Equipe Personare

Depoimento: entreguei meu filho para adoção

Mulher conta experiência e revela como foi reencontro 34 anos depois

Mulher conta experiência e revela como foi reencontro 34 anos depois

Depoimento: entreguei meu filho para adoção

Ter um filho é um dos momentos mais importantes na vida da maioria das mulheres. Inclusive, é por meio da maternidade que muitas afirmam conhecer o amor incondicional e outras alegrias. Porém, o que acontece quando uma mãe é forçada a ficar longe de sua cria? A escritora e representante comercial Denise Kusminsky viveu na pele essa realidade quando, aos 18 anos, precisou colocar seu bebê para adoção.

Em 1974, época em que ficou grávida, o sexo era considerado tabu e muito pouco era discutido sobre o assunto. Segundo Denise, a única forma de saber mais sobre o assunto era através de comentários entre os jovens, já que a escola, a família e a sociedade não abordavam a discussão. Quando descobriu a gravidez, ela já havia se separado de seu namorado na época (e pai de seu filho) e imaginava que sua menstruação não vinha por conta da mágoa que sentia após o término da relação. Mesmo não querendo interromper a gravidez, Denise foi em clínicas de aborto a pedido de seu ex-namorado.

Mesmo não querendo interromper a gravidez, Denise foi em clínicas de aborto a pedido de seu ex-namorado.

“Naquela época, para mim, todo filho precisava de um lar, fruto da união de um pai e uma mãe. Queria poder dar essa condição para meu filho e achava que viver com outra família seria ideal para que ele crescesse de modo saudável. Hoje as famílias estão se compondo de forma diferente, mas o cenário, naquela época, era esse. Senti muita frustração por não ter um companheiro para amparar minha vontade de ser mãe, já que meu ex-namorado achava-se muito novo para assumir a paternidade. Estava sozinha para ter esta vida e sem preparo algum. Foi quando o médico de uma clínica em que fui, hoje padrinho do meu filho, me ofereceu a alternativa de colocá-lo para adoção. E foi pensando no meu bebê e no seu bem-estar que considerei isso como uma boa alternativa”, desabafa Denise.

O médico que fez o parto de Denise garantiu a ela que a família que receberia seu filho, que ela prefere chamar pelo pseudônimo de Sylvio, tinha condições financeiras e emocionais para cuidar da criança. Apesar de ter recebido todo o apoio de sua família para o momento da adoção, a decisão de entregá-lo foi mais difícil do que a escritora imaginava. “Constantemente eu pensava nesta dor, mas não sabia que ela poderia ser tão grande. Pensar que eu não poderia ver meu filho crescer tornou-se, com o passar dos anos, uma ferida que não cicatrizou e acredito que nunca cicatrizará” afirma a escritora.

Ela ainda conta que mesmo desamparada após o parto, a sensação de que estava fazendo a coisa certa permanecia. Com os pais adotivos, Denise mostrou-se grata. Recebia frequentemente notícias de seu filho através do médico que fizera a adoção, e a certeza de que ele estava sendo bem cuidado confortava o coração da mãe.

Após aproximadamente cinco anos, já casada com o seu atual marido, o coração de Denise falou mais alto e a vontade de reencontrar seu filho bateu forte. “Consultei inúmeros advogados, mas todos me diziam que eu não teria chance e nem direito de tê-lo de volta. Conversando com meu marido, psicólogos e pedagogos, todos desaconselhavam que eu o procurasse, já que imaginavam que seria melhor para ele que vivesse sua vida sem a mãe biológica. Mais uma vez renunciei em função da felicidade do meu filho, mas meu marido me confortava, dizendo que ele um dia iria me procurar”, conta a escritora.

Reencontro partiu do próprio filho

Ao longo dos anos, a única ponte entre Denise e seu filho eram as constantes notícias que o padrinho de Sylvio trazia. Foram necessários quase 30 anos até que a chance do encontro surgisse. O apoio do marido fortaleceu Denise, que também encontrou nas quatro filhas que teve neste casamento a coragem para seguir seu coração. A iniciativa partiu do próprio Sylvio, que recentemente havia descoberto ser adotado e decidiu procurar a mãe biológica através de uma ONG que ela participava.

Após o primeiro contato, feito por telefone, foram necessários apenas dois dias até que pudessem se encontrar pessoalmente, em uma pizzaria. “Foi emocionante. Eu esperava encontrar um bebê, e ele uma mãe como a que já tinha. Foi uma surpresa para nós, mas ao mesmo tempo, como somos parecidos fisicamente, foi fácil nos reconhecermos”, comemora Denise. Depois deste dia, a escritora tornou-se uma grande amiga de seu filho e até hoje faz o possível para encontrá-lo sempre que pode.

E deste encontro surgiu a vontade de relatar sua história para todas as mães que pudessem estar na mesma situação. O gosto pela escrita ajudou Denise a eternizar seus passos e deixar suas palavras no livro “Reencontro” (Ed. Agora), no qual narra sua história. Para ela, só através de uma obra seria possível mostrar o lado bom de tudo o que viveu, mesmo que sua história pareça unicamente triste em um primeiro momento. “É muito brutal essa separação, tanto para o filho como para a mãe, por melhor que seja a família que o adote. Na verdade, a mãe também se sente abandonada. O importante, na minha opinião, é que todos os lados saibam da verdade, para que a criança cresça confiando em seus pais e sentindo o apoio deles para poder procurar suas raízes quando quiser, sem que isso abale seu relacionamento com os pais adotivos”, finaliza Denise.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Equipe Personare

Equipe Personare

Nós, da equipe Personare, também estamos em um processo constante de conhecimento sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre as relações humanas. Saiba mais