Carregando pagina

Diversão > Vida Social

É mais difícil fazer amigos depois dos 30?

Reflita porque algumas pessoas ficam mais seletivas com a maturidade

 

Aos que já se aproximam dos 30 anos e, mais ainda, aos que já passaram dessa idade, é fácil adivinhar a já conhecida constatação que os "verdadeiros amigos", os "amigos do peito", foram aqueles feitos nos anos de colégio e faculdade. Mas por que será que isso acontece? Ou melhor, por que algumas pessoas têm essa impressão?

Bem, primeiro vamos entender e chegar ao consenso do que significa amizade. Um dos significados da palavra amigo vem de animi (alma) e custos (custódia), um belíssimo sentido: o guardião da alma, aquele que guarda ou custodia a alma do outro. É uma responsabilidade altíssima, considerando que a nossa alma é o que nos sustenta. Já a partir dessa "ponta do iceberg" podemos deduzir uma primeira dica do porquê de nos tornarmos tão seletivos quanto a esse guardião com o passar dos anos.

O significado de uma amizade verdadeira

Aprofundando mais, lembremos que a amizade verdadeira, para o filósofo Nietzsche, compreende dois aspectos: a liberdade do espírito e a partilha da alegria. Ser livre de espírito é aceitar que o outro e você mesmo sejam quem realmente são. "Ser o que se é" demanda coragem, não é qualquer um que aceita a verdade do outro, ou que consegue ignorar as exigências sociais para vivenciar a sua verdade.

A cada encontro com um amigo surge uma nova possibilidade de transformação, única e inesquecível."A cada encontro com um amigo surge uma nova possibilidade de transformação, única e inesquecível."

Na presença de um amigo podemos soltar o "cinto de segurança", nossa alma sorri, falamos o que nos vem à cabeça e ao coração, agimos com naturalidade, nos mostramos mais e assim expandimos a nós mesmos. Mas, na vida adulta, estamos realmente abertos? Não estaremos demasiadamente confortáveis no nosso posto de "pessoa amadurecida"?

"Partilhar alegria" é compartilhar, num espaço comum, a satisfação de estar com o outro e consigo mesmo. Por isso, para sentir a amizade verdadeira é muito importante conhecer a si mesmo e respeitar a individualidade do outro. Só assim chega-se a suportar as diferenças e ficar feliz com as inúmeras possibilidades dessa relação. Talvez aí vejamos a segunda dica do porquê é difícil fazer novas amizades na vida adulta.

Maturidade combina com novos amigos?

Detenho-me agora nessa segunda dica. Como já é notório para muita gente, próximos dos 30 anos e mais amadurecidos, somos mais exigentes quanto a se abrir para uma nova amizade. Geralmente achamos que essa relação precisaria cumprir critérios demais, pois não estamos mais dispostos a passar por cima de certas "diferenças" tão óbvias daquilo que desejamos encontrar no outro, a nos arriscar a viver mais mudanças e muito menos expor nosso íntimo para alguém novo. O que queremos é estabilidade.

Além do que se passa dentro de nós, existem, é claro, as condições externas. Durante as primeiras duas décadas das nossas vidas, os amigos vinham até nós de maneira mais constante, dentro de três circunstâncias que vêm sendo listadas pelos sociólogos desde a década de 50: proximidade; interações repetidas e não planejadas; e um cenário que encoraja as pessoas a baixar sua guarda e confiar uns nos outros, é o que diz Rebecca Adams, professora de sociologia e gerontologia da University of North Carolina.

Como veem, além dos critérios de personalidade para estabelecer uma amizade, existem outros mais práticos: a pessoa mora perto de você ou é acessível? Dá trabalho encontrá-la num fim de semana ou numa hora de dor de cotovelo? O amigo tem o mesmo status de relacionamento e de trabalho que o seu? Possui família, filhos? Certamente não nos preocupávamos muito com essas questões durante a formação dos primeiros vínculos de amizade - como na escola e na faculdade - pois estávamos abertos a conhecer e experimentar tudo (ou quase tudo) que a vida nos oferecia.

Querem agora uma dica sobre como lidar da melhor maneira com essas circunstâncias? A amizade requer estar disponível para o encontro, sem precisar de uma disponibilidade incondicional. Mas, sim, é preciso um encontro livre, um encontro de respeito e, mais importante, ter necessidade da companhia do outro. No bom encontro, os aspectos criativos do ser se estruturam, dando mais vida a você mesmo. Abra-se para esta experiência, mesmo depois dos 30, mas também por toda a sua vida.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Marianna Romão

Psicóloga clínica, Mestre em "Mulheres, Gênero e Cidadania". Trabalha com temas do feminino, depressão, estudo dos sonhos e mitos em seu consultório Saiba mais »

contato: mariprotazio@gmail.com
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS