Vanessa Mazza
Por Vanessa MazzaLeia em 2 min.21/10/2014 

Você costuma ser vítima da ingratidão alheia?

Falta de reconhecimento dos outros não deve impedir suas boas ações

Quantas vezes não negamos um favor a alguém, porque antes a pessoa nos deixou na mão? Ou falamos mal de outro, após termos sabido que espalhou boatos a nosso respeito? Não é curioso que façamos exatamente a mesma coisa que acabamos de criticar? Essencialmente não faz sentido condenar à morte quem mata, ou roubar quem antes nos roubou. Se o objetivo é sermos melhores, a única forma disso realmente acontecer é agirmos diferente daquilo que condenamos. Neste sentido, é muito importante termos princípios a seguir, como ética, respeito ou alguma moralidade. Enfim, um código de conduta que nos mantenha no caminho certo, independentemente do que nos aconteça.

Em termos práticos, se alguém é ingrato a você, isso não pode impedi-lo de continuar expressando gratidão, assim como compaixão, compreensão e honestidade a esta ou outras pessoas. Afinal, quem se esconde por trás da desculpa “antes eu do que eles” ou “cansei de ser trouxa”, só está dando força e justificativa às más ações alheias. Até porque, se o outro age errado é porque pensa justamente assim: que não adianta ser digno ou respeitoso, pois não se ganha nada com isso.

Porém, se a maioria começa a pensar dessa forma, esta passará a ser a nossa realidade global: um monte de pessoas egoístas que agem errado porque os outros não agiram corretamente com elas antes, e que continuam neste caminho ruim já que, ao incentivarem o resto a continuar sendo egoísta, nunca serão motivadas a voltarem a serem boas. Em outras palavras, vira um círculo vicioso, no qual a ação negativa alimenta uma reação de igual teor, que depois vai ser a razão para que o processo nunca termine.

Assim, veja alguns exemplos de ação e reação:

  1. Alguém mentiu para você: não minta para essa pessoa. Seja honesto. No começo o outro pode até achar que você é estúpido, porém, não subestime o poder da verdade. Ela sempre domina no final.
  2. Alguém tenta macular sua reputação: não tente corromper a dele, nem se irrite. Quando você age corretamente, seu exemplo é tão forte que, por mais que outros espalhem boatos, a tendência é que passem por mentirosos e infundados e que você não seja prejudicado.
  3. Alguém lhe traiu: não traia também para se vingar. Traição é sempre ruim, mesmo que você pense que o outro merece. Se você trai, se torna uma pessoa traidora. Algo que antes havia lhe provocado enorme dor.
  4. Alguém não lhe ajudou: não deixe de ser generoso com as pessoas. Generosidade atrai generosidade. Se aquela pessoa se fechou para você, outras se abrirão, mas se você passar a ser egoísta, aí que ninguém mesmo irá lhe ajudar.

Portanto, é com consciência (e resistência) que podemos parar esta dinâmica. Então, se alguém for mau para você, lembre-se como é gratificante quando o inverso acontece e seja você a pessoa boa. Pela lei do “semelhante atrai semelhante”, pessoas melhores irão se aproximar de você e, ao invés de alimentar uma realidade pessimista e egoísta, você poderá, como o tempo, até influenciar positivamente quem atualmente está ingrato e negativo em relação a você.

Vanessa Mazza

Vanessa Mazza

Graduada em Comunicação Multimídia pela UMESP, é taróloga há mais de 15 anos. Estuda as abordagens desta prática, com o fim de decifrar a complexidade humana, abrangendo em suas consultas temas como feng shui, i ching, astrologia e numerologia.