Uso excessivo de internet simboliza fuga da realidade

Mundo virtual danifica as pessoas no nível energético

Uso excessivo de internet simboliza fuga da realidade

Desde que se tornou popular, ainda na década de 90, a tecnologia vem mudando a forma como as pessoas se relacionam, passando a ter uma grande importância na vida profissional e pessoal de muita gente. Não é incomum vermos pessoas conectadas o dia inteiro, seja publicando detalhes de suas vidas em redes sociais, conversando com amigos e até se relacionando afetivamente, por exemplo. De uma forma ou de outra, a internet já faz parte das vidas das pessoas, mesmo que em um primeiro momento nem todos percebam isso.

Mas até que ponto estar sempre conectado é saudável? As pessoas estão passando dos limites, se expondo demais nas redes sociais? Para esclarecer essas e outras questões, a Equipe Personare entrevistou diversos especialistas, como psicólogos, terapeutas energéticos e ortopedistas, para entender como o uso demasiado da internet pode acabar impactando vida, corpo, mente e energia de cada um. Confira abaixo.

Quando o uso da internet vira um problema

Muita gente acredita que o mundo virtual é um dos responsáveis por aproximar pessoas que moram longe e matar as saudades, além de mostrar descobertas e possibilidades que nunca foram imaginadas antes. Sem a internet, por exemplo, as pessoas não teriam como saber o que está acontecendo em outros países em tempo real, ou com apenas alguns segundos de diferença. No entanto, apesar dos benefícios que o mundo virtual oferece, a psicoterapeuta Celia Lima afirma que é preciso saber dosar a quantidade de tempo gasto em frente ao computador.

“A internet é uma maravilha da tecnologia e, como absolutamente tudo na vida, sendo utilizada com sensatez é muito positiva. Por outro lado, o mundo virtual pode ser usado como um universo paralelo, limitando contatos reais, abraços quentes e experiências ricas que só são possíveis quando usamos o corpo todo e seus sentidos. Afinal, explorar as possibilidades do corpo e viver as aventuras que a vida oferece no mundo real não pode ser comparada com viver através de uma tela de computador”, alerta Celia.

Nesse sentido, as redes sociais podem ser um grande exemplo de espaços virtuais que servem para manter contato com pessoas, fazer novas amizades e conhecer gente nova. O problema é quando essas relações ficam somente na internet. Para Celia Lima, esta problemática pode ter relação com a forma que as pessoas encaram o mundo.

“Algumas pessoas não percebem que podem estar perdendo alguma coisa enquanto estão na internet. Qualquer atividade sugerida pode nunca parecer tão boa ou melhor que o universo virtual. Elas precisam buscar fazer atividades na vida real, como respirar ao ar livre, buscar um esporte de verdade, ir a encontros reais em restaurantes para percebam que dirigir em um kart pode ser muito mais emocionante e realizador do que simplesmente apertar botões numa corrida virtual. E que comemorar a vitória de um time no campo de futebol é uma forma mais prazerosa de interagir com os amigos”, conclui Celia.

Por que as pessoas se expõem na internet?

Outra tendência facilmente percebida nas redes sociais é a vontade que algumas pessoas têm de revelar cada detalhe de seu dia a dia para os amigos e conhecidos, mesmo que a informação seja desnecessária ou trivial. Fotos do almoço ou da nova roupa comprada acabam ganhando lugar de destaque nestas mídias, expondo cada vez mais a privacidade de cada um.

“São várias as razões que levam uma pessoa a expor seu dia a dia na rede. Uma delas é a necessidade de ser notada, de exibir suas conquistas, de chamar a atenção para si. Outro motivo bastante infantil é provocar ciúme num paquera ou namorado – e é nesse momento que a internet dá vazão às mais variadas fantasias, porque nem tudo o que se vê ou lê é verdade. De um modo geral, as pessoas que fazem questão de informar seus passos não valorizam a privacidade e estão sujeitas às consequências dessa exposição. E com a vida sendo levada como um livro aberto para qualquer um folhear as páginas, as chances de alguém cair na conversa de alguém mal intencionado aumenta bastante”, pontua Celia.

Ostentar vida na internet pode sinalizar fuga da realidade

Além disso, muita gente acaba usando as redes sociais para mostrar o que na realidade não é, seja ostentando riqueza ou felicidade, por exemplo. Para Celia, a internet dá margem para que uma pessoa seja o que ela quiser, cultivando uma imagem perfeita e, muitas vezes, irreal. Segundo a psicoterapeuta, essa atitude pode sinalizar uma fantasia compensatória.

“Quem usa desse artifício provavelmente não gosta de ser quem é, tem baixa autoestima e poderia ser mais feliz se não se escondesse atrás de um personagem. Buscar ajuda profissional é um bom começo para que essas pessoas percebam o quanto pode ser bom assumir sua própria identidade”, explica a especialista.

E a preocupação com a veracidade das informações expostas na internet não se limita somente às redes sociais. Sites e blogs podem postar tudo, inclusive mentiras ou realidades distorcidas. Opiniões sempre são interessantes, mas é preciso analisar de onde elas partem e com que intenção. E vale a reflexão: até que ponto suas opiniões não são meras repetições de pontos de vista alheios?

Segundo Celia, além de sempre checar a credibilidade das fontes de informação, outro conselho importante é procurar conhecer determinado assunto antes de dar uma opinião na internet, mesmo que seja em uma conversa inofensiva nas redes sociais. Queira a pessoa ou não, muitas das coisas que são postadas ou ditas na internet permanecem ali, o que pode transformar um pequeno deslize em um grande problema.

A influência energética das redes sociais

Para a terapeuta energética Ceci Akamatsu, a carga emocional negativa que paira no mundo virtual é grande demais, transformando o ambiente do computador em um verdadeiro rio de pensamentos ruins que acabam atingindo a todos. “O meio virtual é um ambiente muito poluído, já que sua qualidade energética contamina as pessoas em longo prazo e acaba nos danificando sem percebermos. Principalmente as redes sociais, onde a energia das pessoas é muito pesada, fazendo com que nosso corpo seja pego por este sentimento ruim e acabe influenciando nossa saúde”, ressalta Ceci.

Além disso, a terapeuta explica que permanecer tempo demais na frente do computador pode acabar refletindo diretamente no corpo, fazendo com que as pessoas percam tempo e a energia vital necessária para aproveitar melhor o dia. “Alimentar-se excessivamente deste mundo que não é real é um forma de fugir da realidade ou dos medos reais. Acaba sendo um jeito da pessoa se enganar, já que ela não vive direito sua vida real”, ressalta Ceci.

Se você acha que vive este tipo de situação e que passa tempo demais na frente do computador, Ceci aconselha a buscar formas de se equilibrar e refletir sobre o que está levando você a fazer isso. Para a especialista, um bom exercício para perceber se o seu corpo está sendo afetado por tal energia negativa é experimentar ficar uma semana sem usar as redes sociais ou acessar a internet.

“Isso pode melhorar muitas coisas na vida da pessoa, incluindo a ansiedade e o sentimento de angústia que, às vezes, tomam conta de nós sem nenhum motivo aparente. Mas se for mesmo impossível sair por completo deste ambiente, evite-o ao máximo. Você deve ficar conectado somente na hora que precisar de informação e deixar de migrar de um site para o outro. O importante é ter foco no que você procurar virtualmente e, assim que terminar, sair da internet o quanto antes”, aconselha.

Postura correta no computador

Além disso, um dos maiores indícios de que você está gastando tempo demais na frente do computador são as famosas dores pelo corpo. Em caso de um desconforto persistente na coluna e nos pulsos, é provável que você esteja fazendo algo errado no modo como usa o computador, é o que garante o médico ortopedista Luiz Alberto Nakao. O especialista acredita que muitas pessoas não se movimentam da maneira como deveriam ao longo do dia, o que faz com que a musculatura do corpo acabe ficando enrijecida.

“É preciso ter em mente que o corpo precisa de movimentações, para não perder a elasticidade do músculo. O ideal é que antes de se sentar em frente ao computador a pessoa faça um alongamento no corpo inteiro. Caso vá passar muito tempo em uma mesma posição, é bom fazer uma pausa de duas em duas horas e praticar o alongamento mais uma vez. Desta forma, a pessoa não se sente dolorida com facilidade e consegue trabalhar ou usar o computador sem precisar se preocupar com uma quantidade restrita de horas para o uso”, ensina o médico.

Mesmo que movimentar-se bem ao longo do dia seja um dos segredos para evitar dores indesejadas no corpo, ter uma postura correta ao sentar na frente do computador também é muito importante. Segundo o ortopedista, o ideal é que a pessoa sente com o tronco estendido e apoiado no encosto da cadeira. O especialista também aconselha manter os joelhos semiflexionados, em uma angulação por volta de 90 graus, que consiste em deixar a perna reta até tocar o chão. Usar um apoio para os pés também é uma forma para não sobrecarregar as pernas.

“Precisamos lembrar que, além de forçarmos bastante as pernas e a coluna, também acabamos castigando ombros, braços e cabeça quando permanecemos sentados de maneira incorreta. Aconselho que a pessoa invista em uma cadeira que tenha apoio para os braços, deixando os cotovelos formando um ângulo de 90 graus em relação aos ombros. Deixar o monitor do computador na altura dos ombros também é uma maneira de não forçar a cabeça nem para cima e nem para baixo, ficando em uma posição confortável para os olhos. Como temos a tendência de forçar o pulso praticamente o tempo inteiro, recomendo que a pessoa também alongue essa região do corpo antes de começar a trabalhar e repita movimentos giratórios a cada duas horas, evitando que venha a sofrer de tendinite no futuro”, reforça Nakao.

Cuidado com os olhos também é essencial

Além do cuidado com a postura, pessoas que permanecem muito tempo usando a internet também devem se preocupar com a saúde dos olhos. Para médico oftalmologista, Dr. Canrobert de Oliveira, apesar da exposição excessiva ao computador não causar danos irreversíveis nos olhos, pode aumentar problemas como a miopia e o astigmatismo.

“Todos os problemas causados pelo excesso de exposição ao computador decorrem da falta de lubrificação ocular e da fadiga muscular dos músculos envolvidos na visão. Isso significa que muitas pessoas que ficam no computador acabam se esquecendo de piscar com frequência, o que resseca os olhos e causa a falta de lubrificação”, lembra Canrobert.

Para diminuir os efeitos nocivos que a tela do computador pode ter para os olhos, Dr. Canrobert aconselha fazer uma pausa a cada uma hora e focar o olhar em qualquer outro ponto do cômodo, por cerca de 10 minutos. “Além disso, geralmente a pessoa deve deixar os olhos distantes da tela do computador entre 40 e 60 centímetros. Mas vale lembrar que essa distância depende do tamanho do usuário, ou seja, uma pessoa alta e com braços longos vai precisar se distanciar um pouco mais”, explica Canrobert.

Caso haja desconforto ao ficar muito tempo diante do computador, a orientação é buscar os cuidados de um médico especializado.

Equipe Personare

Equipe Personare

Nós, da equipe Personare, também estamos em um processo constante de conhecimento sobre nós mesmos, sobre o mundo e sobre as relações humanas.