Equipe Personare
Por Equipe PersonareLeia em 5 min.07/12/2016 

Como despertar suas forças com Yoga?

Professor Fabiano Benassi explica por que prática é um estilo de vida e ensina exercícios fáceis

O Yoga é uma prática milenar que tem o poder de despertar os potenciais das pessoas, ensinando-as como agir e direcionar sua atenção para aquilo que é realmente importante. Fabiano Benassi, autor do blog Universo Yoga e professor da técnica, abriu mão de uma carreira em tecnologia para se dedicar totalmente a este estilo de vida.

Na entrevista abaixo, ele conta os principais benefícios que o Yoga lhe ofereceu, dá dicas de exercícios para iniciantes e inspira pessoas a experimentarem esta prática, por meio de valiosos ensinamentos. Confira!

Personare: Por que o Yoga vai além de uma prática física e é considerado um estilo de vida?

Fabiano Benassi: O Yoga é uma prática que desperta o potencial do indivíduo, expresso através do Sva Dharma, a nossa vocação. É ela que está relacionada com nossas escolhas, trabalho e relacionamentos, ou seja, nosso estilo de vida. O Yoga é o meio ou o método para alcançar o seu verdadeiro potencial em ter uma vida plena através da autossuperação (Tapas), auto-observação (Svadhiaya) e, principalmente, da crença em si mesmo (Isvarapranidhana). Não existe evolução no Yoga. Pode parecer contraditório, mas o que existe é a prática para a realização da perfeição (Siddha) que já existe em cada um. E a forma de fazer isso pode variar com as diferentes formas de Yoga que temos hoje. Mas,na essência, todas têm esse mesmo objetivo.

Você encontrou alguma dificuldade ou resistência ao começar a praticar Yoga?

FB: Sim, sempre! A prática de Yoga é um trabalho de autossuperação e sempre terá um degrau a mais para você subir. No meu caso, nunca tive facilidade em fazer as posturas, era muito travado e a prática me ajudou a soltar o meu corpo. Procurava evitar algumas coisas, como posições que eram desconfortáveis, pois simplesmente não estava a fim de executá-las. Com o decorrer das práticas, fui descobrindo que isso estava relacionado a um comportamento meu, de não querer mudar. O corpo físico é um reflexo do corpo sutil.

Não importa se você leva um mês ou dez anos para conquistar alguma coisa, o mais importante é estar presente no agora e fazer o seu melhor – independente se conseguirá atingir o resultado que deseja. Existe um começo, mas não existe um fim. A maior dificuldade foi entender isso, pois mergulhar no Yoga é para a vida toda.

Como iniciantes podem começar a inserir o Yoga no dia a dia?

FB: Acho que a dica mais importante para quem está iniciando e quer colocar o Yoga no dia a dia é prestar atenção no que está vivendo naquele momento, ignorando passado, futuro, barulhos, telefone, etc. Coloque toda a sua energia no aqui e agora.

Nós temos a ilusão de que precisamos nos preocupar se as coisas darão certo ou errado, se elas funcionarão, se vamos ganhar ou perder. Tudo isso está no futuro. Também há aquelas pessoas que têm uma âncora no passado, como , por exemplo, alguém que não consegue viver um relacionamento estável, pois sempre tem medo de uma nova traição. Então, viver o aqui e agora é uma forma de inserir o Yoga em cada segundo do dia.

Ensine alguma técnica simples de Yoga para iniciantes.

FB: Existe um exercício simples de respiração que ensino em minhas aulas. Basta fazer o seguinte: inspire em um determinado tempo e depois solte o ar no dobro do tempo da inspiração. Por exemplo, se inspirou em quatro segundos, você soltará o ar em oito segundos.

Outra possibilidade para quem está começando é aplicar as condutas de Yamas (na sua relação com o próximo) e Niyama (sua atitude com você mesmo) no dia a dia. Por exemplo, o Ahimsa, que significa a não-agressão, faz parte de um Yama. Já o Tapas, que é um Niyama, fala do esforço sobre si mesmo ou da autossuperação. Esses são exemplos mais pontuais, mas a ideia é incorporar práticas simples no dia a dia, como respirar, meditar, movimentar o corpo de forma consciente, escutar mais os outros e a si mesmo antes de ter uma reação, etc.

Essas práticas simples e transformadoras podem ser iniciadas por qualquer pessoa, mesmo que nunca tenha tido contato com a prática de Yoga. Podem ser colocadas em uso em diversos momentos do dia, servindo inclusive para aqueles que têm uma vida muito atarefada.

Quais benefícios mentais o Yoga oferece?

