Carregando pagina

Beleza > Autoestima

Descobrindo o prazer de ser mulher

Entenda como é possível viver a plenitude de sua essência feminina

 

Você gosta de ser mulher? Lembro-me bem do impacto que esta pergunta teve em mim, quando ao final de uma tarde com diversas adolescentes de 11 a 13 anos - conversando sobre menstruação, hormônios e emoções - uma das meninas lançou esta questão que tocou bem no fundo do meu ser. Segundos depois disso, parece que toda a minha jornada como mulher passou em frente dos meus olhos. Eu sabia a resposta. E eu mesma parecia espantada com ela.

Mas ao invés de revelar a resposta, escolhi devolver a pergunta à menina, questionando o que ela achava que eu iria responder. Nos minutos que antecederam este momento, as garotas compartilharam as suas impressões sobre o assunto, suas experiências e as das suas mães, irmãs e amigas. O que eu ouvia era um festival de reclamações: "menstruar é muito ruim e incômodo", "mulher trabalha fora e depois ainda também tem que fazer tudo em casa", "mulher sofre com violência e desrespeito", "as mudanças de humor nos deixam (e aos outros) loucas", etc.

Também ouvi que existem muitas coisas divertidas em ser mulher, como o gosto por roupas, acessórios, maquiagem e esmaltes. Mas o que mais me marcou foi o fato de que muitas delas, se pudessem escolher, não seriam mulheres. Não me espantei. Eu entendia perfeitamente seus pontos de vista. Eu sofri muito com minha menstruação e meus rompantes de humor, eu senti na pele a recriminação pela minha forma de expressar minhas emoções e o desrespeito de colegas no ambiente de trabalho sobre minhas capacidades, assim como testemunhei ao meu redor a violência verbal, física e sexual, além dos desafios enfrentados pelas mulheres que têm uma jornada dupla de trabalho.

Não abra mão de sua essência feminina

Em pleno século XXI, numa sociedade ocidental desenvolvida, não esperávamos ainda ter que passar por tudo isso, e ver a mulher ser resumida a um monte de coisas superficiais sobre aparência. Sei que muito cedo em minha vida decidi que se agisse como mulher seria massacrada - o que me levou a um caminho de carreira em um ambiente bem masculino em que, por mais que eu tentasse parecer casca grossa sempre de calças compridas, ficava bem evidente que eu estava negando completamente minha essência de mulher. Meu drama de profissional de sucesso no mundo corporativo um dia ficou evidente: como ser feliz e realizada como mulher, em um ambiente e sociedade de valores basicamente masculinos? Era uma típica situação "se correr o bicho pega, se ficar o bicho come". Até que me dei conta da terceira opção: "se enfrentar, o bicho some".

Não tentei mudar o status quo da empresa e do mundo corporativo, nem criticar o que as mulheres fazem ou deixam de fazer sobre isso, ou vociferar sobre direito das minorias e as novas leis. Escolhi usar os melhores acessórios que as mulheres já têm desde que nascem, e que parecem bem fora de moda nos dias de hoje: a capacidade de introspecção para avaliar minha situação, minha intuição para saber para onde devo ir, e minha habilidade de viver em comunidade e buscar e dar suporte umas às outras.

O lado bom de ser mulher

O ponto de virada para mim foi quando participei de um programa de saúde da mulher, com uma coach holística. Neste momento aprendi sobre como alimentar meu corpo de mulher para harmonizar meus hormônios e meu ciclo menstrual e reverter condições como TPM, ovário policístico, acne, dificuldades com o peso e falta de energia. Também aprendi sobre como usar meus ciclos a meu favor nos relacionamentos, no trabalho e nas atividades físicas, além do impacto no corpo e mente das crenças limitantes herdadas da família e da sociedade na nossa percepção do feminino como frágil, menor, errado.

Foi então que, com o apoio da coach, pude finalmente honrar e usar a energia feminina na minha vida com consciência. Percebi que a chave para ser plenamente mulher reside em convidar a sabedoria natural do corpo e das práticas tradicionais ancestrais femininas para nos apoiar a viver os desafios do mundo contemporâneo. É aí que reside a nossa força, nosso poder, nossa assertividade.

Sinceramente acho que hoje em dia, para ser uma mulher moderna, de sucesso, com saúde e feliz, não posso abrir mão desses preciosos tesouros. Foram eles que me ensinaram que menstruar é uma grande alegria, que as mudanças de humor são um instrumento útil, me fazendo saber que sou eu quem determino como ajo diante das circunstâncias da vida, e que tenho uma capacidade de compaixão que jamais imaginei experimentar nesta existência. E ao mesmo tempo ainda me acho linda exatamente como sou, e me divirto com flores cor-de-rosa, máscara para cílios e vestidos rodados.

A menina de quem falei no início respondeu que sim, que ela achava que eu gosto de ser mulher. Eu perguntei porque ela achava isso, mesmo com todas as questões que conversamos antes. Outra prontamente respondeu: "porque você se ama e está em contato com você mesma". Não há coisa mais feminina que saber verdades que vão muito além das palavras e da razão.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Melissa Setubal

Profissional pioneira em Saúde Integrativa no Brasil, criou sistemas que apoiam mulheres que sofrem com sintomas do ciclo menstrual e com sua imagem no espelho. Atua como coach de saúde, com atendimentos individuais e em grupo. Saiba mais »

contato: melissa@melissasetubal.com
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS

Holis é uma empresa do Grupo Personare