias de jejum Martim recomeçou a mamar no copinho. Eu fiquei uns três dias sem amamentá-lo.

Acupuntura ajuda no aleitamento materno

Quando voltamos para casa, estávamos muito felizes, mas eu estava estragada, com sequelas de tanto estresse. Não sentia meu leite descer, então além do peito, comecei a oferecer mamadeira após cada mamada. E Martim mamava tudo! No começo fiquei bem triste por constatar que ele realmente não se satisfazia só com o peito.

Comecei então a me tratar, passei a tomar muitos complementos, fitoterápicos e vitaminas, além de fazer alimentação específica, beber litros e litros de chás e sucos, fazer visualizações, etc. Eu só pensava em ter leite! Até que encontrei uma amiga e, falando sobre o assunto, ela me contou que também passou por um período de estresse enquanto amamentava e resolveu fazer acupuntura. Ela disse que a acupunturista a equilibrou e então seu leite começou a "jorrar".

Então lá fui eu na tal acupunturista. As agulhas são colocadas no corpo inteiro, da cabeça aos pés. Pelo que entendi, não há um ponto específico no corpo que estimule a produção de leite. Mas o que a acupuntura faz é equilibrar meus meridianos, o leite vem como consequência do processo. Ainda durante a sessão, comecei a sentir o peito encher, aquela dorzinha boa, que dá vontade de sair correndo para encontrar o seu bebê. Fiz três sessões apenas. Na primeira doeu um pouco. Na verdade, eu não costumo sentir dor na acupuntura, mas na ocasião eu estava muito sensível e emotiva, cheguei a chorar nas sessões. Mas agora estou bem melhor, me sinto mais relaxada, fazendo manutenção a cada 15 dias.

"A acupuntura auxilia no tratamento no quadro de tensão emocional. Trata o sistema nervoso central, ligado às glândulas endócrinas, que segregam os hormônios e os lançam diretamente na corrente sanguínea. Esse processo é responsável por produzir prolactina, favorecendo o crescimento da glândula mamária e, consequentemente, o aleitamento". Alessandro Ribeiro Peixoto, acupunturista.

Estou muito feliz por estar amamentando meu bebê, afinal ele está prestes a completar três meses e engordou mais do que o esperado desde então. Ainda complemento a alimentação dele com a mamadeira, pois ele estava muito faminto, "querendo tirar o atraso", como disse o pediatra. Mas acreditamos que em breve poderemos ficar só no peito.

Posso dizer que tudo ajudou. Ainda continuo com todos os suplementos, mas a acupuntura realmente fez toda diferença. Seus efeitos foram rápidos e muito consistentes. Entendi que para amamentar temos que estar equilibradas, pois é algo que, além da vontade, depende de muitos fatores: nutricionais, hormonais e, principalmente, emocionais.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Karin Fromm

Fisioterapeuta e psicoterapeuta, atualmente estuda medicina ayurvédica. Atende em consultório particular em São Paulo e mantém um blog sobre saúde e prazer. Saiba mais »

contato: karinffromm@hotmail.com
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS