Carregando
PUBLICIDADE

Casa e Família > Relações Familiares

Menos consumismo, mais solidariedade

Use o Dia das Crianças para ensinar os pequenos a doar brinquedos

Por: Denise Gurgel

 

Ainda não comprou o presente de Dias das Crianças? Falta pouco tempo, garanto que a ansiedade já toma conta dos seus filhos e/ou sobrinhos. Você lembra como se sentia quando era criança? Eu me recordo que, no meu tempo, não havia tantas opções de brinquedos como hoje em dia. Eu ficava feliz com uma simples boneca de pano feita a mão. A imaginação rolava solta na hora de brincar, como era bom! E você, do que gostava de brincar?

Hoje a pressão é grande em cima das crianças. Recentemente passei uma tarde com Marina, minha sobrinha de cinco anos. Fizemos de tudo um pouco, brincamos, lemos um livro, pintamos e assistimos desenho na televisão. Confesso que fiquei de boca aberta na hora do comercial e pude entender o motivo da minha sobrinha pedir tantos brinquedos. Imagino que deva ser difícil para os pais administrar todos os desejos dos pequenos, estimulados pela publicidade voltada ao público infantil. E naquela tarde percebi que é preciso motivar o desejar e o doar.

O que a criança realmente deseja?

Lembro quando era pequena que "sonhava" com a boneca Tippy. Uau, ela era linda e andava com um cavalinho. Tudo movido à pilha, claro. Quando ganhei fiquei muito feliz, brinquei um pouco e guardei a boneca na caixa. No dia seguinte lá estava eu, brincando com a minha boneca de pano e meus mini móveis de madeira. Isso, sim, era diversão! Brincando eu usava a criatividade e inventava muitas vidas para a minha boneca de pano: num momento ela era a mãe, em outro a professora. Nada de apertar botão como a Tippy, não vi muita graça nisso!

Refletindo sobre essa recordação, perguntei a mim mesma: será que realmente desejei a Tippy? Tenho certeza que não! Provavelmente fui influenciada pela propaganda ou por alguma amiguinha da escola que tinha a boneca.

Infelizmente estamos presos às datas e não temos como fugir. Mas até acho positivo reservarmos esses momentos para presentear, pois dar brinquedos a todo momento para a criança não permite que ela queira verdadeiramente algum. Além disso, pode passar a impressão que o pequeno pode desejar tudo, a qualquer instante.

O desejar compreende o aguardar, realmente curtir essa espera pelo brinquedo. Nessa nova atitude os pais devem entrar em ação, conversando com os seus pequenos para decifrar melhor o seu desejo e ajudar a que percebam as suas reais necessidades. Esse filtro é importante, assim a criança aprende que nem tudo o que deseja é possível comprar.

Aprendendo a doar

Outro aprendizado significativo é o doar. No último final de semana conversei com a minha sobrinha sobre isso. Expliquei que algumas crianças não tinham brinquedos porque os pais não podiam comprar. Ela ficou comovida com isso! Em seguida comentei que ela tinha muitos brinquedos e que logo ela ganharia outros por causa do Dia das Crianças e a estimulei a escolher dois brinquedos para doar. Claro que ela mudou de assunto... Foi uma primeira tentativa, farei outras.

Doar ensinará que ela precisa dividir. Sim, isso será muito importante para ela na vida adulta. A tarefa não é fácil, lembro de uma amiga, mãe de um menininho, que estimulou o filho a escolher três brinquedos para doar. Ele prontamente escolheu, mas depois a dúvida tomou conta. Abraçou, trocou os brinquedos, afinal não é fácil: para a criança se é uma perda, porém necessária. Muitas horas depois os brinquedos estavam escolhidos e, no meio deles, um preferido pela minha amiga. Mesmo assim ela não titubeou e doou os brinquedos selecionados pelo pequeno. Afinal, é importante que a escolha seja feita pela criança.

Estimular o desejar e o doar também pode ser um aprendizado prático em casa. A sua criança já viu você dar esse exemplo?

Se agora já não dá mais tempo de conversar sobre o desejar, que tal estimular o doar? Com certeza esse ato de solidariedade unirá mais você e o seu pequeno.

E a Tippy? Foi doada na caixa da mesma forma como chegou em casa e tenho certeza que fez uma criança que verdadeiramente a desejava mais feliz!

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Denise Gurgel

Fisioterapeuta materno-infantil e professora de shantala. Desde 2002 dedica-se a estudos sobre movimentos e expressão corporal dos bebês. Ministra cursos sobre shantala em São Paulo. Saiba mais »

contato: contato@cursoshantala.com.br
  • e-mail
  • Imprimir

MATÉRIAS RELACIONADAS

E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS

NEWSLETTER

GRATIS
minimize close
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA A NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS