Carolina de Vasconcellos
Por Carolina de VasconcellosLeia em 2 min.19/06/2018 

Como saber se o recém-nascido está mamando o suficiente

Sinais de que o aleitamento materno está fluindo bem

Uma das inquietações mais frequentes com a chegada do bebê é a dificuldade em saber se ele está mamando o suficiente, está bem alimentado e se o choro e as idas constantes ao seio são sinais de fome.

Tais dúvidas existem  porque muitas pessoas ignoram que o choro é uma das poucas formas de comunicação que o bebê possui e que acontece por diversos motivos além da fome. Assim como estar ao peito sendo amamentado também supre diversas necessidades daquele bebê, muito além de nutrir.

Por isso, é preciso observar outros sinais que indiquem que estão saciados, a fim de descartar a fome como motivo do choro, por exemplo.

Dormir após a mamada

Recém-nascidos dormem logo após uma boa mamada. Notamos que eles afastam a cabeça do mamilo, largam o peito espontaneamente e adormecem. É nítido como se mostram mais relaxados, bem diferente da agitação do começo .

Observar fezes e urina

A observação das fezes e urina pode fornecer um parâmetro mais objetivo para evidenciar se o bebê está mamando o suficiente.

Em geral, na primeira semana de vida, espera-se a presença diária de fezes (possivelmente após cada mamada) cujo aspecto deve evoluir de um tom escuro e textura pegajosa (mecônio) para um esverdeado pastoso até atingir uma cor mostarda, semi-líquida ou pastosa, granulosa e sem odor forte.

O volume de urina vai aumentando com o passar dos dias e o estabelecimento da amamentação. Com uma semana de vida, espera-se pelo menos  seis fraldas de xixi molhadas ao longo do dia.

Medidas do bebê

Por fim, avaliar as medidas do bebê é fundamental! Sabemos que é considerado normal uma o redução em torno de 5-10% em relação ao peso de nascimento até o terceiro dia de vida. A partir daí, espera-se que o bebê recupere o peso de nascido em até 15 dias.

Se o bebê não apresenta estes sinais, vale a visita a um banco de leite ou a um profissional especializado em aleitamento para checar que manejo devemos ter para fazer a amamentação fluir melhor.

Muitos desses casos são resultado de um início incorreto: primeira mamada tardia, interferência de chupetas, horários rígidos (ausência de livre demanda), falta de apoio e informação à mãe. Contudo, outras hipóteses precisam ser descartadas e só um profissional capacitado poderá avaliar e fornecer ajuda.

Sugestões de leitura para quem desejar se aprofundar no tema

  1. Manual prático de aleitamento materno. Capítulo: O recém-nascido. 1 edição. Dr. Carlos Gonzáles. Ed. Timo.
  2. Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. Capítulo: Nutrição durante a lactância. 11 edição. L. Kathleen Mahan e Sylvia Escott-Stump. Editora Roca.
Carolina de Vasconcellos

Carolina de Vasconcellos

Nutricionista graduada pela UNIRIO e Mestre em Nutrição Clínica pela UFRJ. Consultora em Amamentação e idealizadora do perfil @mamar_e_nutrir.