Carolina Arêas
  • Por Carolina Arêas
  • Leia em 3 min.
  • 17/04/2010
  • Atualizado em 11/07/2018 às 16:47

Você sente ou é alvo de inveja?

Combata esta postura negativa reconhecendo seu próprio valor

Você sente ou é alvo de inveja?

Por inveja e ciúmes, Caim matou Abel. A passagem bíblica revela um sentimento que causa muito mal às pessoas. Ser vítima do desejo mal direcionado do outro pode trazer danos e muito incômodo. Mas carregar o peso da inveja no peito também é uma situação horrível mesmo que a pessoa não tenha consciência disto.

Cobiçar o que é do outro é um sentimento às avessas que encobre, na verdade, uma insatisfação pessoal muito grande. Em geral, são pessoas que acreditam que tudo de ruim acontece só a elas. Falta amor, falta dinheiro, faltam amigos, falta auotoestima. Por isto, quando olham a grama do vizinho ela sempre lhes parece mais verde. Muito verde. Um verde incômodo.

Aí bate aquela inveja da boa sorte dos outros. Em seguida, surgem sentimentos e desejos nada dignos. Querer tirar do outro. Ou desejar que o outro perca tudo. Ou simplesmente prestar-se a fazer um pastiche do que ele admira e cobiça na vida alheia na esperança de recriar para si mesmo a atmosfera que lhe parece ideal. Mas a cópia nada mais é que um arremedo triste e sem personalidade.

Escassez de originalidade

Ser alvo da inveja alheia incomoda. E muito. A jornalista Odemara Silva sofre na pele a inveja de uma antiga colega de infância que usas todas as piores armas para atacá-la: fofoca, intriga, vigilância. O motivo para tanta agressão? A felicidade de Odemara com o atual namorado, antigo colega de infância das duas. “Isto afeta a gente, eu fico muito triste com esses ataques”, conta ela que prefere evitar a falsa amiga como maneira de se proteger.

No entanto, a inveja também cobra seu preço do invejoso. A cobiça é um grande veneno que corrói por dentro. A pessoa se agarra a um ideal de felicidade que talvez nem lhe sirva ou satisfaça, mas persiste neste desejo invejoso. “Se eu não tenho, ele também não pode ter”. Mas quem acredita que é bom passar a vida toda desejando o que é do outro ao invés de fazer por si mesmo – e fazer de maneira original e única? Querendo o que é do outro, estamos impedindo o fluxo natural da vida. Viver é um processo dinâmico de aprendizado e ficar paralisado desejando o status quo de quem for não traz satisfação alguma.

Almejar a todo custo a vida alheia – seja material, emocional, profissional – não traz felicidade para ninguém. Mas o amor, sim, tem o poder de transformar o que não gostamos em nós, abrindo nosso coração para a verdadeira felicidade. Alguns florais combatem esta postura negativa tornando o coração mais receptivo ao que realmente traz contentamento e satisfação a cada um de nós: entender que o amor é um recurso infinito e que está disponível a todos.

Holly (Bach)

Reveste de amor o coração daqueles que se sentem apartado dos outros e do fluxo natural e abundante da vida. Para combater a inveja? Amor! Por si mesmo, pelos outros, pela vida.

Pretty Face

O outro é sempre mais bonito e você se sente em desvantagem e diminuído? Esta florzinha ajuda a fazermos as pazes com nossa aparência através da autoaceitação. Cada um é único e, por isto mesmo, belo a seu modo.

Buttercup (Califórnia)

Se a pessoa tem dificuldade em perceber seu próprio e único valor como ser humano e sente inveja do que os outros são porque eles sempre parecem melhores e mais interessantes, esta essência traz o reconhecimento da própria luz interior.

Yarrow (Califórnia)

Para quem se sente vulnerável e vítima da inveja alheia, o Yarrow é como um escudo para a alma, protegendo a pessoa das influências negativas e indesejáveis.

 

Nota importante sobre a escolha dos florais:

A automedicação de florais parece bem fácil. A pessoa procura por palavras-chave e escolhe as essências. Você não precisa se identificar com 100% das características de uma essência para tomá-la. Eles não apresentam contra-indicação, mas para fazer a escolha correta é preciso conhecer os sistemas florais e, ao mesmo tempo, ter capacidade de perceber claramente as questões pessoais ou das pessoas próximas, o que nem sempre é simples. Por isso, um profissional capacitado é sempre a melhor opção.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Carolina Arêas

Carolina Arêas

Iniciou sua formação como terapeuta floral através do Healing Herbs, da Inglaterra, estudando as essências de Bach. Também trabalha com Reiki nível II e massoterapia ayurvédica, e é co-criadora do projeto "Word Rocks". Saiba mais