Roberta Struzani
Por Roberta StruzaniLeia em 5 min.13/08/2018 

Sahajoli e a origem do pompoarismo

Prática milenar feminina tem exercício para atingir metas. Conheça

O Sahajoli, Sahajôli ou Sahasjoli é uma antiga arte relacionada à musculatura vaginal, que era guardada em segredo e transmitida oralmente. Muito se perdeu ao longo dos anos, pois a técnica não era registrada em livros, nem manuscritos.  Após longos anos, passou a ser escrita, mas grande parte de sua sabedoria já havia se perdido. Mas afinal, do que se trata exatamente?

A técnica é chamada atualmente de Pompoarismo, nome surgido no Ocidente e que vem do Tamil, língua falada na região Sri Lanka. Pompoar significa sugar com a vagina.

Mulheres recorrem ao Pompoarismo hoje para conhecer melhor seu corpo e obter mais prazer no sexo, já que o foco da técnica são as habilidades da musculatura vaginal. Com a prática, a mulher melhora a lubrificação, aumenta a libido, regula o ciclo menstrual ou os sinais da menopausa. Na prática sexual, ela consegue prender o pênis dentro da vagina, expulsá-lo, impedir sua entrada, contrair diversas vezes e de forma rítmica, aumentando o prazer de ambos, entre outras brincadeiras típicas de uma pompoarista. Mulheres com dificuldade em alcançar o orgasmo passam a ter facilidade com a técnica.

Origem do Pompoarismo

Antes de receber a nomenclatura de Pompoarismo, no Oriente a prática foi chamada de Sahajoli e ainda é oralmente citado em seitas secretas sobre a existência da técnica ainda mais antiga, assim como na época matrifocal, em que contrações vaginais eram realizadas em rituais de fertilidade com intuitos mágicos.

As informações de sua origem não possuem dados históricos, mas sabe-se que começou por contrações vaginais realizadas conforme os ritmos ritualísticos. Para isso, eram feitos treinamentos prévios. As mulheres eram bem resolvidas com sua autoestima e amores, e os partos eram mais fáceis. Ao longo dos anos, o Sahajôli foi percorrendo o mundo e recebendo mais atribuições, assim como novas nomenclaturas.

As mulheres que praticavam a técnica vaginal eram normalmente sacerdotisas ou de alta classe social, valorizavam seu feminino e tinham maior consciência sobre os sinais que seu corpo apresentava. Portanto, Sahajoli vai além de uma técnica vaginal. É mudança global que envolve mente, emoções e corpo.

Muitos autores atribuem a origem do Pompoarismo ao Kama Sutra um texto indiano escrito por Vatsyayana, que contém ensinamentos sobre o comportamento sexual humano – ou ao Tantra. Inspirado nas tradições conhecidas como Kama Shatra, o texto cita a prática da musculatura vaginal, assim como posturas para a saúde amorosa e sexual. No entanto, esta técnica também é citada entre povos e rituais religiosos na China, mas a verdade é que em muitas outras partes do mundo foi observada a prática, como Coreia, Japão, Tailândia, África e Irlanda.  

A técnica foi aprimorada pelas gueixas japonesas e profissionais sexuais tailandesas, que usavam colares de pérola. A partir de então, criou-se instrumentos que tornaram a técnica mais lúdica e fácil.

Soldados americanos voltavam de guerras e contavam sobre suas práticas sexuais com as gueixas japonesas e tailandesas. Citavam também shows eróticos, em que a vagina era usada para assoprar vela, lançar dardos e atirar bolinha de ping-pong na plateia. Isso contribuiu para que a técnica ficasse conhecida. No entanto, a magia da sacralidade e poder energético se perdeu, fazendo com que o Pompoarismo fosse visto como algo mais sexual do que saudável e energético.

Já no Tantra Yoga, a prática recebe o nome de Sahajôli Mudra e trabalha a energia dos chakras mais baixos, o despertar da Kundaliní e o domínio da energia sexual – o que pode potencializar o desejo sexual e o prazer, equilibrando os níveis hormonais, a criatividade e a sensualidade. A ciência moderna vem destacando como uma descoberta a potencialidade da musculatura vaginal, área que há milênios é cultuada em sacralidade.

