Carregando pagina

Família > Filhos

Como contrabalançar razão e emoção?

Equilibre lógica e intuição para guiar os filhos e ter prazer como mãe

 

Quando a criança nasce a mulher sente a responsabilidade de ser verdadeiramente mãe. Mas o que é ser mãe? Ser mãe é sofrer no paraíso?

Ser mãe é buscar o equilíbrio entre a lógica e a intuição - a razão e a emoção. Lógica é pensamento, ideia, argumento, relato. Lógica é saber sequenciado. É saber o porquê das coisas. Saber que o maior não cabe dentro do menor. Entender que dois mais dois são quatro.

Intuição é quando você não precisa calcular. Você simplesmente sabe e sabe por que dois mais dois são 4 e dois vezes três são 6.

A razão é o amadurecimento do pensamento lógico, cognitivo racional. Saber pensar e saber porquê, saber as causas das coisas enquanto se move em direção ao destino.

Emoção é algo que nos move por dentro. Você não sabe por que e normalmente não consegue controlar. Emoção são nossos sentimentos de medo, tristeza, alegria, angústia, raiva, asco, pesar. Emoção é o que nos faz rir e nos faz chorar. Toda essa multidão de sentimentos se mistura dentro da mãe que precisa agora cuidar de um ser que acabou de ser gerado.

O começo da nova vida

E quando aquele ser nasce, a mãe precisa criar-lhe o caminho, cuidar. São noites mal dormidas, amamentação frequente, dar banho, proteger, levar ao médico. É nessa hora que impera muito mais a intuição materna como ferramenta fundamental estratégica. A sensibilidade torna-se imprescindível para gerenciar as emoções, um requisito muito além do controle das decisões que precisamos tomar na vida, desde comprar o melhor iogurte pelo melhor preço, até como trocar uma fralda e saber cuidar de uma pequena assadura.

O amor é o único movimento que gera comprometimento. O amor materno é indispensável para fazer crescer aquele pequeno ser que acaba de nascer. Mas a mãe é cérebro e coração, é sentimento e razão, é lógica e intuição.

Múltiplas experiências

Mas um dia a criança cresce e se torna adolescente. É nessa hora que a intuição da mãe prevalece para desenvolver a capacidade da conversa, do diálogo com esse filho. Ser mãe não é sofrer no paraíso. Ser mãe é viver o paraíso na própria terra. Desfrutar do prazer, a alegria de ter gerado em seu útero uma vida, e agora ver essa vida diante dos seus olhos, crescendo, aprendendo, desenvolvendo, vivendo múltiplas experiências, desde os primeiros passos por caminhos desconhecidos.

O mais importante é construir um bom relacionamento de amor e afeto. Porque a mãe sabe que precisa educar os filhos para que eles se tornem seres maduros e conscientes, úteis à própria humanidade. E o maior desafio é aprender a dialogar, saber escutar, se colocar no lugar e principalmente, saber para onde você está indo. Qual é o seu destino, mesmo que não saiba o caminho. Porque se não sabe para onde vai, como saber o caminho? Se não sabe o que é certo, como ensinar o que é certo para os seus filhos? "Se não sabe o que é certo, como ensinar o que é certo para os seus filhos? "

Portanto mãe, escute o seu coração, escute a sua intuição. Pare, analise de forma cognitiva, lógica e racional, o que você está fazendo, o que quer, dentro dos seus princípios, dos seus valores do seu caminho, do seu destino. Saiba o que você quer para os seus filhos, o que quer para você. Mas, principalmente, nunca deixe de escutar o seu coração.

Esta matéria foi útil para você?

SOBRE O AUTOR

Claudio Domingos

Trainer internacional e consultor de empresas com mais de vinte e cinco anos de experiência em desenvolvimento de pessoas e formação de líderes em grandes organizações. Especialista em aprendizagem acelerativa. Saiba mais »

contato: claudiodomingos@conexaorh.com.br
  • e-mail
  • Imprimir
E-mail para receber matérias da Revista

RECEBA NOSSA NEWSLETTER

NOVAS MATÉRIAS A CADA 15 DIAS