Cores dos vegetais e seus nutrientes: conheça variações pouco conhecidas

Você já viu berinjela branca, couve-flor amarela, batata-doce laranja e milho roxo? Entenda por que dificilmente os encontramos nos supermercados

Cores dos vegetais e seus nutrientes: conheça variações pouco conhecidas

A importância de uma alimentação variada para nossa saúde não é novidade, principalmente quando falamos de vegetais. Trazer mais cores naturais para nosso prato é um excelente indicativo de nutrição mais garantida.

Pensamos: “coloco o laranja da abóbora, o verde da couve, o roxo da amora, o amarelo da banana, e pronto! Já tenho variedade suficiente de cores no meu prato, e estou comendo muito saudável”.

Só que quando estamos falando de diferentes cores dos vegetais estamos falando também do mesmo vegetal. Você sabia que existe berinjela branca, couve-flor amarela, batata-doce laranja, rabanete-melancia (verdinho por fora e rosado por dentro), laranja sanguínea (vermelha), milho roxo, e por aí vai? Então por que será que você só conhece eles de uma ou duas cores apenas?

Vegetais podem aparecer em cores variadas, como é o caso da berinjela

Cultivo em larga escala = menor variedade dos tipos e cores dos vegetais

Primeiro é importante explicar porque os vegetais têm cores. Elas são resultado de certos nutrientes específicos das plantas que aparecem como determinadas cores, dependendo da combinação e proporção em cada uma delas. Alguns dos fitonutrientes mais conhecidos, que têm influência direta nas cores dos vegetais, são o betacaroteno (cores amarela e laranja), clorofila (verde) e antocianina (vermelho, roxo e preto).

O curioso é que os vegetais podem aparecer naturalmente com cores variadas, muitas vezes da mesma espécie e no mesmo plantio. Então por que será que nos mercados as cenouras são sempre laranjas, as batatas sempre amarelas-claras, as alfaces sempre verdes e os tomates sempre vermelhos?

Com as formas de cultivo convencional em larga escala, foi-se diminuindo a variedade dos tipos de vegetais cultivados, não apenas em termos das cores, quanto também por conta da facilidade de cultivo, do tempo de duração e resistência ao transporte em grandes distâncias e, enfim,  da aceitação do consumidor.

Existem casos curiosos como o da cenoura que ganhou a cor laranja como oficial em homenagem à monarquia holandesa. E também outras matizes que são criadas a partir de polinização cruzada ou por manipulação genética. Além disso, em partes variadas do mundo, dependendo do clima, qualidade do solo, forma de cultivo, e outras variabilidades, os vegetais podem ter um visual distinto, mesmo sendo da mesma espécie, ou ainda, desenvolver novas espécies.

A couve-flor amarela é mais difícil de encontrar nos supermercados

Sementes crioulas: entenda a importância

Quando exploramos o universo das sementes crioulas, ou seja, de espécimes que não sofreram grande impacto da manipulação e cultivo humano, percebemos que estamos perdendo um grande potencial de cores, sabores, e nutrição em nome da agricultura de monocultura em larga escala com grande uso de aditivos e defensivos químicos.

Um bom local para começar a explorar variedades coloridas de vegetais mais conhecidos são as feiras e mercados orgânicos, biodinâmicos, ou ainda de agrofloresta. Os produtores têm investido cada vez mais em aumentar a oferta de variedades pouco consumidas dos vegetais mais conhecidos, e ainda apresentar novos vegetais pouco cultivados e, portanto, menos conhecidos e consumidos. Assim você terá a possibilidade de aproveitar esses alimentos com grande poder nutritivo e tornar nossa alimentação ainda mais interessante e prazerosa.

Aproveite os alimentos amarelos, a cor de 2019

Em 2019, a cor do ano será o amarelo. Aproveite para usar o poder dessa cor também por meio dos alimentos. Não se restrinja aos já conhecidos como banana, abacaxi, manga, maracujá, milho e gema dos ovos. Lembre-se também da batata-baroa, do pimentão, de frutas como pequi, phisalys e uvaia. E mais: procure pelas variedades amarelas dos vegetais que você conhece por outras cores como cenoura, beterraba, batatas, couve-flor, batata-doce, abóbora, tomate, limão, abobrinha, cebola, pimentas, entre outros.

Melissa Setubal

Melissa Setubal

Profissional pioneira em Saúde Integrativa no Brasil, criou sistemas que apoiam mulheres que sofrem com sintomas do ciclo menstrual e com sua imagem no espelho. Atua como coach de saúde, com atendimentos individuais e em grupo.