FB: Antes de qualquer coisa, gostaria de esclarecer que, no Yoga, a mente significa tudo aquilo que está em nós e não é físico, ou seja, o que fica entre o corpo e a essência, como nossas emoções, pensamentos, comportamento, ego, sentimentos, inteligência.

Existem muitos benefícios mentais. Os principais são: maior consciência corporal, mais resistência a dor, aumento do foco e raciocínio, fortalecimento da autoestima, entre outros.

Mas o que eu gostaria de destacar é que todos esses benefícios acontecem quando deixarmos de ser reativos e nos tornamos mais ativos. Quando reagimos, estamos seguindo processos automáticos da nossa mente chamados de Samskara, que são nossos hábitos. Por eles se manifestarem na forma de impulsos, não conseguimos controlá-los. Por outro lado, o Yoga nos ensina a agir, direcionando nossa atenção para aquilo que é importante de fato.

Segundo a neurociência, a força mais poderosa do nosso cérebro é poder controlar a nossa atenção e focar no que realmente importa. Já de acordo com o Samkya, que explica o universo a partir do indivíduo, é a força mais poderosa presente na natureza.

E controlar a atenção é não deixar que nada no universo nos influencie e tire nosso equilíbrio sem a nossa permissão. Significa, principalmente, não dar importância ou desperdiçar nosso tempo com coisas irrelevantes.

Existe algum passo a passo que todos devem seguir, uma forma de praticar Yoga corretamente?

FB: Existe uma orientação que serve para qualquer prática de Yoga.

Primeiro: faça o que pode para chegar onde quer. Ou seja, se esforce para se superar, mas sem se machucar. É o que chamamos de Sukham e Sthiram, ou seja, tem que ser firme e confortável.

Segundo: fique presente de corpo, mente e coração no aqui e agora durante o seu momento de prática e fora dela, no resto do dia.

Qual foi o seu primeiro contato com Yoga? Você sempre praticou ou algo lhe motivou a começar?

FB: Quando criança, já tinha visto na TV alguns Sadhus (que são renunciantes dedicados a uma prática espiritual) fazendo o Nauli Kriya, que é um movimento de ondulação lateral feito com os músculos do abdome para a purificação das vísceras. Aquilo me deixou curioso para saber do que se tratava.

Anos depois, quando estava na faculdade, tive contato com um livro da minha mãe que ensinava Yoga para iniciantes em 21 dias.Lembro que eu fazia natação de manhã, trabalhava à tarde e estudava à noite. A primeira prática de Yoga que experimentei foi à noite, ao chegar da faculdade. Foram quatro posições combinadas com a respiração e o relaxamento, que fizeram eu me sentir muito, mas muito bem, diferente de tudo que já tinha feito na vida. Além disso, os exercícios proporcionaram também uma ótima noite de sono. Isso me marcou muito e fiquei praticando Yoga pelo livro até terminar a faculdade, quando decidi entrar em uma escola para me aperfeiçoar.

Me lembro como se fosse ontem: eu saindo do trabalho, indo fazer a primeira aula de Yoga. Acordei no dia seguinte super disposto e fui para a escola logo cedo praticar novamente, antes do trabalho. Depois disso, não parei mais.

Por que resolveu mudar de área e se dedicar ao Yoga?

Fabiano Benassi: Quando entrei na escola de Yoga em 2003, fiquei praticando durante um ano e resolvi começar a me aprofundar para poder entender mais, pois me sentia cada vez melhor. Então, iniciei um curso para formação de professores. Meu objetivo era estudar para ter mais conhecimento e melhorar minha prática pessoal, não tinha a intenção de dar aulas. Então, em 2005, comecei a dar minhas primeiras aulas, apenas como um hobby, substituindo alguns professores, depois virou profissão. Uma das coisas que me fez mudar e pensar na carreira profissional de Yoga foi o nível de estresse que eu estava passando no meu trabalho anterior. Cheguei a um ponto em que não queria mais sair da cama para trabalhar. Eu me sentia péssimo por isso.

Decidi mudar toda a minha vida e largar uma carreira em tecnologia para ingressar no Yoga. Poderia voltar para o mercado de trabalho, ou investir em alguma outra área em tecnologia, pois tinha conhecimento para isso e até hoje gosto muito. Porém, gostava mais de ajudar as pessoas e o Yoga faz um trabalho profundo de transformação, o qual eu pude sentir em mim e ver em muitas pessoas que convivi também. Foi a melhor escolha que eu fiz e acabou dando muito mais certo do que poderia imaginar.

Como era sua vida antes de se dedicar totalmente ao Yoga?

FB: Desde criança sou agitado e hiperativo, e isso sempre me atrapalhou. Por exemplo, repeti três vezes a primeira série, pois nenhuma professora conseguia me deixar concentrado ou inteirado. Hoje conto essa história sem ressentimentos, mas imagina a vergonha que dava, quando criança, falar isso para os amigos.

Nunca cheguei a sofrer de ansiedade, mas me lembro que frequentemente ficava com aperto no peito e a respiração mais restrita. A natação na infância – e também depois de adulto – me ajudou muito nesse aspecto, principalmente dando mais capacidade pulmonar, mas foi no Yoga que eu comecei a entender minhas emoções, meu corpo e principalmente minhas reações.

Depois que ingressei nesta prática, ficou mais fácil entender o porquê de tudo isso, pois começamos a nos observar e separar as emoções, os sentimentos e os pensamentos das nossas ações.

O que mudou no seu corpo, mente e emoções depois de adotar o Yoga como um estilo de vida?

FB: Muita coisa, mas acho que a mais importante foi o fato de eu conseguir ter muito mais consciência sobre quem sou, o que quero e para onde vou. Isso me ajudou a selecionar melhor as amizades, por exemplo. Além disso, virei vegetariano. Já tinha vontade, mas faltava coragem, estímulo ou informação. O Yoga me ajudou nesse aspecto, hoje me sinto muito melhor com minha escolha.

Fisicamente fiquei mais forte e mais flexível, além de ter mais resistência a dor. Consigo fazer coisas com o corpo que, quando eu iniciei na prática, há mais de 13 anos, achava que era impossível. Esta superação também aumentou minha autoestima e deixou o dia mais leve. A consciência corporal ajuda a não depender de remédios, pois na maioria das vezes eu sei a origem e a causa do que estou sentindo.

Mentalmente comecei a entender os comportamentos que eu tinha e como lidar com eles, como, por exemplo, com a minha agitação e a causa da ansiedade. Acho que uma das capacidades mais importante que o Yoga nos proporciona é observar sem julgar, classificar, analisar, argumentar, ou seja, saber que as influências externas só vão mudar o meu estado mental/emocional se eu permitir.

É claro que às vezes, mesmo quem pratica ou dá aula de Yoga perde a cabeça, mas a diferença é que conseguimos reconhecer esse momento e fazer de forma diferente da próxima vez.

O que as pessoas podem encontrar no seu blog, o Universo Yoga? E por que decidiu criar este espaço?

FB: Comecei o Universo Yoga pensando em colocar conteúdo para ajudar meus alunos em suas práticas e tirar dúvidas, se aprofundando neles mesmos. Sempre que descobria alguma notícia interessante ou algo inspirador sobre o tema, publicava no site.

Hoje as postagens da página se dividem em diversas sessões, sobre: práticas, técnicas, conceitos, notícias e curiosidades, novidades e eventos, e pesquisas sobre Yoga e Meditação. O público também encontra informações e orientações simples para quem quer iniciar a prática em casa. Os conteúdos estão em texto, áudio e vídeo, separados por assuntos, conceitos e notícias.

Também acredito nas técnicas do Yoga como ferramentas para ajudar no dia a dia das pessoas, mesmo que aquelas que não têm nenhum contato com a prática. O eBook de Autocontrole Emocional que disponibilizei gratuitamente no início do ano foi um primeiro passo nessa direção.

Você dá aulas de Yoga laboral. O que é e como funciona esta prática?

FB: O Yoga laboral foi criado para atender uma demanda crescente de práticas para prevenção de doenças ocupacionais, como LER (lesão por esforço repetitivo) ou DORT (doenças ocupacionais do trabalho), e de programas de bem-estar dentro das empresas.

É uma prática adaptada para os locais de trabalho, que respeita as características e a demanda de cada empresa. Pode ser aplicado como uma aula de Yoga tradicional, dentro de um espaço fechado, ou com práticas feitas a partir de 15 minutos nos escritórios, fábricas, centrais de atendimento, entre outros. As pessoas não precisam deixar o posto de trabalho ou ter uma roupa especial para praticar.

No Yoga Laboral são utilizadas técnicas corporais, respiratórias, meditativas entre outras. É por meio delas que são desenvolvidas habilidades como força, flexibilidade e alongamento, aumentando a consciência corporal e a capacidade pulmonar, dando mais energia e calma. Também contribui para o foco, através de técnicas de concentração e Meditação. A melhoria da saúde dentro das empresas, devido ao Yoga, evita atestados médicos e aumenta a produtividade dos colaboradores. As práticas geralmente são aplicadas em eventos como reuniões, treinamentos,Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho(Sipat) ou de forma mais regular nos locais de trabalho. Como são práticas adaptadas, não é preciso nenhum pré-requisito para sua aplicação.

Equipe Personare

Equipe Personare

Nós, da equipe Personare, também estamos em um processo constante de conhecimento sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre as relações humanas.