Carolina Arêas
  • Por Carolina Arêas
  • Leia em 17 min.
  • 15/07/2010
  • Atualizado em 15/07/2010 às 00:46

Dando asas aos filhos

Qual o momento certo para ampliar os limites das crianças?

Qual o momento certo para ampliar os limites das crianças?

Dando asas aos filhos

E no começo, eram eles dentro de nós. Depois de nascidos, foram cuidados com amor infinito, acalentados e protegidos o tempo todo. Mas, passados os anos, o colo dos pais deixa de ser tão interessante frente ao mundo enorme que se abre para eles. E que bom que é assim. Filho se cria pra vida, não é o que aprendemos? Mas qual o momento certo para largar a mãozinha deles e deixar que experimentem – aos poucos – a liberdade pela qual tanto anseiam?

Impossível não olhar para nossos pequenos (para nós, mães, eles nunca crescem, certo?) sem pensar em cuidar e proteger. O zelo pelos filhos faz parte do pacote que ganhamos automaticamente quando os colocamos no mundo. No dicionário, a definição dá força ao que escrevo. Zelar é tomar conta de alguém com o máximo cuidado e interesse.

Mas excesso de zelo pode comprometer a independência e a confiança da criança, já que ela acaba impedida de experimentar e criar suas próprias defesas em relação ao mundo e à vida.

À medida que o tempo passa mais ela aspiram por sua autonomia e caso não tenham aprendido a fazer por si mesmas e com confiança, a dificuldade de adaptação será enorme. Amor em excesso e superprotetor pode, sim, asfixiar e impedir que a criança tenha oportunidade de ampliar seus limites

Amor em excesso e superprotetor pode, sim, asfixiar e impedir que a criança tenha oportunidade de ampliar seus limites

, experimentar a vida, descobrir suas fraquezas, sua força e suas habilidades em lidar com as situações.

Chegou a hora?

Descer de elevador sozinho, ir para escola com os amigos, andar de bicicleta sem a supervisão de um adulto. O melhor momento para você permitir? Não tem resposta padrão. O melhor momento para cada um chega naturalmente quando percebe-se o desenvolvimento e o fortalecimento da independência construída no dia-a-dia. Um filho amado, seguro e estimulado a encarar a vida de frente é o aval para pais conscientes permitirem gradativamente que os horizontes sejam ampliados.

E quem disse que seria fácil? Pais e mães loucos de amor por seus filhos às vezes sofrem demais, sempre em busca de ajudá-los a trilhar da maneira mais feliz possível este muitas vezes complicado caminho da vida.

E no caminho deles sempre vai ter uma pedra. Ou galhos, buracos, depressões. O carro que não parou no sinal, o menino que faz bullying na praça, a bicicleta roubada. Isso é fato. Mas se olharmos pela perspectiva de que são desafios que os farão crescer, amadurecer e se desenvolver, o coração acalma. E mesmo quando nosso lado super-hiper-protetor ficar tentado a agir, o melhor é estar em equilíbrio. Ansiedade por si só, além de ser um tormento mental, drena nossa energia e nada faz para ajudar de fato.

A maior contribuição que podemos dar quando não estamos por perto o tempo todo é transmitir pensamentos calmos e amorosos para que eles, mesmo tropeçando um pouco, possam conseguir. E se fortalecer. A frase do jornalista americano Hodding Carter nunca fez tanto sentido: existem dois legados duradouros que podemos deixar para nossos filhos. Um deles, raízes; o outro, asas.

Depoimentos

Educo minhas duas filhas para a liberdade. E digo: é mais difícil. A sociedade nos cobra que sejamos o inverso: controladoras. Pois o cuidado estaria no controle, que tem como sinônimo a vigilância. Principalmente nos grandes centros urbanos, cuidar bem significa ter a criança ou adolescente sob controle. Como na vida contemporânea-pós-moderna a mãe não dá conta dessa presença efetiva, a tarefa foi repassada pra babá, empregada, avós, parentes.Eu não percebi o momento de ampliar os limites. Foi uma troca. A Joana, hoje com 15 anos, foi quem começou, por necessidade da idade, a avançar. Foi uma questão de necessidade, que partiu de um desejo dela. O espaço já estava aberto e tinha sido construído e regado pelas relações nossas, pela força do vínculo com a família.Marcia Paraíso, 41 anos, cineasta, mãe de Joana, 15 anos, e Maria, 8 anos, Florianópolis

O que eu fiz foi observar cada um dos meus filhos e conversar muito. Solto meus filhos à medida que percebo que estão prontos para algum novo vôo e com a segurança que também é necessária para nós para que o vôo passe a ser mais tranquilo. Sem muita regra de idade ou alguma instrução especifica além de: cuidem-se porque vocês são muito preciosos para mim! E, de alguma forma, isso tem dado certo. Ainda bem! Não tem momento certo pra nada em educar nossos filhos. Tem o momento e pronto! Acontece! Como mágica…Fernanda Masson, 39 anos, program manager, e mãe de Rafael, 16 anos, e Rodrigo Waddington, 13anos,Rio de Janeiro

Acredito que a questão da independência dada a um pré-adolescente está relacionada a diversos fatores tais como a personalidade da criança, o contexto social e principalmente à capacidade dos pais de perceberem o momento certo de comecar a deixá-los “voar” sozinhos. Meu filho mais velho sempre foi muito responsável, apesar de distraído, e quando ganhou seu primeiro celular (aos 11 anos), comecei a deixar que fosse até sua aula de karatê sozinho, a dois quarteirões de casa. A condição era a de que teria que me telefonar assim que chegasse. Morávamos no Rio e a onda de violência me deixava um pouco agoniada e só relaxava quando ele me ligava. Quanto os menores, apesar de morar numa cidade super tranquila e num bairro de casas bastante calmo, não me sinto a vontade de permitir que andem sozinhos, o máximo é a casa da vizinha… Cristiana Moretzsohn, 45 anos, jornalista, mãe de Felipe, 14 anos, Maria Antônia, 10 anos, e Pedro, 8 anos,Toronto, Canadá

Olá, essa matéria foi útil para você?
Carolina Arêas

Carolina Arêas

Iniciou sua formação como terapeuta floral através do Healing Herbs, da Inglaterra, estudando as essências de Bach. Também trabalha com Reiki nível II e massoterapia ayurvédica, e é co-criadora do projeto "Word Rocks". Saiba mais