Benefícios da ginástica íntima para saúde

Ao observar os shows das tailandesas pompoaristas, o médico Dr. Kegel desenvolveu exercícios vaginais para tratar incontinência urinária. A partir daí, a ciência começou a ganhar maior conhecimento sobre o Pompoarismo, sobre o Sahajoli. Exercícios de Kegel e fisioterapia ginecológica estão mais ligados do que pode parecer. Embora cada um tenha suas especificações, todos são de extrema importância e se complementam.

Quem pode praticar o Sahajoli?

O Sahajoli pode ser praticado por todas as mulheres. Em alguns casos, contudo, é preciso fazer algumas adaptações. No Sul da Índia, era praticado até por meninas jovens, pois acreditava-se que quanto mais cedo, melhores eram os benefícios. Claro que, sendo mais jovem, deve-se tomar alguns cuidados, levando em conta a saúde. Por exemplo, meninas ainda virgens não devem fazer uso de instrumentos. Da mesma forma, a prática exige atenção com gestantes, considerando o tempo de gestação.

Atualmente, muitas fisioterapeutas uroginecológicas vêm adotando a técnica como medida de saúde íntima e sexual.

Exercício de Sahajoli indicado para todas

Como foi citado, o Sahajoli contempla, além da saúde íntima, a energia que se equilibra dos chakras baixos. Movimentar a vagina também alivia as tensões locais e traz conexão direta com o cérebro, ativando os locais de confiança, coragem, iniciativa e amor próprio.

Caso esteja menstruada, fique atenta porque a prática pode aumentar o fluxo menstrual. E, no estágio final da gestação, pode acelerar o trabalho de parto.

Exercício de fertilidade para os desejos: como praticar?

É importante esvaziar a bexiga antes de começar a prática. Elimine toda a urina e, depois que sentir que está bem, já pode começar!

  1. Primeiro concentre-se no seu corpo, no seu quadril e na sua vagina. Procure atingir um nível de concentração típico de uma meditação. Caso ainda não tenha tal habilidade, simplesmente coloque uma música relaxante, respire calmamente e, aos poucos, brinque de contrair a vagina (como se estivesse segurando a urina), e em seguida relaxando (a ponto de fazer força de expulsão, como se estivesse eliminando a urina).
  2. Nessa prática de contração da vagina e expulsão, você irá buscar um mesmo ritmo. Pode acompanhar uma música que escuta ou ainda simular as batidas do seu coração. Dessa forma fica mais fácil de se concentrar.
  3. Cada vez que contrair a vagina, você irá imaginar que suga através dela todas as coisas boas que quer atrair para sua vida: sonhos, metas, sentimentos e evoluções que quer adquirir como pessoa. Por exemplo: “eu quero ser mais disciplinada, quero ter mais energia pra brincar com a minha filha e ter mais compreensão com o meu namorado”.
  4. Continue inspirando e sugando com a vagina tudo o que quer atrair. Imagine que sobe por ela, passa pelo centro do seu corpo e sai pelo topo da sua cabeça, atingindo os céus, a Deus e suas crenças divinas, ganhando força pra acontecer. Nesse momento em que está subindo dentro de você, segure a vagina, apertando o quanto for possível, junto com a respiração. Quando subir pelo coronário, expire o ar, solte a vagina, relaxe e comece novamente no mesmo ritmo.
  5. Esse exercício, além de proporcionar saúde íntima, também pode ser realizado para fertilizar seus sonhos e metas. Portanto, quanto maior a frequência, mais rápido atingirá suas metas. Você pode praticar toda noite antes de dormir e, assim, manterá sua ginástica íntima em dia. Além de meditar sobres seus sonhos e atrair sua realização.
Roberta Struzani

Roberta Struzani

Terapeuta especializada em sexualidade e saúde ginecológica. Realiza atendimentos presenciais e online focados no autoconhecimento, na elevação da autoestima e na saúde do aparelho reprodutor feminino. Sua principal ferramenta de trabalho é o Pompoarismo.