Carregando pagina

Família > Filhos

Ho'oponopono para seus filhos: um método de cura

Prática limpa bloqueios inconscientes dos pais, que são refletidos nas crianças

 
Imagem: freestocks.org, via Pexels

Quando nos tornamos pais adentramos por um caminho totalmente novo e desafiante. Cada novo dia diante deste papel adquirido pode ser uma oportunidade para nosso próprio autoconhecimento. Sim, os filhos têm este poder. De serem espelhos de comportamentos, sentimentos e atitudes que estão fora de nossa consciência.

Filhos dão oportunidade de encararmos monstros adormecidos

É muito comum pais de primeira viagem cercarem-se de livros e opiniões de especialistas para tentarem educar as crianças da melhor maneira. Criamos expectativas para todos os filhos, mas é claro e natural que o primeiro vem um pouco mais carregado delas. Tudo que trazemos em nosso próprio papel de filho e a ideia que fazemos de nossos pais influenciarão nesta nova relação.

Como as crises familiares se perpetuam por gerações

Como as crises familiares se perpetuam por gerações
Se não forem trabalhadas, atitudes podem se repetir nas vidas individual e afetiva

E geralmente percebemos apenas dois caminhos: o que eu já sei sobre filhos baseado em minhas próprias vivencias familiares, ou tudo o que os outros sabem sobre a melhor maneira de criar filhos.

Então, à medida que a relação com nosso filho vai se desenvolvendo, percebemos que o primeiro caminho se sobrepõe a todos os outros. Ou seja, será inevitável eu agir conforme minha própria experiência, independente de todos os manuais. E ao contrário do que nosso imaginário acredita, essa relação é construída dia a dia.

O fato de sermos influenciados por nossos padrões familiares não necessariamente será algo ruim ou negativo. A verdade é que os filhos são uma ótima oportunidade para encararmos aquele monstro há muito tempo escondido e adormecido. Eles são aqueles que denunciarão, na maioria das vezes de maneira implícita e não verbal, que algo não vai bem no âmbito familiar. Em terapia de família é muito comum a criança aparecer como o problema e, no decorrer do processo, as questões do inconsciente familiar irem se revelando.

+ Quais feridas emocionais você traz da infância?

Até 7 anos, crianças refletem comportamentos inconscientes dos pais

Os filhos, principalmente até os 7 anos, percebem aquilo que transmitimos em nível inconsciente, implicitamente, mais do que explicitamente. Ou seja, o que você faz é mais importante do que o que você diz."Os filhos, principalmente até os 7 anos, percebem aquilo que transmitimos em nível inconsciente, implicitamente, mais do que explicitamente. Ou seja, o que você faz é mais importante do que o que você diz."

E geralmente até esta idade isso se manifestará nas crianças, na grande maioria das vezes, através de sintomas. Mas, mesmo após a primeira infância, os filhos continuam sinalizando algumas questões desafiantes que seus pais vivenciam.

Assim, como um exemplo, poderíamos pensar em alguém que traz a queixa de ter um filho mesquinho, teimoso ou birrento. Ampliando o olhar para os pais, poderíamos refletir sobre o quanto são presos às suas ideias, seus bens e pertences, suas verdades e dogmas. Claro que é só uma hipótese, mas a ideia é fazer refletir sobre o comportamento fazendo parte de um contexto familiar, e não como o problema de uma única pessoa ou da personalidade dela.

Em relação aos sintomas físicos, principalmente nas crianças pequenas, seria praticamente a mesma leitura, como se aquele sintoma fosse nos próprios pais. Se você tem o hábito de se perguntar, pesquisar e procurar entender o que um sintoma específico traz de recado do inconsciente para você, então, a ideia é fazer o mesmo para o sintoma do filho. Assim, por exemplo, se os pais vivenciam uma grande instabilidade emocional com brigas constantes, a criança pode vomitar, já que não consegue entender (ou digerir) bem o que está acontecendo ao seu redor.

+ Equilíbrio para lidar com desafios

Ho'oponopono para seus filhos: uma ferramenta de cura

Uma ótima ferramenta que pode lhe ajudar neste trabalho é o Ho'oponopono. Este método utilizado para limpar crenças limitantes, padrões de autossabotagem, bloqueios e todo tipo de memória negativa que carregamos ao longo de nossa vida, lhe ajudará a se autoconhecer e conhecer melhor seu filho.

HO'OPONOPONO: 4 FRASES PARA CURAR SEUS RELACIONAMENTOS

Quando usamos as 4 frases do Ho'oponopono - Eu te Amo. Sinto Muito. Me perdoe. Sou grato(a) - limpamos ou purificamos todo e qualquer sentimento, comportamento, crença e sintoma relacionado à situação que nos causa desconforto.

