Autoestima

Descubra sua beleza interior

Para que se encaixar em padrões? Apaixone-se por suas qualidades

 

Gostar de si mesma, valorizar-se, aceitar-se como é. Inclusive a própria idade. Mais do que qualquer creme ou ginástica, é o exercício da beleza interior que conta. Numa época em que se cultua tanto o corpo, por que não cultuar também o espírito?

Quem, quando está apaixonada, já não viu os outros se surpreenderem com o brilho da pele, a expressão dos olhos e a maciez do próprio cabelo? E realmente tudo muda em uma situação como esta. A adrenalina e a emoção de amar, a libido em alta, agem a favor de uma circulação sanguínea melhor e de um metabolismo mais energizado. O resultado: pele e cabelos mais bonitos, olhos brilhantes, vida. Se pensarmos que a paixão não é exatamente comum na vida das pessoas, e acontece poucas vezes em uma existência, vamos ver que esta beleza em estado puro é rara demais. Mas tem um jeito para manter esse astral e essa energia à flor da pele: é viver apaixonada. Pela vida, por si mesma, pelos amigos, pelos desconhecidos, pela natureza, pelas coisas mais simples que nos rodeiam.

Curtir o florescimento de um jardim, preparar uma refeição com todo carinho, tomar um banho de cheiro, com aromas deliciosos, massagear e ser massageado... Nutrir-se de sensações boas é um passo sensato e inteligente para se apaixonar pela vida. A pessoa apática funciona como um reservatório de água parada: as impurezas externas somam-se às internas e é difícil renovar a cisterna, a menos que se jogue tudo fora e comece um novo processo de captação de água (energia) com movimento e fluxo constantes.

Voltando-se para dentro

Movimento. Está aí uma palavra-chave para entender os processos da vida. Movimentar a mente e o espírito é tão importante quanto mexer o corpo. Desafiar a chamada zona de conforto pode trazer um certo medo no início, mas é um bom jeito de explorar potencialidades e crescer. Viajar, ir ao cinema sozinha, revelar o seu amor por alguém. Viver, simplesmente. Trabalhar mais o "dentro" do que o "fora". Estamos todos - e principalmente nós, mulheres - voltados muito para fora, para a casca, nesses últimos tempos. Certamente, por causa disso, estamos entre as que mais recorrem à cirurgia plástica no mundo todo, além de também liderarmos o ranking das que mais consomem remédios para emagrecer no planeta. São índices que nos envergonham, porque evidenciam a insegurança, o constrangimento, a culpa, a futilidade e a baixa estima dessa fatia de mulheres que só buscam se encaixar no "padrão".

Neste dia 8 de março, quando vamos comemorar mais um Dia Internacional da Mulher, precisamos passar para nossas filhas, amigas, irmãs e desconhecidas a valiosa mensagem de que somos, sim, livres, inteiras e lindas como somos. Não precisamos nos desfigurar em plásticas, exagerar no Botox nem arriscar a vida em lipos cada vez mais mortais. Depois de tanta luta por direitos, por espaço e voz, que foram merecidamente conquistados entre os anos 60 e 80, é patético ver o "feminino" se transformar em um padrão fixo, rígido e infeliz. Precisamos ser amigas de nosso corpo, não juízas implacáveis da aparência. "Precisamos ser amigas de nosso corpo, não juízas implacáveis da aparência. " Não podemos mais ter culpa e vergonha por não nos encaixarmos nos tamanhos 38 ou 40. Precisamos passar para nossas filhas a mensagem de que vale a pena viver- de forma mais livre e íntegra, e gostando do próprio corpo do jeito que ele é. Da altura, do nariz, da cor de pele, do tipo de cabelo. Assim que a menina começa a crescer, ela se descobre como um ser feminino, e seu modelo mais direto é a mãe. Se ela recebe afeto e sente que é admirada e valorizada, tenderá a gostar de si mesma e aceitar seu corpo como é.

Como já disse o filósofo francês Michel de Montaigne, no século 16: "A pior desgraça para nós é desdenhar aquilo que somos". Em 2010, vamos nos valorizar e nos respeitar mais. Talvez esta seja a bandeira mais importante depois do feminismo e da luta pela igualdade dos anos 60.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR
Chantal Brissac

Chantal Brissac

Chantal Brissac é jornalista e autora dos livros "Quem é você, mulher? "(Mercuryo),"Demitido? Sorte sua!" (Ediouro) e "Seja feliz também naqueles dias" (Ficções).

  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS