Tati Lisbon, a Papisa

Como usar Tarot, Numerologia e Astrologia para planejar o ano

Entenda como podemos utilizar as artes divinatórias - o Tarot, a Numerologia e a Astrologia - para nos ajudar a criar a nossa lista de metas para o Ano Novo

Como usar Tarot, Numerologia e Astrologia para planejar o ano

Todo fim/começo de ano é aquela mesma história de reavaliar como foi o ano que se passou e quais serão as próximas metas pessoais a serem cumpridas no decorrer do ano que se inicia. É essa ideia de planejamento que acaba passando pela nossa cabeça de uma forma geral – pra uns com mais força e pra outros com menos significado.

Mas pra quem é de planejamentos e criação de metas – que nem sempre serão cumpridas e tá tudo bem – as artes divinatórias podem servir de um grande auxílio para identificar quais são os aspectos principais que poderão ser mais trabalhados no decorrer do ano, e de que forma poderemos utilizar nossas potencialidades ao nosso favor com mais assertividade.

Mas antes de mais nada, vamos pensar um pouco sobre o que é a arte divinatória.

A arte divinatória nada mais é do que ferramentas interpretativas que conseguem, de alguma forma, mapear o que cada um de nós está vivenciando nesse momento ou vivenciará em momentos futuros, além de auxiliar na interpretação dos pontos principais vividos em momentos passados que sejam importantes para a construção da nossa base de busca do autoconhecimento.

Essas ferramentas também permitem que essas análises sejam feitas a nível social e geral, e não precisam necessariamente seguir uma linha espiritual, pois trata-se de uma análise de interpretação de símbolos, textos e imagens baseados numa visão universalista de significados.

Tarot, Numerologia e Astrologia para planejar o ano

A Astrologia, o Tarot e a Numerologia são artes divinatórias e têm como objetivo principal, auxiliar na busca pelo autoconhecimento e pelo reconhecimento das causas e consequências de algumas energias invisíveis a qual estamos expostos no nosso dia a dia.

Isso significa que essas três ferramentas – Astrologia, Tarot e Numerologia – são, sim, excelentes meios de encontrar um rumo para criar uma linha de raciocínio mais focada nas suas próprias necessidades e desafios futuros na hora de decidir quais serão as suas metas para o ano que se inicia.

Ao analisarmos as potências que cada uma dessas três artes divinatórias têm individualmente, é possível entender o quão positivo pode ser criar, quem sabe, até o seu próprio ritual de autoconhecimento que mescle esses princípios com outros tão complexos e completos quanto.

Na Astrologia, temos uma análise bem abrangente de 12 áreas muito claras da nossa vida pessoal num só mapa circular que traz uma extensa explicação de cada pequeno aspecto que nos forma como indivíduos.

É ao fazer esse estudo do Mapa Natal com alguém que tenha esse conhecimento, que conseguimos, por exemplo, entender quais são nossos desafios pessoais, onde está o nosso centro de avanço profissional, como conseguimos lidar com a nossa forma de expressão e como é a nossa conexão com nossa família.

Com toda essa visão misturada com os conhecimentos dos aspectos astrológicos gerais que acontecerão no ano que se inicia, fica muito mais fácil direcionar um plano de ação focado em coisas que têm uma chance de dar mais certo do que outras e principalmente de se preparar para alguns desafios, sejam de nível pessoal ou não.

Passando para os estudos da numerologia, que pega alí uma análise bem forte voltada para os significados que essa língua completamente universal que são os números têm e suas influências energéticas sobre cada um de nós, conseguimos entender qual é o nosso Ano Pessoal, indicando o que vem se fortalecendo na nossa vida durante todo o próximo ano.

E linkando tudo isso com os aspectos de desafios, poderes e autoconhecimento de maneira geral da nossa vida de acordo com alguns cálculos que geram números que vão de 0 à 9 além do 11 e 22.

E para fechar temos as cartas do Tarot, que trazem uma interpretação visual de artes e símbolos que conseguem proporcionar reflexões e conselhos num grau bastante pessoal, ajudando a colocar os devidos pingos nos Is que estavam faltando, trabalhando com toda essa parte mais voltada para o aconselhamento sobre situações passadas, o presente e predição de um futuro seguindo a linha de análise do momento atual vivido pelo consulente.

Metas de Ano Novo

Ao unir essas três ferramentas, é possível chegar num grande compilado de informações tão pessoais que aconchegam do mais íntimo ao mais geral. E são essas visões amplificadas de pontos tão diversos que acabam facilitando na construção de um planejamento melhor para vivenciar bem o ano que começa.

É sempre importante salientar que essas artes, sejam elas trabalhadas de forma individual ou em conjunto, não são ditadoras de regras na sua vida e na construção do seu futuro. Elas – e isso eu digo dentro de uma visão pessoal porém não única – não definirão o seu futuro ou te darão respostas de mãos beijadas.

Lembre-se que tudo isso faz parte de uma análise interpretativa de símbolos, e a interpretação de tudo o que está ali não pode parar no final da consulta. Ela deve continuar no seu dia a dia para que realmente faça sentido para você e te ajude a evoluir como ser independente e construtor de sua própria verdade.

Então, qual é a melhor forma de usar essas artes divinatórias para planejar o ano? Escutando atentamente o que esses conhecimentos diversificados e complementares estão dizendo para e sobre você, aprender a selecionar o que faz sentido pra você no momento em que está vivendo dentro dos recortes sociais que faz parte, e construir você mesme o seu próprio futuro, agora com um conhecimento ainda mais aprofundado sobre os símbolos que te envolvem.

Olá, essa matéria foi útil para você?
Tati Lisbon, a Papisa

Tati Lisbon, a Papisa

Papisa, ou Tatiane Lisbon, estuda os conhecimentos esotéricos desde os 12 anos, e busca unir Arte e Esoterismo em seus trabalhos e projetos pessoais, usando a tecnologia como aliada para construir conteúdos com contexto social, expressão pessoal e ressignificação de informações consideradas arcaicas e complexas, mas sem perder o bom humor. Saiba mais