Por exemplo, um filho doente causa bastante desconforto. Então, se os pais começam a limpar suas próprias memórias, isso pode ser influenciado positivamente na criança. Como os próprios pais estão olhando para suas questões inconscientes, que surgem como estas memórias e limpam-nas, as crianças não precisarão mais manifestar os sintomas para que os progenitores percebam estas memórias.

Como praticar o Ho'oponopono com os filhos?

Lembrem-se: as memórias surgem para serem libertadas. E as crianças fazem isso por nós, pois as memórias atuam através delas. Assim, ao identificar isto, comece a limpá-las, falando as seguintes frases para si mesmo: "Eu sinto muito. Me perdoe. Te amo. Sou grata(o)".

As frases podem ser ditas em silêncio ou voz alta. Não precisa falar diretamente para as crianças, mas, se sentir-se à vontade, pode fazê-lo também.

E mesmo se não houver nenhum sintoma em seus filhos, aplique o Ho'oponopono constantemente. Não há um número de vezes indicado, nem prazo. A ideia do método é que como temos muitas memórias acumuladas, a limpeza deve ser constante ou sempre que algo nos causar desconforto. Não precisamos esperar que elas se manifestem externamente para limpá-las. Elas já estão atuando a todo momento em nossas vidas. Manter a limpeza constante nos ajuda a trazer as memórias para a consciência e, com isso, é possível evitar que se manifestem como sintomas.

+ 7 principais dúvidas sobre Ho'oponopono

Minha experiência com o Ho'oponopono

 
A autora Maria Cristina com as filhas Sophia e Luiza. Imagem: acervo pessoal

Sempre olhei para os sintomas de minhas duas filhas de forma simbólica, sabendo que elas expressavam algo do meu inconsciente. Quando incluí o Ho'oponopono na minha rotina diária, percebi que tinha nas mãos uma ótima ferramenta para lidar com a angústia da falta de controle de como meu inconsciente se manifestava nelas.

Como a ideia principal desta metodologia é assumir 100% da responsabilidade, a única coisa a ser feita, mesmo em relação aos sintomas das crianças é limpá-los! Nem sempre o sintoma some magicamente, mas em algumas ocasiões eles podem, sim, simplesmente desaparecer.

O que costumo fazer é compreender o que aquele sintoma pode estar sinalizando, como se fosse em mim mesma. As tosses, por exemplo, têm muita relação com algo externo que me incomoda e evito (ou não consigo) expressar verbalmente o desconforto que aquela situação ou pessoa me causou."O que costumo fazer é compreender o que aquele sintoma pode estar sinalizando, como se fosse em mim mesma. As tosses, por exemplo, têm muita relação com algo externo que me incomoda e evito (ou não consigo) expressar verbalmente o desconforto que aquela situação ou pessoa me causou."

Assim, tossir é uma forma de expelir algo que traz desconforto. Então, neste caso, se este for o sintoma de minhas filhas, me pergunto de onde vem esta dificuldade em mim. E começo a purificar a situação.

Tenho notado que geralmente elas estão envolvidas na situação que causou o desconforto, mesmo que indiretamente. Também faço Ho'oponopono para a tosse e quaisquer sintomas relacionados, falando para minhas filhas as quatro frases. Sempre quando posso falo em voz alta para elas, pois assim também vão aprendendo.

Mas é bom esclarecer que de maneira alguma eu faço o Ho'oponopono visando a cura delas. Afinal, o único objetivo deste método é limpar memórias e nos trazer a paz e unificação com o Todo. Contudo, liberando as memórias em mim, também libero nelas.

Prática não deve trazer culpa aos pais

A ideia de começar a prestar atenção nos sintomas e comportamentos dos filhos e como eles refletem suas próprias questões, não é para trazer mais culpa aos pais, que já é um sentimento tão comum. É simplesmente para ampliarmos o olhar sobre nós mesmos, termos a oportunidade de revisitar nossa história, emendar os fios partidos pelo caminho e fazermos uma reconstrução de quem somos verdadeiramente. Aliás, a culpa é uma baita memória, já limpou ela hoje? Culpa, sinto muito, me perdoe, te amo, sou grata!

+ SOBRE RELAÇÕES FAMILIARES

Síndrome de aniversário: quando datas

significativas se repetem na família

É difícil ter sucesso na vida enquanto rejeita ou

despreza seu pai
Qual é a sua herança familiar?

Quais feridas emocionais você traz da infância?

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Maria Cristina

É psicóloga e atende em consultório em BH e online, por Skype. Tem amor pela profissão e o desejo constante de auxiliar as pessoas a enfrentar suas crises e a buscar o autoconhecimento. Saiba mais »

contato: mariacristinapsi@yahoo.com.br
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS