Carregando pagina

Você > Autoconhecimento

Comemore o ano novo num reencontro com você

Objetos pessoais ajudam a entrar em contato com sua história

 

Saímos da dimensão normal do tempo ao encontrar um objeto que fez parte da sua história, como a roupa que usou na sua Festa do Livro, a sua antiga carteirinha da escola, um bilhete que você escreveu para aquela paixão platônica e nunca teve coragem de entregar, fotos da sua festinha de aniversário de 7 anos... Onde vai parar o tempo quando lembranças muito fortes da sua vida ressurgem e se põem à sua frente? Imediatamente lembramos de detalhes que sequer imaginávamos que fôssemos capazes de lembrar. Detalhes esses que são carregados de elementos dos nossos sentidos, como a cor da roupa que usávamos, o lugar em que estávamos, os cheiros daquele momento. É um reviver, como se tudo estivesse armazenado num computador e esses objetos fossem o botão para trazer tais fatos para o centro da sua área de trabalho.

No trabalho biográfico este reviver é o meio pelo qual podemos compreender melhor os fatos da vida e retirar as camadas de interpretações que às vezes até escondem o fato em si. Deixe-me explicar melhor: muitas vezes lembramos de situações que já vivemos carregadas de sentimentos e de interpretações e fantasias que distorcem o que realmente aconteceu. O contato com estes objetos, que nos fazem mergulhar na piscina da nossa memória, traz uma lembrança mais limpa, que possibilita remover esse limo que foi se depositando sobre a água dessa piscina e distorceu a visão da lembrança. Muitas pessoas se surpreendem mesmo com essas lembranças que se põem à sua frente e revelam muito de seu eu interior. Revelam até o motivo dessas lembranças terem ficado tanto tempo encobertas pelo limo!

Objetos ricos de lembranças

O cinema é pródigo em situações em que o personagem compreende sua própria história ao entrar em contato com esses objetos ricos de lembranças. Entre os filmes de grande bilheteria, toda a série de "Identidade Bourne" se baseia nisso. Bourne é o nome do agente da CIA que perdeu a memória (e a vocação) após levar uns tiros num "acidente de trabalho". Aos poucos ele vai lembrando, ao entrar em contato com pessoas e situações. Já no filme argentino "O Segredo dos Seus Olhos" o autor de um crime é descoberto pela forma como aparece olhando para a vítima nas fotos da juventude dela. Outro exemplo: o desenho animado "Enrolados" mostra uma adolescente que foi sequestrada criança e que vai conhecer sua verdadeira história ao rever desenhos que fizera na parede.

Durante o trabalho biográfico, pedimos sempre que a pessoa entre o máximo possível nos detalhes de uma lembrança, de forma objetiva, como a roupa que estava vestindo, onde estava, como era o lugar em que estava, quem estava presente. Depois pedimos que procure se lembrar do fato na ordem cronológica dos acontecimentos. Em seguida solicitamos que, também objetivamente, lembre-se do que sentiu naquele momento. Isto é importante e revelador, pois muitas vezes o sentimento que a pessoa carrega ligado àquele fato não é o sentimento que lhe ocorreu no momento, mas sim um sentimento nascido daquelas camadas de limo que ofuscam a memória verdadeira da sua história.

O tempo é irrelevante para a nossa memória. E a memória não está restrita ao nosso cérebro, ela permeia todo o nosso corpo, e os nossos sentidos, que uma vez captaram um fato, agem também muitas vezes como a porta de entrada para este mundo de lembranças do passado. Um toque na pele, um cheiro, a visão de uma determinada cena, ouvir aquela música que foi tão especial para você, tudo isto vai fazer você lembrar de si."Um toque na pele, um cheiro, a visão de uma determinada cena, ouvir aquela música que foi tão especial para você, tudo isto vai fazer você lembrar de si."

Aproveite o ano novo para esse reencontro com você

Certas épocas do ano, como o nno novo e a proximidade do próprio aniversário são especialmente propícias para este reencontro com a sua própria biografia. São momentos em que você pode refletir sobre o que, afinal, está fazendo aqui na Terra. Nesses momentos é de muita ajuda poder rever fotos antigas e objetos preciosos para você. Aproveite o clima de festas para entrar em contato com sua história, e some a isso a possibilidade de ouvir as histórias das pessoas mais velhas da sua família. Tente reconstruir um fato que tenha sido importante para você usando essa ajuda de fotos e objetos, e escreva tudo. Depois de algum tempo, reconstitua outro fato que você viveu, da mesma maneira, e sempre escreva. Aos poucos você vai montando um caderno com a sua biografia, seu bem mais precioso! Quando você ler este caderno, muitas ideias vão surgir para clarear o entendimento do sentido da sua vida. Se tiver oportunidade, participe de um workshop biográfico, onde você poderá fazer este trabalho com a orientação de um terapeuta biográfico. Seja como for, quando estiver diante de uma decisão difícil, a maior fonte de aprendizado que você sempre terá à sua disposição é a sua própria história, com seus sucessos e fracassos, acertos e erros, orgulhos e vergonhas.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Marcelo Guerra

Médico graduado pela UFRJ. Começou a carreira como Psicanalista e depois enveredou pela Homeopatia e Acupuntura. Ministra oficinas e palestras em todo o Brasil e atende em consultório no RJ. Saiba mais »

contato: marceloguerra@terapiabiografica.com.br
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS